terça-feira, 7 de agosto de 2018

SECOS & MOLHADOS



AS MANGAS ROSA DA BENÉ

Desde a minha infância que adoro uma manga rosa, um fruto suculento, fibroso e saboroso – elas eram encontradas em poucos quintais do centro da cidade, sendo, portanto, muito cobiçada pela molecada, com preferência para as cinco mangueiras plantadas no lado esquerdo do terreno do Hospital da Beneficente Portuguesa do Amazonas, mais conhecido por “Bené”.

Recentemente, estive por lá para tirar umas fotografias do interior do prédio e, ao sair, deparei-me com as referidas mangueiras – voltei ao passado, passou um filme em minha cabeça, quando juntamente com meus irmãos e a molecada do Igarapé de Manaus, corríamos bem cedinho da manhã, para pegar as mangas caídas.


A Manga Rosa sempre atraiu o olhar das pessoas, devido a sua cor amarela, laranja e vermelha – dizem os especialistas que ela contém cerca de 15% de açúcar, até 1% de proteína e quantidades significativas de vitaminas A/B/C, minerais, antioxidantes e ferro – sendo benéficas para mulheres em períodos de menstruação e para pessoas que sofrem de câimbras, stress e problemas cardíacos, além de suavizam os intestinos, tornando fácil a digestão.

Claro que não sabíamos desses benefícios todos a nossa saúde, aliás, não estávamos nem um pouco preocupados com ela. Naquela época, havia uma competição entre a molecada para pegar um numero maior de mangas, além do gosto de driblar o vigia da “Bené”, um senhor turrão que corria e batia sem dó naquele que ele conseguia pegar!


O lance era chegar bem cedinho, antes de clarear o dia - a negada ficava pendurada na mureta do lado da Avenida Joaquim Nabuco e, assim que o guarda dava as costas, todos pulavam o muro ao mesmo tempo, para deixar o vigia maluco de raiva, pois enquanto ele corria atrás de um, o restante pegava rapidinho as suas mangas.

Os administradores públicos de outrora, gostavam de plantar mangueiras nas principais ruas e avenidas de Manaus e, na época em que os frutos amadureciam, era festa na cidade, pois as pessoas gostavam de apanhá-las durante todo o dia e a também a noite.


A manga rosa era muito rara, existiam poucas plantadas, geralmente ficavam em terrenos particulares, o que motivava os moleques a pularem os muros - essa manga que aparece na fotografia, foi encontrada debaixo das mesmas mangueiras da minha infância – levei-a para a minha casa para saboreá-la, pois desde aqueles tempos bons, as mais gostosas e excitantes de pega-las, eram, sem dúvida, as mangas Rosa da “Bené”!
É isso ai.Foto: Rocha


PRESENTE DO DIA DOS PAIS

O filho chega e pergunta ao seu pai:

- Velho, o que você mais gosta?
- Gosto mermo é de muer! - responde sorrindo.

- Pô, pai, tirando os rabo-de-saias, quero saber o que o senhor gosta, atualmente, para ganhar de presente no seu dia?

- Gosto de loura suada, samba dos bons, dançar, fotografar a urbe, escrever merda no face e no zapzap e de nega novinha!


- Caramba, véio, assim tá difícil comprar o teu presente! Seja mais específico!. 

- Tá bom, não vêm com essa de pijama, bermuda., camisa polo ou cinturão. Gosto de tecnologia de ponta. Que tal me presentear com uma TV Smart Sony de 52", ou um Notebook da Apple com impressora multifuncional, além de internet de vários Gigas e TV a cabo com canal de sexo liberado e um Drone dos bons, com filmadora HD, para filmar a vizinha tomando banho pelada no quintal. Chega ou quer mais?


- Para, para! Sem condição para um filho classe média baixa!

- Vou te dar um abraço e te desejar um Feliz Dia dos Pais. Para não passar batido, vou te dar uns presentes da loja Tic Top Dez e um Cinto Muito!

- Tá bom, eu tava zoando você, um abraço no Dia dos Pais é o suficiente para o véio aqui!


Canteiro Central da Avenida Djalma Batista, todo florido. É o Ipê.





CADEIRANTE DA CIDADE NOVA II


A Prefeitura de Manaus está fazendo um trabalho de nivelamento da calçada em toda a extensão do Núcleo Nove, na Av. Camapua, Cidade Nova II.

Achei estranho não ter as placas "Obras de Verão".

Ontem, fiquei sabendo que o trabalho somente está sendo feito em decorrência de um morador cadeirante, ter entrado com o pedido junto ao Ministério Público Estadual, este conseguiu na justiça estadual que o trabalho fosse realizado. 

