terça-feira, 30 de dezembro de 2008

CEM ANOS DEPOIS - AS ESPERANÇAS AINDA SE RENOVAM! FELIZ 2009!


sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

BEIRADÃO - BAIRRO DO SÃO RAIMUNDO




PALACETE/PRAÇA HELIODORO BALBI




BANDA DA BICA






Os organizadores da Banda Independente da Confraria do Bar do Armando – BICA, formado por juizes, advogados, promotores de justiça, médicos, músicos, jornalistas, compositores, atores, estudantes, comerciários, prestadores de serviços, desempregados, etc., começaram cedo os preparativos para a grande festa carnavalesca.

Ficou acertado que o tema do carnaval será “Renata, mulher ingrata”, uma alusão às denúncias de corrupção contra o governador do Amazonas, Eduardo Braga, feitas a partir de documentos e um DVD entregues por Renata Moreira Barros, mulher de um sócio do governador conhecido como Nei Barros. Os documentos indicam a existência de um esquema de superfaturamento de combustível no estado, entre outras irregularidades. Depois das denúncias a Renata mudou de atitude, fez a reaproximação com o marido, de quem, ganhará uma pensão de R$ 100 mil.
A Banda da Bica, sempre foi marcada com um humor escrachado, debochado e irreverente; o QG fica no Largo de São Sebastião, no Bar do Armando, cento de Manaus; o esquenta começou dia 24 do corrente, com a animação por conta dos Demônios da Tasmânia; no dia 31 será a Festa do Talco.
A grande festa será no dia 14 de fevereiro de 2009, sábado gordo; teremos os desfiles dos bonecos, feitos pelo Paulo Mamulengo; Carro Alegórico, comando pela Petrolina, a eterna rainha da banda; a apresentação da batucada da Escola de Samba do Reino Unido; apresentação de inúmeras marchinhas, executadas pela banda oficial – Os Demônios da Tasmânia; além da apresentação do CD da BICA.

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DO AMAZONAS


COLÉGIO PRECIOSÍSSIMO SANGUE


COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT


BARCO


terça-feira, 23 de dezembro de 2008

CHICO MENDES

Brasília, 22/12/2008 - "A morte de Chico Mendes, há 20 anos, gerou não um mito, mas um estado de consciência. Desde então, a luta em defesa do meio ambiente e dos trabalhadores da floresta passou a integrar a agenda política do país. E não apenas: obteve repercussão mundial". A afirmação foi feita hoje (22) pelo presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, ao exaltar a importância para a história brasileira do seringueiro e defensor da preservação da floresta amazônica, Francisco Alves Mendes Filho, o Chico Mendes, morto no dia 22 de dezembro de 1988 por um tiro de espingarda.
Na nota, Britto lembra que Chico Mendes conscientizou e organizou os trabalhadores rurais da Amazônia, defendeu o fim da ação predatória na região e, de líder sindical e seringueiro, transformou-se em ícone da preservação da Amazônia. "Os danos que anteviu e denunciou aumentaram, mas hoje a voz dos que o seguem já não clama no deserto. É ouvida em todo o mundo e gera ações governamentais concretas e objetivas, mobilizando apoio internacional", afirmou Cezar Britto, acrescentando que a OAB se associa, hoje, às homenagens em memória do líder sindical.
Precursor do ambientalismo brasileiro, Chico Mendes nasceu e viveu nos seringais de Xapuri, no Acre. Ele defendia o direito à exploração dos recursos naturais, mas sem o esgotamento. Sua preocupação maior era com a sustentabilidade da Amazônia e contra transformação da floresta em pasto para criação de gado, intensificada a partir do fim da década de 1970. Dirigiu a Central Única dos Trabalhadores no Acre, foi vereador pelo MDB e participou da fundação do PT no Acre. Com os empates em torno da preservação da Amazônia, Chico Mendes passou a conviver com as ameaças de políticos e fazendeiros da região, tendo enviado às autoridades locais uma lista com os nomes de possíveis algozes.
O fazendeiro Darly Alves e o filho, Darcy, foram apontados como mandante e autor, respectivamente, da morte de Chico Mendes, em Xapuri. Em 1990, os dois foram condenados a 19 anos de prisão pela morte do seringueiro.
OAB - CONSELHO FEDERAL

