domingo, 25 de agosto de 2019

BLOGDOROCHA: A ARBORIZAÇÃO DE MANAUS – PASSADO & PRESENTE

BLOGDOROCHA: A ARBORIZAÇÃO DE MANAUS – PASSADO & PRESENTE: A cidade de Manaus, no passado, era muito bem arborizada, como mostra as fotografias antigas – no presente, com o crescimento descon...

BLOGDOROCHA: CASA DE LEITURA THIAGO DE MELLO

BLOGDOROCHA: CASA DE LEITURA THIAGO DE MELLO: O governo federal através do Ministério da Cultura está criando a Biblioteca-Museu, no Porto de Manaus (Rodoway), dentro do “Programa Mai...

sábado, 3 de agosto de 2019

PROJETO JARAQUI – 40 ANOS DEBATENDO A AMAZÔNIA E SUA GENTE



No dia 14 de março de 1980, uma sexta-feira, em Manaus, o Projeto Jaraqui foi lançado, oficialmente, no Auditório da Faculdade de Estudos Sociais, da antiga Universidade do Amazonas, atual UFAM, coordenado pelo professor Frederico Arruda – no próximo ano, em março de 2020, completará a sua Bodas de Rubi – são quarenta anos debatendo sobre a nossa Amazônia e sua gente.


O Projeto Jaraqui surgiu dentro do “Fórum Permanente de Debates sobre a Amazônia”, onde a temática foi “Proposta para uma política florestal para a Amazônia”.



O Fórum e o Projeto Jaraqui tinham os seguintes objetivos:


Levar aos diversos segmentos da comunidade regional a discussão dos problemas amazônicos conhecimentos empíricos dos nativos e dos neo-nativos;
Estimular programas e projetos científicos e comunitários;
Suscitar uma autocritica e uma possível tomada de posição sociocultural, econômica e estético-filosófica as sociedades urbanísticas.


No lançamento oficial do Projeto Jaraqui teve a participação de intelectuais, acadêmicos, ecologistas e pessoas que estavam preocupadas com a problemática da Região Amazônica.


No dia 15 de março de 1980, às 10 horas da manhã de sábado, foi o primeiro dia de debates na Praça Heliodoro Balbi, a nossa querida Praça da Polícia – onde teve o pronunciamento do poeta Thiago de Mello, professor da Universidade do Amazonas.


Vários oradores se pronunciaram, particularmente contra o anteprojeto enviado ao Parlamento Federal pelo Ministério do Interior, que definia a política de exploração econômica da floresta amazônica.


Passados quase quarenta anos, o Projeto Jaraqui continua atuante, sob a coordenação do professor e antropólogo Ademir Ramos, um militante dos Movimentos Sociais – ele é acadêmico da Universidade Federal do Amazonas, um dos fundadores do Movimento dos Professores do Estado, bem como do Movimento Indígena e das Comunidades de Base, um atuante nas lutas sociais e pela afirmação da Democracia no Brasil.


Hoje, o Projeto Jaraqui lança o seguinte manifesto:


GRITA AMAZONAS: A DEVASTAÇÃO DA AMAZÔNIA É PAUTA MUNDIAL E NÓS COM CARA DE PAISAGEM. VEM PARA O JARAQUI E MANIFESTA A TUA INDIGNAÇÃO.


Quarenta anos atrás, um senhor de 72 anos de idade, chamado Francisco Cariatá, um cortador de seringa no Purus e Japurá, esteve na Praça e fez a seguinte declaração:


“Os constantes desmatamentos da floresta amazônica levarão Manaus a ter uma temperatura, no futuro, por volta dos quarenta graus”. 


O futuro é agora, o desmatamento continua e a previsão daquele homem interiorano se concretizou: em setembro, em pleno verão amazônico, em Manaus, faz mais de quarenta graus, na sombra!


Parabéns ao Projeto Jaraqui – desejo a todos os coordenadores desse importante movimento que permaneçam unidos e que, em março de 2020, façam uma grande festa dos quarenta anos de luta em favor da Amazônia e de sua gente.


É isso ai.


Fonte e fotos: Jornal A Crítica, edição de 16 de março de 1980 - Biblioteca Pública do Amazonas.