O cidadão estava correndo risco de morte, pois as calçadas eram todas irregulares e alguns moradores avançaram suas construções sem observar o maximo permitido por lei, forçando o rapaz a andar com sua cadeira elétrica na rua, junto com os carros e ónibus articulados.

Fica a dica: quem estiver nessa situação, procure o MP e obrigue a PMM fazer o seu trabalho, pois somente com ordem judicial os cadeirantes terão os seus direitos atendidos.


MÊS DE AGOSTO, MÊS DO DESGOSTO


Aconteceu em Agosto:

Casei e separei anos depois

Começou a 1a. Guerra Mundial


Hitler foi aclamado líder 

Os USA jogaram bombas atómicas em Hiroshima e Nagasáqui. 


Getúlio Vargas se suicidou

Janio Quadros renunciou


Jk faleceu

31 dias corridos sem um feriado para aliviar


Segundo os numerólogos:
"Se temos agido com consciência, maturidade e perseverança para realizar nossas metas, o resultado será promissor. Caso contrário, não receberemos uma reação próspera da vida. E não adianta culpar o destino, a vida ou o mês de agosto. É simplesmente a lei de ação e reação ocorrendo de forma explicita "

Tudo bem, mas, segundo os astrólogos, o mês anterior ao mês do aniversário é considerado o inferno astral. Farei aniversário em setembro.

Passa logo Agosto!

Eu, hein!



SAIU O FUNDO PARTIDÁRIO

Pois é, além do Caixa Dois, os partidos recebem, hoje, muita grana para bancar a campanha política. 

São quase dois bilhões de reais tirados dos bolsos dos brasileiros, que poderiam ser investidos em educação, saúde, segurança e outros.

PODEMOS sair da REDE
e ir para o PSOL

AVANTE, PATRIOTA!

Mesmo com os PROS e contra

O NOVO e o PT

receberão uma grana preta.

Serão trinta e sete partidos agraciados.

Além dos acima, temos os seguintes:

MDB (MANDA DEPOSITAR NO BANCO)

PSDB (PEDINDO SEMPRE DINHEIRO DOS BANCOS)

PP (PEGANDO O PATRIMÔNIO)

PSB (PEGANDO SEMPRE A BABITA)

DEM (DEIXA ESTAR A MERENDA)

PRB (PAREM DE RECLAMAR BAITOLAS)

PTB (PEDINDO TAMBÉM A BOLADA)

PDT (PAREM DE TRABALHAR)

SD (SANTO DINHEIRO)

PSC (PODEMOS SER CONDENADOS)

PCdoB (PIPOCAMOS O CAPITAL DO BRASIL)

PPS (PATROCINAMOS E PAGAMOS A SAFADEZA)

PV (PLANTANDO VERDINHAS)

PHS (PARTICIPAMOS HISTORICAMENTE DA SURUBA)

PSL (PODEMOS SEMPRE LEGALIZAR O CX2)

PTC (PAREM DE TRABALHAR CRISTÃOS)

DC (DEPOSITO NA CONTA)

PRTB (PEDIMOS E RECEBEMOS TODA BOLADA)

PSTU (PODEMOS $OLUCIONAR TUDO)

PCB (PARTINDO COLETIVAMENTE A BOLADA)

PPL (PARTINDO PARA O LUCRO)

Os très que receberam mais grana:

O ,MDB do Temer: 234 milhões

O PT do Lula: 212 milhões

O PSDB do Alckimin: 185 milhões

O que menos recebeu foi o NOVO: apenas 980 mil reais


POST MAL INTERPRETADO


Em decorrência de uma postagem que fiz, recentemente, recebi um comentário de um ex amigo do Facebook, no qual me chamou de babaca (ingênuo, bobo, idiota), reacionário (oposto ao socialismo), o post era insignificante, sem valor algum e que eu me achava superior.

Caramba, não sei o que o perturbou!

No entanto, irei esclarecer alguns pontos:

1. Mamar nas tetas do governo: 

Esta frase não se aplica ao funcionário publico honesto que trabalha e ganha seu salário dignamente. Esta frase é para os parasitas sanguessugas que utilizam o governo para enriquecer.

2. Comissionados: 

Que foi nomeado temporariamente para um cargo público; que exerce um cargo por comissão (nomeação). Por ser livre nomeação e exoneração, a pessoa fica impossibilitada de fazer comentários contra o político ou governo que o indicou, por motivos óbvios;


3. Não sou da direita, esquerda ou centro: não tenho ideologia política, em decorrência disso, posso fazer criticas a qualquer partido político que se enquadre como tal; 

4. Não sou filiado partido político: isso me dá liberdade para criticar o Arthur Neto (PSDB) ou o Negao (PDT).


5. Sou um pobre cidadão, moro na periferia, humilde com todos e com tudo. Como posso me achar o cara que se julga superior aos demais? Nunca!

