sexta-feira, 29 de março de 2019

BLOGDOROCHA: VISITA AO BALNEÁRIO DO RIO PRETO DA EVA

BLOGDOROCHA: VISITA AO BALNEÁRIO DO RIO PRETO DA EVA: Fui convidado por uns vizinhos para conhecer um sítio localizado no Km 52, da AM-010 (Manaus-Itacoatiara) – pegamos um ônibus da Linha...

sexta-feira, 22 de março de 2019

BLOGDOROCHA: O SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS DE MANAUS

BLOGDOROCHA: O SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS DE MANAUS: O primeiro sistema de captação de águas de Manaus foi feito na Cachoeira Grande, no bairro de São Jorge, depois, passou para a Ponta do Ism...

SECOS & MOLHADOS


DANDO PITACO

Por ser manauara da gema e, por ter morado todos os anos da minha vida na cidade de Manaus, tenho o direito e o dever de dar os meus pitacos sobre o nosso caótico trânsito. 
Diariamente, quem passa no horário de rush pelas avenidas Recife, Djalma Batista e Constantino Nery, no sentido centro-bairro, passa por um sufoco enorme para chegar a Avenida Torquato Tapajos.
Em frente a UNIP existe uma bifurcação, englobando a Recife e a Djalma numa única pista, ocasionando um engarrafamento quilométrico. 
Para completar o quadro de aberração da engenharia de trânsito, mais adiante, a Constantino se reduz, também, numa única pista.
As três maiores vias de acesso da nossa cidade terminam numa unica via!
O sufoco somente termina quando o condutor chega a Torquato.
A minha sugestão é de alargar a bifurcação, com a retirada de um posto de gasolina do final da Djalma, indenização e retirada de todas os imóveis que estão depois da UNIP.
Fazer um acesso ao Parque das Laranjeiras por dentro da cabeceira da pista de pouso do Aeroclube, além de retirar uma parte da referida pista para alargamento do final da Recife.
Tá ai o pitaco!

Graca Silva Outra coisa absurda, Rochinha, é a bifurcação Darcy Vargas/Maceió/Recife . Quem vai pela Darcy Vargas para entrar na Recife é um sufoco. Da mesma forma quem vem pela Maceió para seguir pela Ephigenio Sales, outra briga.


CULPA GERAL

Tirei essa fotografia uma semana antes da passarela cair (Avenida Torquato Tapajós). 
Toda a estrutura já estava arriando, com toneladas de lixo fechando o canal do igarapé.
Deu no que deu!
Sabem quem são os culpados?
1. Prefeitura de Manaus, por não ter alargado e cuidado do Igarapé;
2. O dono do posto da gasolina, por ter construído o seu estabelecimento margeando o igarapé;
3. O povo, por jogar lixo, fogão e até geladeira dentro o igarapé.
Ou seja, todos são culpados!
A PMM gastou os tubos para alargar o igarapé, caindo ainda mais a popularidade do prefeito.
O posto está interditado (ficando sem faturar por longo tempo)
O povo ficou sem a passarela para passar, dependendo agora do semáforo.


CAGADA GERAL


O Dono do Mundo, o Donald Topete
Faz uma gagada atras da outra
O Presidente Federal, o Capitão
Idem
O Governador do Grão-Para, o Jacaré Tinga
Ibidem
O Alcaide de Manaos, o Rei do Migue
Idem e Ibidem

Ta uma fedentina geral!

CANABRAVA

O novo Presidente do Senado Federal, um desconhecido pela mídia nacional, vindo lá da “Terra que Acaba (Amapá, em nheengatu)”, possui um sobrenome esquisito, confundindo na pronuncia até os seus pares (Senadores). 
Existe um método infalível para nunca esquecer um nome, basta fazer uma memorização por associação, por exemplo, o nome do citado presidente:
1. Quem matou Golias (Renan)? Davi.
2. O canabrava estava lombrado de álcool! Embolando o meio de cambo: Alcolumbre
Resultado: DAVI ALCOLUMBRE
Quero vê o caboco esquecer esse nome!