SIGNIFICADOS DOS ELEMENTOS NATALINOS

“O Natal é a festa de Cristo e Jesus salvador que veio para ajudar a criar um mundo mais solidário”, disse o bispo auxiliar da Arquidiocese de Manaus, dom Sebastião Bandeira Coelho.
O primeiro presépio foi feito por São Francisco de Assis (1182-1226), significa a encarnação de Jesus;
A árvore de Natal representa a vida, fica verde no inverno;
As bolas de enfeite simbolizam bons frutos;
Os presentes nas árvores são os anjos anunciando o nascimento do menino Jesus;
Os sinos anunciam nas igrejas o nascimento; o cajado, instrumento dos pastores, profissão de José, pai de Jesus;
As luzes (pisca-pisca e velas) significam que o Natal é a festa das luzes; representa também as estrelas que guiaram os Três Reis Magos do oriente;
O Papai Noel, foi inspirado em São Nicolau, bispo da Turquia, gostava de ajudar as pessoas em dificuldades e dava presentes às crianças;
O bolo recheado de frutas secas e uvas secas, inventado pelo padeiro italiano Tone, conhecido por pane-di-tone;
O peru, ave americana, prato obrigatório na Festa de Ação de Graças.
Fonte: Jornal Diário do Amazonas.

COLÉGIO PRECIOSÍSSIMO SAGUE

Date: Mon, 15 Dec 2008 09:49:00 -0400From: jaaz.30anos.2008@gmail.comTo: jmartinsrocha@hotmail.comSubject: CONTACTO
Hola, José. Feliz dia e Feliz Natal a ti e a todos da tua família. Estou tentando o correio eletrônico do Convento do Preciosíssimo Sangue. Sou ex-aluna e vivo na Venezuela e até agora não obtive êxito na busca. Você pode me ajudar?
Vi que gostas de música popular amazonense que nada mais é que MPB. Você conhece o cantor Amílcar Azevedo? Ele é meu irmão.
Você gosta de receber pps e vídeos culturais?

Oi Janete, O e-mail é o seguinte:
preciosissimo@vivax.com.br Av. Constantino Nery, 1667, São Geraldo - tel. 92 3633-2733 Um abraço,José Martins Rocha

Muito obrigada José. Uma curiosidade: você é ex-aluno do Preciosíssimo?
Oi Janete! Tenho uma filha chamada Amanda Costa Soares, ela estudou o ensino fundamental no Colégio Preciosíssimo; está com 22 anos de idade e se forma agora em dezembro de 2008 em Odontologia, pela Universidade Federal do Amazonas. O teu irmão Amílcar faz muito sucesso na nossa cidade, com certeza é um grande artista! Ficarei muito agradecido em receber vídeos culturais e fotos de Manaus.

JOSÉ, eu e meus irmãos estudamos no PPS e te digo uma coisa: foi muito importante para todos nós termos Ir. Clemens & Cia como nossas educadoras. Deu um piso pra lá de sólido. Somos muito agradecidos a elas.
Que maravilha ter uma filha como Amanda. Tão jovem e já é odontóloga. Que Deus a ilumine a todos de tua família. FELIZ NATAL!!!


Oi Janete! Obrigados pelos vídeos. Algumas vezes publico no blog
www.jmartinsrocha.blogspot.com a troca de e-mail quando o assunto é a nossa cidade de Manaus, posso publica-los? Um abraço,José Martins

Ok, Ok. Dá-lhe. JAN

sábado, 20 de dezembro de 2008



Fui convidado pelo casal Paulo de Tarso e Dona Rosangela, para passar o final de ano na Vila de Paricatuba; assistir do outro do lado rio, ao show pirotécnico que acontecerá na Praia de Ponta Negra, em Manaus.

Com certeza será uma oportunidade ímpar, passar a virada do ano, junto com a natureza, tomando banho no nosso Rio Negro, bem longe de toda a agitação da cidade.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA

O médico psiquiatra Rogélio Casado advoga que, a sociedade civil organizada é importantíssima para o crescimento e o desenvolvimento de uma cidade, dessa forma, não poderemos mais ficar assistindo ao jogo na arquibancada, deveremos, sim, partir para dentro do campo e influenciar no resultado da partida.