É isso ai


FALA SÉRIO!


O governador liberou 30 milhões de reais para "As Festas do Interior".

Tem um deles que vai fazer a "Festa da Castanha".

O fuleiro do prefeito vai "pagar" 500 mil para um cantor sertanejo.

Mesmo com as ruas esburacadas, sem creche e merenda para as criancinhas, faltando até esparadrapos na clinica médica e com as escolas caindo aos pedaços, além dos atrasos nos pagamentos.

A ordem é reunir toda a cabocada para dançar, mesmo com a barriga vazia.


O importante para o governador é o voto nas urnas!

MANAUS QUARENTA GRAUS

Não confunda Budapeste com Calordapeste.
Urubu está voando com uma asa e se abanando com a outra.

No rala e rola, a mulher fala para o Ricardao:

 - Fala no meu ouvido uma coisa bem quente.

- Manaus, Manaus! responde sussurrando. 

Leseira Bare: 
o calor derrete os miolos dos manauaras e começam a falar só merda.

Até o galo berra: Taquentepracaralhoooooo.

Tá só no começo, deixa setembro chegar: ideal para encher de cimento uma laje!


Quero ver se o Arthuzao vai se fantasiar de pedreiro nas "Obras de Verão "!

Manaus 40 graus, na sombra, imagina dentro de um busao lotadão, parado ao meio-dia, no centrão.


CERVEJA VENCIDA


Domingo retrasado passeio no Supermercado DB do Shopping Plaza, encontrei a cerveja Brahma Extra longnec ao preço de 14 reais o pacote com seis. 

Comprei na hora, pois estava baratíssima o Puro Malte.

Em casa, botei para tocar uns flashback e fiz umas iscas de camarão no alho e óleo. 

Na quinta "pescoço longo" já estava com aquela cara de abestalhado, quando comecei a ler o rótulo, estava lá "vencimento 20 de julho de 2018".

Caramba! Era por isso que estava barato.

Só de Malte tomei a sexta cevada!



Domingo, Sunday, Dia de Sol. A Ponta Negra Beach foi a opção. 

Foto: Jose Rocha




ARTISTA DUDA

A artista plástica mirim Maria Eduarda, com o seu primeiro trabalho (Ateliê de Artes).





segunda-feira, 6 de agosto de 2018

BLOGDOROCHA: COLECIONADOR DE MOEDAS ANTIGAS

BLOGDOROCHA: COLECIONADOR DE MOEDAS ANTIGAS: Na minha infância, tinha uma missão diária, era sempre escalado para comprar o pão nosso de cada dia, na Padaria Modelo, situada na Avenida ...

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

BLOGDOROCHA: AEROPORTO DE PONTA PELADA DE MANAUS

BLOGDOROCHA: AEROPORTO DE PONTA PELADA DE MANAUS: Primeiro aeródromo de Manaus, construído e inaugurado em plena Segunda Guerra Mundial , em 1944, com apoio logístico e financeiro do go...

segunda-feira, 30 de julho de 2018

BLOGDOROCHA: CASA CANAVARRO

BLOGDOROCHA: CASA CANAVARRO: Na semana passada, dei um pulo “lá pelas bandas do Mercadão” (expressão utilizada pelos manauaras quando se refere às imediações do Mer...

BLOGDOROCHA: CASA CANAVARRO

BLOGDOROCHA: CASA CANAVARRO: Na semana passada, dei um pulo “lá pelas bandas do Mercadão” (expressão utilizada pelos manauaras quando se refere às imediações do Mer...

BLOGDOROCHA: CASA CANAVARRO

BLOGDOROCHA: CASA CANAVARRO: Na semana passada, dei um pulo “lá pelas bandas do Mercadão” (expressão utilizada pelos manauaras quando se refere às imediações do Mer...

BLOGDOROCHA: CASA CANAVARRO

BLOGDOROCHA: CASA CANAVARRO: Na semana passada, dei um pulo “lá pelas bandas do Mercadão” (expressão utilizada pelos manauaras quando se refere às imediações do Mer...

sexta-feira, 13 de julho de 2018

BLOGDOROCHA: CAMINHADA PELO BAIRRO DE EDUCANDOS.