FAÇA O QUE DIGO, MAS, NÃO FAÇA O QUE EU FAÇO


Hoje, ao caminhar pelo Parque Desembargador Paulo Jacob (Igarapé de Manaus), deparei-me com um depósito de lixo todo pichado (aliás, todo o parque está pichado) com a seguinte frase de efeito (somente para impressionar, sem conteúdo): Fórmula Matemática Correta Para a Sociedade:



- Ódio
+ Amor



Lembrei-me daquela passagem bíblica “Obedeçam-lhes e façam tudo o que eles lhes dizem.
Mas não façam o que eles fazem, pois não praticam o que pregam (Mateus 23:2,3 NVI”.



Atualmente, as pessoas falam e até cantam (Renato e Seus Blue Caps) “Faça o que digo, mas, não faça o que eu faço” – ou seja, pregam uma coisa que todos devem seguir, porém, na calada da noite ou no escurinho do cinema, fazem tudo ao contrário do que falam ou escrevem.



Tem o caso do STF "APÓS VETAR PISO DOS PROFESSORES E DAR AUMENTO PARA SI MESMO, STF SE DESMORALIZA EM TODO O PAÍS"



O pichador ao praticar o nojento ato de pichar a cidade (não confundir grafite, que é arte, com pichação, um vandalismo) está praticando o ódio, emporcando os lugares públicos e particulares, em detrimento ao amor a sua cidade, que deve ser limpa, bonita, arborizada, com qualidade de vida.



Por falar em grafite, existe uma turma de artista na cidade, que deixou a pichação de lado para fazer obra de arte nos viadutos e passagem de nível da nossa cidade – isto sim é praticar menos ódio e mais amor.



A nossa vida é cheia de contradição, temos a nossa Mea culpa, pois, falamos e/ou escrevemos os nossos pontos de vista, mas, agimos algumas vezes de forma contrária.



O lance é tentar ser mais fiel (o ato de fazer) ao que falamos.



É isso ai.

quarta-feira, 13 de março de 2019

PARQUE JEFFERSON PÉRES ABANDONADO

Fotos da inauguração, ocorrido em 01/09/2009


Inaugurado com toda a pompa em primeiro de setembro de 2009, tornando-se o mais importante parque urbano de Manaus, uma concretização do sonho do saudoso senador amazonense Jefferson Péres – dez anos depois, encontra-se praticamente abandonado pelo poder executivo estadual, através da Secretaria de Cultura (SEC).

O nosso parque foi construído entre a Avenida Sete de Setembro e a Rua Lourenço Braga (Manaus Moderna), nas imediações do Centro Cultural Palácio Rio Negro (antiga sede do governo estadual).

Ocupa uma área de aproximadamente 53 mil metros quadrados, englobando  as duas pontes romanas (I e II) dos Igarapés de Manaus e Bittencourt – por lá encontra-se a estátua do senador e um imenso mastro com a maior bandeira do Amazonas.

O Parque está merecendo uma atenção muito grande do poder público estadual, mais especificamente da Secretaria Estadual da Cultura (SEC), pois está abandonada em toda a sua extensão, deixando uma sensação de descaso e falta de amor pela nossa história por parte das autoridades públicas.

Infelizmente, as autoridades públicas preferem fazer grandes obras, posar nas inaugurações como fosse pai da criança, esquecendo, tempo depois, da manutenção dos espaços públicos.

Comparando as fotos da inauguração, ocorrida em 2009, com as de dez anos depois, março de 2019, as imagens valem por mil palavras!

O atual governo estadual divulga na imprensa o seu desejo de organizar as finanças do Estado do Amazonas e, valorizar o turismo como fonte de recursos em substituição, paulatinamente, ao modelo atual da Zona Franca de Manaus.


A recuperação urgente do centro histórico faz-se necessário para o incremento do turismo em nossa cidade, além de recuperar a autoestima e o amor dos manauaras por sua cidade.


O Parque está tomado de plantas invasoras, como as ervas daninhas; o mastro está sem a nossa bandeira; muitas plantas estão mortas; o playground está danificado; a Fonte dos Leões não jorra mais água; muitas luminárias estão queimadas, dentre outras.

Não será necessário fechar o parque, colocar tapumes e passar um tempão fechado, apenas fazer a recuperação dos itens acima – serão pequenas coisas que farão toda a diferença.

Um mastro sem a bandeira pode? Não pode! Uma fonte sem água pode? Não pode!

O Parque é o quintal da Secretária de Cultura (SEC) – se os dirigentes não cuidam da sua própria casa, irão cuidar do resto?

Vamos torcer pela nova administração, leia-se Marcos Apolo, seja mais sensível ao nosso apelo.
 