Compartilho com as idéias do nobre médico, inclusive estamos tentando reativar a Associação dos Amigos de Manaus, com a intenção de exatamente não deixar o dono da “bola” tentar fazer todos os gols, sem o mínimo de respeito para com os seus companheiros e da torcida.

Estou feliz com os atos públicos que aconteceram recentemente na nossa cidade:
1. Repúdio a construção de uma obra do Porto das Lajes, que irá comprometer o patrimônio paisagístico e ameaça o Encontro das Águas (Rio Negro e Solimões);
2. Contra a mensagem do atual Prefeito de Manaus, o senhor Serafim Corrêa, a mando do prefeito eleito Amazonino Mendes, reduzindo o percentual de 30% para 25% dos investimentos em educação, com a incrível justificativa que o município de Manaus faria uma “economia” de R$ 114 milhões, para investir em construção de mais viadutos e passagens de nível, é mole!
3. Ato de apoio a juíza Maria Eunice Torres, realizado pelos universitários, estudantes de escolas publicas e representantes de diversos segmento da sociedade civil organizada, em decorrência da perseguição que ela está sofrendo por ter cassado o registro de candidatura do prefeito eleito Amazonino Mendes e por ter rejeitado os embargos de declaração interpostos pela defesa do candidato.

Vamos nos unir, somar forças, brigar, fuçar, dar idéias, não deixar acabarem com o nosso patrimônio público; enfim, participar mais ativamente da Associação dos Amigos de Manaus, influindo decididamente no crescimento e desenvolvimento da nossa querida e amada Manaus!

sábado, 13 de dezembro de 2008

LUGAR DA BARRA, ANTIGA MANAUS












Manaus nasceu aldeia mestiça de índio com português, e de tanto ouvir dizerem "sou da Barra", "aqui é a Barra"..., Lugar da Barra se chamou.
Conservou o nome de batismo até 1833, quando foi elevada a vila e se tornou a sede do termo principal da Comarca do Alto Amazonas. Passou então a chamar-se Manaus e ganhou sua própria estrutura administrativa e judiciária.
Etelvina Garcia


sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Praça da Polícia ( Robério Braga )





A praça da Polícia vai ser reaberta ao público no dia 20 de dezembro de 2008. O governo do Estado, na pessoa do Dr. Robério Braga, está de parabéns pelo excelente trabalho; com certeza este brilhante amazonense ficará na história do nosso Estado, por suas homéricas lutas em prol da nossa cultura. Na oportunidade, transcrevo o belíssimo trabalho escrito pelo Dr. Robério.



