domingo, 11 de maio de 2014

DOMINGOS DA MINHA INFÂNCIA


Domingo, o Dia do Senhor - acordava cinco da manhã, tomava um banho gelado de água de camburão - era o dia de sair com os meus irmãos e o meu pai, para fazemos compras no Mercado Municipal Adolpho Lisboa - por lá comprávamos peixes, carnes, frangos, verduras/legumes e frutas (ingá, laranja, marimari, tucumã, cupuaçu e melancia), além do queijo coalho, pé de moleque, cuscuz, sorva, pamonha e, ainda tomávamos o nosso gostoso mingau de banana.



Voltávamos felizes com a sacola cheia e pesada, com o trajeto feito a pé, um pique até o Igarapé de Manaus – chegando em casa, era à hora de tomarmos banho no igarapé e pular da Ponte Romana I até o meio-dia.




Eu corria para casa, tomava um banho apressado, não tirava todo o cauxi do corpo – a minha mãezinha passava a minha roupa domingueira, num ferro a carvão e, dava apenas uma colherada de comida, corria feito um louco pelo meio da rua, indo direto para o Cine Guarany, para assistir filmes e ficar na brincadeira num local conhecido dentro do cinema como “poleiro”.

Ao sair, dava conta que a minha barrigada estava roncando de fome, com a tripa gaiteira fazendo festa – era quando “matava a broca” com um sanduíche de picadinho, com refresco de maracujá.



A cidade era pequena e pacata, dava para passear sozinho pelo centro antigo – a minha preferência era andar pela Avenida Eduardo Ribeiro, olhando as vitrines das lojas, além de ficar admirando alguns prédios antigos abandonados.


Às vezes a minha avó paterna levava-me para assistir missas na Igreja Matriz (Nossa Senhora da Conceição), aproveitava para brincar num parquinho e, visitar o “Aviaquário”, um local onde eu ficava admirando um Pirarucu nadar num imenso aquário, além de olhar, com medo, de um Jacaré Açu- a Minha avó comprava algodão doce, pipocas e pitombas.


Outras vezes, o meu pai levava-me para passear no “Rodo” (Rodoway), o nosso porto flutuante – ficava espantando com aqueles navios enormes e com a grandeza do Rio Negro.



Alguns domingos, a nossa família ia para o Parque Dez de Novembro, um balneário de águas limpas e cristalinas (Igarapé do Mindu), ficava bem em frente ao atual DETRAN – o lugar era distante, falavam que “ficava no fim do mundo”, com uma dificuldade enorme para chegar até lá, pois tinha pouquíssimos ônibus (de madeira) que faziam o trajeto do centro até aquele local.


Quando comecei a gostar de assistir a futebol de campo, dava uma pernada do centro até o Parque Amazonense - furava (subia pelos muros), pois não tinha grana para comprar os ingressos – quando o meu pai dava a grana, pagava para o dono de alguma casa que ficava ao redor do estádio e, subia em uma árvore para assistir ao jogo do meu Fast Clube do coração!

Pois é, mano velho - senti uma saudade danada daqueles domingos de antigamente. É isso ai.
Postar um comentário