É isso ai.

Observação: as fotos colagens são de setembro de 2009. Irei publicar depois as de 2019.


terça-feira, 12 de março de 2019

BREGA FEST NO BAR CALDEIRA



Sábado passado, o Bar Caldeira promoveu um evento denominado "Brega Fest", com Nunes Filho, Guto Lima, Bloco Stone Novo e Pororoca Atômica.



Uma misturada de brega (claro!), arrocha, samba, beiradão, carimbó e guitarrada.



Curti muito a apresentação do cantor Nunes Filho, pois o Rei do Brega deu um show de simpatia e interação com o público.



Com aquela calça, camisa e sapato social, combinando com uma pochete no cinturão, além de anéis, cordões e pulseiras de prata. Um brega muito legal.



Não tinha essa de grade de proteção, ficou junto ao público, cantando e encantando, deixando todo mundo fazer selfies e filmagens.



Deu canja para outro cantores, como a Celestina Maria, ao qual chamava de "Mamãe".



Pedi para ele cantar uma para lembrar lá dos lupanares (puteiros) Maria das Patas e Lá Hoje, atendeu de imediato.



O pessoal foi ao delírio com as músicas:



"Estou subindo pelas paredes
De prazer
Estou subindo pelas paredes
Com você"



"Eu sou o bom, eu sou o Príncipe do Brega
Sou isso tudo, minha música pega
Tô na cidade, tô nos bairros, tô em todo lugar
Tô na TV, tô na rádio, não consigo parar"



No final, adentrou ao bar, onde estavam os frequentadores de carteirinha. Falei-lhe: - Nunes, você não cantou nenhuma música brega! - na gozação



Ele respondeu: - Tu és leso, abestado, passei a noite toda cantando somente brega, a minha marca registrada!



Como diz uma canção do cantor Reginaldo Rossi, considerado o rei do brega, “No brega entre preto e entra branco, no brega entre pobre e barão”.



É isso ai



Foto: D´Castro Photográfo


quinta-feira, 7 de março de 2019

PASSEIO DA MANAUARA DUDA NO BOSQUE DA CIÊNCIA DO INPA.

PRAÇAS ABANDONADAS DE MANAUS – Praça da Polícia



A Praça Heliodoro Balbi, conhecida pelos manauaras como Praça da Policia, constitui-se num dos logradouros público mais bonito da nossa cidade, além de ser pura história - está merecendo uma atenção muito grande do poder público estadual, mais especificamente da Secretaria Estadual da Cultura (SEC), pois está abandonada em toda a sua extensão, deixando uma sensação de descaso e falta de amor a nossa história por parte das autoridades públicas.

A minha cidade Manaus possui dezenas de praças, com maior visibilidade as localizadas no centro da cidade, por terem sido inauguradas em plena Belle Époque, onde o dinheiro corria solto, sendo possível dota-las de equipamentos importados do continente europeu.

A Praça da Polícia, como é popularmente conhecida, foi inaugurada no final do século dezenove, tendo várias denominações, sofrendo ao longo do tempo várias transformações e restaurações, tornando-se a mais bela da nossa cidade.

Infelizmente, as autoridades públicas preferem fazer grandes obras, posar nas inaugurações como fosse pai da criança, esquecendo, tempo depois, da manutenção dos espaços públicos.

Esse descaso e abandono são visíveis em todas as praças de Manaus – com relação à Praça da Polícia é uma vergonha, um caso de polícia mesmo!

Comparando as fotos da restauração, ocorrida em 2009, com as de dez anos depois, março de 2019, as imagens valem por mil palavras!

 Fotos da restauração, ocorrido em 2009.




O atual governo estadual divulga na imprensa o seu desejo de organizar as finanças do Estado do Amazonas e, valorizar o turismo como fonte de recursos, substituição paulatinamente o modelo atual da Zona Franca de Manaus.

A recuperação urgente do centro histórico faz-se necessário para o incremento do turismo em nossa cidade, além de recuperar a autoestima e o amor dos manauaras por sua cidade.

Não será necessário fechar a praça, colocar tapumes e passar um tempão fechado, apenas fazer a recuperação dos lagos, da iluminação e dos canteiros – serão pequenas coisas que farão toda a diferença.

É isso ai.

Observação: postei foto do dia da restauração, ocorrido em 2009 – logo mais anexarei as de hoje.



Fotos José Rocha