sábado, 25 de fevereiro de 2017

TIA NAZINHA, DA RUA FREI JOSÉ DOS INOCENTES






Faz uns seis anos fui convidado para participar de um bingo, na Rua Frei José dos Inocentes, no centro antigo de Manaus – tive a grata satisfação de conhecer a Tia Nazinha – fiquei na torcida para ela ganhar um aparelho de televisão, porém, não obteve êxito – na semana seguinte, o empresário da Augusto Máquinas e Equipamentos, convidou-me para fazermos a entrega de uma TV novinha para ela – a sua garra, amor pelo samba e o carnaval, contagia a todas – é a cara da nossa cidade.


Sempre tive a vontade de entrevistá-la e fazer uma postagem no nosso blog, no entanto, não foi possível - aproveito um trabalho feito pelo Paulo André Nunes, do jornal A Critica, para homenageá-la nesse sábado gordo de carnaval.


Nasceu na década de trinta, em Manaus, os seus pais eram barbadianos (Barbados, América Central), foi criada em casa de família, onde passou por maus momentos, trabalhava como fosse uma escrava, tendo até o  seu corpo marcado com ferro quente na altura dos seios.


Casou com Francisco Marques de Carvalho (78 anos), com quem teve 18 filhos (8 vivos), 50  netos e 58 bisnetos, foi cozinheira e lavadeira, batalhou muito para cria-los – antiga moradora do centro antigo, sendo a mais festejada e querida da Rua Frei José dos Inocentes.


A Tia Nazinha, como é carinhosamente chamada, foi a primeira baiana da Escola de Samba Aparecida, por onde desfilou nos seus 36 anos da agremiação – não perde um ano mesmo estando doente do joelho devido a uma queda de um ônibus, em 2014.


Ano passado, assim declarou ao jornal: 


“Sou Aparecida e amo meu bairro e minha escola de samba até a morte. No dia do desfile eu fico boa e me apresento como em todos os anos. Nem que seja em cadeira de rodas ou aonde for. E depois vou pro hospital, se precisar”.


Aos quinze anos de idade já brincava nos blocos de sujo, na Avenida Eduardo Ribeiro “Fazíamos instrumentos como o tambor e o tan-tan. Queimávamos jornais para esquentar os tambores e o xeque-xeque, e as pessoas saíam cantando. Era Carnaval. Quantas saudades desse tempo. Manaus e Manaus, né, maninho? Uma história abençoada por Deus”.


Participou, também, das Escolas de Samba Unidos da Selva e Em cima da Hora (extintas).


É madrinha do Bloco do Frei (fundado em 2011   está em exposição no Museu Amazônico), no qual é homenageada todo ano com uma boneca gigante, feito pelo artista e ator Nonato Tavares.

Declarações: 

“Não é mais aquele Carnaval. Hoje só se vê político que joga dinheiro fora, coloca as fantasias luxuosas, etc. Pobre desce no chão com as fantasias compradas com o seu salário mínimo”. 

“O Carnaval do passado era lindo e maravilhoso, mas era também uma guerra entre as escolas de samba Aparecida e Vitória Régia, que não se uniam. As pessoas brigavam e tinham amor e garra pela escola. E não se falava em dinheiro”.   

“Sem as baianas as agremiações não são nada. Tem que dar água para elas na hora do desfile”, conta, “rodando a baiana” nas críticas.


Completando: “Vem de Nossa Senhora Aparecida, Virgem Mãe, da qual tenho muita fé. Todos os dias às 3h eu rezo, e tiro um terço ao deitar também. Rezo por todos, da imprensa, autoridades, pelo meu presidente da escola. Que Deus nos proteja. Desejo um bom Carnaval a todos e que Jesus nos abençoe”.


É isso ai, Tia Nazinha, que Deus a proteja – saúde e bom carnaval!