"Conhecida popularmente como praça da Polícia, a praça de Heliodoro Balbi tem história peculiar na formação urbana da cidade de Manaus. Antes de ser organizada como logradouro público, ladeada pelo edifício do Ginásio Amazonense Pedro II e pelo antigo Regimento Militar, era um pedaço de chão que parecia destinado a recolhimento e passeio da população, um imenso descampado.Vários nomes foram dados ao logradouro. Oficiais ou não. Largo do Liceu, Largo do Palacete, Largo 28 de setembro, Praça da Constituição, Praça Gonçalves Ledo, Praça Roossevelt, Praça João Pessoa. Cada nome tinha uma razão histórica. Largo do Liceu referia-se ao fato de estar diante do Liceu Amazonense, nome que foi dado a escola secundária erguida em 1886, depois Ginásio Pedro II. Largo do Palacete porque também naquele lugar ficava localizado o prédio do Palacete Presidencial, onde moravam e cumpriam missões de governo os presidentes da província do Amazonas até 1888, no mesmo edifício onde está o Comando Geral da Policia Militar. Largo 28 de setembro em homenagem a lei do ventre livre, que data de 1871 mas a denominação para a praça resultou de proposta do vereador José Justiniano Braule Pinto em 1872. Praça da Constituição em homenagem a promulgação da primeira constituição do Estado do Amazonas(1891), ao tempo do governador Eduardo Ribeiro, depois de receber calcetamento em paralelepípedos.Em 1895 na administração do Pensador, foi dividida em duas seções, cortada pela rua de Marcílio Dias para permitir a passagem da linha de bondes, que serviria também diretamente ao Congresso Estadual que funcionava no prédio do quartel policial.Sua construção e ajardinamento foi determinada em 1906, sendo prefeito de Manaus o coronel e comandante da Policia Militar, Adolpho Guilherme de Miranda Lisboa, situa-se entre as ruas de José Paranaguá, dr Moreira, Guilherme Moreira e avenida Sete de Setembro, tendo ocupado inicialmente uma área de 6.600 metros quadrados.A nova praça, por assim dizer, foi inaugurada às 16:30 do dia 23 de junho de 1907, aniversário de governo Constantino Nery, na presença de várias autoridades e populares, lavrando-se, como de hábito, ata da solenidade. Seguindo linhas européias, especialmente francesa em todo o seu traçado, com jardins singulares, um pavilhão de ferro erguido sobre base de alvenaria de pedras, lago artificial cortado por uma ponte de cimento armado, uma gruta com cascata, um chalé de alvenaria de tijolo para guardar as ferramentas que cuidariam da sua conservação, um fonte de ferro fundido e diversas estatuetas de ferro sobre alvenaria e pilastras de pedras. Um catavento colocado no pátio interno do quartel, abastecia com a água necessária para o funcionamento da cascata e na gruta onde jorrava a água, podia-se ver um tanque com exemplares de jacaré , pirarucu, piraquês e patos.Havia outra vida na praça, com as retretas da banda de música.Em 1911 sofreu reformas com a pintura das estátuas e remodelação dos jardins, sendo prefeito o dr Jorge de Moraes. Em 1914 novas reformas, quando era prefeito o dr Dorval Pires Porto, depois governador do Estado deposto pela revolução de 1930, sendo plantadas fícus-benjamins, 30 roseiras, 190 outras mudas de plantas ornamentais, passando a ser cuidada pelos alunos do Ginásio Pedro II. Em 1920 receberia profundas reformas na administração do prefeito Basílio Torreão Franco de Sá, modificando o seu traçado original incluindo quase uma centena de bancos de madeira, gaiolas de araras, macacos, cotias. Em 1923 já era possível ver os jardins simétricos.Em 1926, na administração de José Francisco de Araújo Lima, o grande autor de Amazônia - A Terra e o Homem, sofreu reformas com a demolição da casa da guarda, a transferência da fonte para a avenida 13 de maio, atual Getulio Vargas, perdendo também, a seguir, na administração do prefeito Admar Thury, a gruta artificial e algumas palmeiras que a embelezavam demasiadamente.Em 1938 passa por novas reformas, na administração do prefeito Antonio Botelho Maia, quando foram plantadas as Nogueiras, copiando um pouco a praça Paris, do Rio de Janeiro., sendo dividida em duas seções, surgindo a praça João Pessoa, entre as ruas Marcílio Dias e Guilherme Moreira, onde foi edificado pequeno coreto com as colunas oriundas do Teatro AmazonasNos primeiros anos de 1950 surge o Café São Jorge, depois Café do Pina como é conhecido até os dias de hoje, fazendo história e sendo palco de inúmeros episódios interessantes da vida boêmia de Manaus, da política e das letras. Em 1 de dezembro de 1953 passa a receber a denominação oficial que ainda guarda nos dias de hoje praça de Heliodoro Balbi, quando era prefeito de Manaus o dr Aluízio Marques Brasil. Era a transmudação do nome então conferido à praça existente em frente ao colégio Dom Bosco que passou a merecer o nome daquele religioso.Heliodoro Balbi nasceu em 16 de fevereiro de 1876, sendo filho de Nicolau Balbi e Domiciana Balbi. Formou-se em Direito na faculdade do Recife, sendo orador da sua turma. Foi professor de Literatura do Ginásio Amazonas Pedro II, por concurso, laureado em primeiro lugar. Integrou o grupo de fundação da Academia Amazonense de Letras (1918), político e jornalista combativo, foi figura emblemática na região durante muitos anos. Disputou a deputação federal pelo Amazonas e em 1906 integrava o Partido Revisionista. Faleceu em Rio Branco do Acre, em 26 de novembro de 1918, mas seus restos mortais foram depois transladados para Manaus.Em 22 de novembro de 1954 ali na praça foi fundado o Clube da Madrugada, debaixo do mulateiro, servindo como movimento cultural e literário de renovação das letras e artes no Amazonas.Sua feição seria novamente modificada na administração do prefeito Jorge Teixeira de Oliveira (1975-1979), com o deslocamento do café do Pina, então localizado no corredor central da vida pública, para o canto da praça da Policia, seguindo-se a reforma completamente modificadora do prefeito Manoel Ribeiro, retornando em grande parte, ao traçado definido em 1920 pelo prefeito Basílio Torreão Franco de Sá, mas foi aberta à comercialização de gêneros alimentícios. Nova paisagem seria formada na administração do prefeito Arthur Virgílio Neto com a construção da passarela Felix Valois Coelho, edificada na base da praça pela rua de Floriano Peixoto e a tribuna livre, púlpito destinado a simbolizar a liberdade de manifestação do povo naquele lugar histórico, conforme determinado pela Lei Orgânica de Manaus. A seguir, na administração Alfredo Pereira do Nascimento, recebeu os gradis que procuram conservar os seus jardins.Nela persistem com estilo o coreto art-noveau, com espetáculos de arte aos fins de tarde, quando os violinos, orquestras e canto se fazem ouvir pela população que ocupa o auditório especialmente montado para este fim. Desde 1998, regularmente, a praça voltou a ser palco de atividades artísticas com o programa Clássico para Todos desenvolvido pelo governo do Estado através da Secretaria de Cultura. E nela se podem ver os bustos de Ferreira de Castro e Bruno de Menezes, o primeiro deles vulto singular da literatura portuguesa e o segundo, destaque da poesia amazônica e a homenagem a Gonçalves Dias, o grande poeta maranhense que viajou ao Amazonas nos tempos do Império.
(*) RB é historiador, ex-presidente da Academia Amazonense de Letras e atual presidente do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas e Secretário de Estado da Cultura, Turismo e Desporto.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

BELLE ÉPOQUE















Belle Époque
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para:
navegação, pesquisa

Paris era um grande centro, não só cultural, mas também de diversão. Dança no Moulin Rouge (1890), de Henri de Toulouse-Lautrec, Museu de Arte de Filadélfia.
A Belle Époque foi um período na história da
França que começou no fim do século XIX e durou até a Primeira Guerra Mundial.
A Belle Époque foi considerada uma era de ouro da beleza, inovação e paz entre a França e seus vizinhos
europeus. Novas invenções tornavam a vida mais fácil em todos os níveis sociais, e a cena cultural estava em efervescência: cabarés, o cancan, e o cinema haviam nascido, e a arte tomava novas formas com o Impressionismo e a Art Nouveau. A arte e a arquitetura inspiradas no estilo dessa era, em outras nações, são chamadas algumas vezes de estilo "Belle Époque".
Enquanto a arte e a inovação floresciam, esta época também viu a ascensão de militantes da classe trabalhadora (
proletários) e movimentos socialistas organizados. Estes conflitos, assim como vários escândalos políticos, começaram a polarizar o país entre a "Esquerda" e a "Direita". Apesar disso, este período é lembrado na França como uma era dourada do passado que terminou bruscamente com o início da Primeira Guerra Mundial.
Também é a expressão que designa o clima intelectual e artístico do período que vai aproximadamente de
1880 até o fim da Primeira Guerra Mundial, em 1918. Foi uma época marcada por profundas transformações culturais que se traduziram em novos modos de pensar e viver o cotidiano. Inovações tecnológicas como o telefone, o telégrafo sem fio, o cinema, a bicicleta, o automóvel, o avião, inspiravam novas percepções da realidade. Com seus cafés-concertos, balés, operetas, livrarias, teatros, boulevards e alta costura, Paris, a Cidade Luz, era considerada o centro produtor e exportador da cultura mundial. A cultura boêmia imortalizada nas páginas do romance de Henri Murger, Scènes de la vie de bohème (1848), era um referencial de vida para os intelectuais brasileiros, leitores ávidos de Baudelaire, Rimbaud, Verlaine, Zola, Anatole France e Balzac. Ir a Paris ao menos uma vez por ano era quase uma obrigação entre as elites, pois garantia o vínculo com a atualidade do mundo.
"A Belle Epoque é a idade do ouro da profissão docente; ela é também a inauguração da criança-rei ou, se assim se prefere, do 'século da criança".