Fonte:




quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

CANDIRU – O JORNAL DE MAIOR PENETRAÇÃO - NUMERO ZERO




Para homenagear o nosso amigo jornalista Mário Adolfo, que se encontra em tratamentos médicos, publico parte de um dos seus trabalhos jornalísticos, o “Candiru”, um jornal que teve a sua primeira edição (Ano I Numero Zero) em julho de 1986 (trinta anos), fazendo parte da história da nossa cidade, com o primeiro jornal disponível na Biblioteca Pública do Amazonas, na parte de jornais antigos, também, digitalizado no site da Secretaria de Cultura (SEC).




“CANDIRU
Uma publicação da “Editora Artnativa” e tinha como editores: Simão Pessoa, Mário Adolfo, Jorge Estevão e mais uma caralhada de nego que está com medo de assumir esse troço.
Colaboradores: Aldísio Figueiras, Joaquim Marinho, Antônio Paulo Graça, Bosco Ladislau, Inácio Oliveira, Francisco Pacífico, Arnaldo Garcez e Simone Beauvoir.
Endereço para correspondências: Caixa Postal, 3090 – 69.000 – Manaus – Amazonas.
Editado em 1986 no paraíso dos colarinhos verdes”.´Preço: Cz$ 10,00 o mesmo de uma cerveja".



O primeiro jornal foi lançado com doze páginas, com as seguintes manchetes:
1.    Reforma com o bigode nem o diabo pode!
2.    A cerimônia do adeus do Pena Branca
3.    Simone de Beauvoir no Candiru, sem nenhuma cerimonia!
4.    Joaquim Marinho de férias, pensa em mais sacanagem!
5.    Aedes Aegypty já está em Manaus!
6.    Gilberto não é viado!
7.    Plínio não é ladrão!
8.    Fábio não é alcoólatra!
9.    Galeto da quitanda acredita na nova geração de craques
10. Pantera saiu à noite e fez nova vítima
11. Rei Pelego oferece “Xoxa” para os tarados da “Tia Cida”
12. Boto Tucuxi encantou o escritor
13. Chá & Simpatia
14. Habemus Miss
15. Cohentro gora só usa camisinhas sem colarinhos.


            
             O peixe Candiru, também chamado de “Peixe-Vampiro”, de água doce, muito temido pelos ribeirinhos, pois é atraído pelo urina e gosta de penetrar na uretra, no ânus ou na vagina, quando se instala não tem mais como voltar, sendo retirado somente por meio de cirurgia.

     Um jornal escrachado, sem pudor, com composição livre e irônica contra as instituições (sátira), escrito por uma plêiade de jornalistas, poetas e escritores da nossa terra, tando que sobreviveu até hoje, podendo ser acessado no endereço eletrônico www.candiru.com.br 



Fotos do CANDIRU
Fonte: Acervos de jornais antigos da SEC


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

JORNAL DA ASSOCIAÇÃO ESPORTIVA BEASA - NOTICIAS – MARÇO 1984 – NO. 1


Por ser irmão do funcionário do antigo Banco do Estado do Amazonas (BEA), o José Rocha Martins Filho, tinha acesso as dependências da BEASA, na década de oitenta – ao pesquisar em jornais antigos, disponibilizados pela Secretaria de Cultura do Amazonas (SEC), deparei-me com o jornalzinho dessa associação recreativa, exatamente daquela época boa – irei republicar as principais notícias.

1.    Diretoria da BEASA – Biênio 84/86:
Presidente: Nilo Dantas de Assi;
Vice-Presidente: Ivan Jorge Cheik Furtado;
Secretários: Terezinha Santos – Orlando dos Santos Ferreira;
Tesoureiros: Miberval  Ferreira Jucá – Walmir Galvão do Nascimento;
Diretor Social: Erly de Souza Barroso;
Diretor de Esportes: Luiz Vanilso Mansour Blanc;
Diretor de Patrimônio: José Ruy Teixeira da Cruz;
Diretor Cultural: Weber Malcher.


2.    Nilo promete uma BEASA forte e poderosa – Usando da palavra o Presidente empossado, Nilo Dantas de Assis, prometeu fazer a BEAS uma entidade forte e poderosa: “Faremos, colegas, com a ajuda de nossos superiores, desta agremiação, uma entidade forte e poderosa. Forte em seus princípios e poderosa em sua sigla amazônica. Esta sigla cabocla que amamos e que será um ponto de convergência para os seus associados ou para aqueles que buscaram em seu convívio uma sombra amiga e de esperança. Muito obrigado”.



3.    Erly é destaque a frente da Diretoria Social – O Direto Social Erly Barroso vem realizando um trabalho de primeira linha na BEASA, sem medir esforços para dar ao associado o que tem de melhor nas festivas noites dançantes, manhã de Sol ou bailes carnavalescos. Parabéns ao Erly. Continue com essa dinâmica, jovem.




4.    Foto da ocasião da posse da nova Diretoria da BEASA, na Sede Campestre:    Dr. Manoel Ribeiro; Presidente do BEA Silvestre de Castro Filho e esposa; Dr. Pedro Vieira; Dr. Raimundo Furtado; Miberval Jucá; Dr. Frankie Garcia; Dr. José Rui.

5.    “JANTAR DANÇANTE” Na BEASA às Sextas-Feiras. A maneira correta de iniciar o seu final de semana”

6.    AGENDA  - Março 84: 2 – Sexta-feira: Jantar Dançante, a partir das 20 horas, na sede campestre. Som stereo hi-fi sob o comando do Diretor Social Erly Barroso. 3 – Sabado: Baile de Carnaval BEASA 40 GRAUS. Início 23 horas. 4 – Domingo: Manhã Esportiva no Parque Aquático, Futebol, Música, Almoço. 17 Horas: Carnaval Infantil “A Turma do Balão Mágico”.




7.    SILVESTRE: Empossado no Cargo de Diretor Presidente do BEA – Com a presença do Governador do Estado, Professor Gilberto Mestrinho, do Vice-Governador, Dr. Manoel Ribeiro, Presidente da ASBACE, Diretoria do BEA, representante do Banco Central, autoridades, políticos, empresários e com a participação maciça do corpo funcional do Sistema Financeiro BEA, foi empossado no cargo do Diretor Presidente do BEA, o Dr. Silvestre de Castro Filho,  funcionário de longos anos do BEA. É a primeira vez que um funcionário assume sua Presidência.

8.    DISCURSO: “Estimado colega funcionário do Sistema Financeiro BEA:
Divido contigo a alegria deste momento, pelo que esta solenidade de posse representa: um Diretor Presidente funcionário da casa.
Todavia, colega funcionário, divido contigo, também, a responsabilidade deste mesmo momento, porquanto a minha indicação é fruto de um trabalho responsável do corpo de funcionários do Banco.
Tenho certeza, que esse trabalho de equipe continuará a ser desenvolvido, porquanto, caro colega, repousa em teus ombros e em muito depende da criatividade da tua inteligência o sucesso da recuperação da nossa casa......”.

9.    Direção Geral do BEA inaugura nova seda – Com a presença do Governador do Estado, Vice-Governador, Diretoria do BEA, autoridades, políticos, empresários e funcionário do Sistema Financeiro BEA, foi inaugurado no dia 17.2.84, a sede própria da Diretoria Geral do BEA, localizada na Rua Silva Ramos, 384.

10.Outras Notícias: Cultura: O que é? A faculdade de criar e conquistar está dentro de nós mesmos. Maratona Cultural. Reserve já as suas mesas para os Bailes Carnavalescos.

Essa postagem mostra um pouco da nossa história, uma página importante do meio financeiro e social da nossa cidade – o BEA foi vendido a preço de banana, pelo então governador Amazonino Mendes, para o BRADESCO – sendo destruída a BEASA e os sonhos de muitos bancários amazonenses. É isso ai.



Fonte: arquivos digitalizados da SEC