BLOGDOROCHA: CAMINHADA PELO BAIRRO DE EDUCANDOS.: Num belo domingo ensolarado de Manaus, resolvi caminhar, com início na Avenida Getúlio Vargas (Vila Paraíso) até o Amarelinho, no bairro...

sexta-feira, 6 de julho de 2018

A NOSSA QUERIDA E AMADA BANDEIRA NACIONAL


O pavilhão atual foi criado em decorrência da Proclamação de República, ocorrida em 15 de novembro de 1889 – ela possui algumas características que a maioria dos brasileiros deveria conhecer.

1. Foi criada para despertar nos cidadãos sentimentos de amor pela republica e simbolizar a fraternizada entre os brasileiros;

2. Sugere um vinculo entre o passado e o futuro da nação:

    Passado: Foi conservado o desenho e cores da Bandeira do Império, bem como, a permanência da cruz, agora representando na forma do Cruzeiro do Sul.

    Presente e Futuro: Com a adoção do lema positivista “Ordem e Progresso”, sugerido pelo Ministro Benjamin Constant.

3. As ideias positivistas de Augusto Conte (1798-1857) influenciaram os militares brasileiros:

Progresso: Desenvolvimento das máquinas, da tecnologia, da industrialização, representando o progresso da humanidade;

Ordem: O desenvolvimento deve originar-se da Ordem preexistente a fim de aperfeiçoa-la.

“O AMOR POR PRINCÍPIO, A ORDEM POR BASE E O PROGRESSO POR FIM”.

4. As estrelas que aparecem no círculo azul representam os Estados e o Distrito Federal (atual) – era o céu carioca na manhã de 15 de novembro de 1889 e devem ser considerada como vistas por um observador situado fora da esfera celeste.

5. A estrela do Amazonas fica bem abaixo do O de Ordem – Procyon (Canis MInoris).

5. Trecho do Hino a Bandeira:


Sobre a imensa Nação Brasileira,
Nos momentos de festa ou de dor,
Paira sempre sagrada bandeira
Pavilhão da justiça e do amor!
Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!


Com a passagem da “Semana da Pátria”, no mês de setembro e, principalmente, na “Copa do Mundo de Futebol de Campo”, quatro em quatro anos, a nossa Bandeira Nacional aparece tremulando em todos os lugares, voltando a ser amada e respeitada pelos brasileiros.

Viva o Brasil e sua gente!


Fonte: 

História do Brasil - Um olhar crítico. Gilberto Cotrin. Ed. Saraiva, 1999.

Wikipedia

Blogdorocha

Foto: 

José Rocha (Praça do Congresso, Manaus) e Cúpula do TA.



quarta-feira, 13 de junho de 2018

SECOS & MOLHADOS



CÉU DE BRIGADEIRO



Sei, não, acho que o verão amazônico está chegando!

Serão 42 graus na sombra.

O amazonense,fala- É quente, quente, quente! - três vezes



PONTE RIO NEGRO


Hoje, passei pela Ponte Rio Negro, A bordo do Amazonas Bus.

Uma maravilha! 

Falei para alguns turistas que, a ponte possuí três Km e trezentos de extensão, no entanto, foi mais cara que uma ponte de dez Km construída na China.

Os políticos Quibe do Azize e Cadeirudo, embolsaram + de meio bilhão e ainda foram inocentados pelo Esseteefe.

Dois santos!
Tamosfudidosemalpagos.

Quem manda votar neles!



BRASIL VERSUS SUÍÇA



No próximo domingo, o nosso Brasil jogará com a Suíça, na Copa do Mundo.

O que lembra esse país? 

Queijo, chocolate, relógio, alpes, canivete e, principalmente, o paraíso fiscal.

Por lá existem em torno de quatrocentos bancos, onde estão depositados 30% da renda mundial.

São contas numeradas, onde o dono não é identificado e não é exigido a origem. 

Em alguns casos, os bancos avisam as autoridades quando desconfiam da origem ilegal.

Muitos brasileiros políticos possuem muitos dólares depositados na Suíça.

Vamos torcer pelo Brasil e pela operação "Lava Jato" para repatriar o dinheiro roubado do povo brasileiro.




NOITE AGRADÁVEL NO LARGO DE SÃO SEBASTIÃO



Noite agradável no Largo de São Sebastião.

Tacaca da Ivete, depois, Sanduba no African House. 

Nada de cevada! 

Eu, hein!


BLOGDOPAULO ONOFRE



O administrador de empresa e historiador José Rocha, na Tribuna Popular do Movimento Ribeiro Junior nesta sexta feira dia 08, exortou a sociedade a fazer uma reflexão sobre os candidatos a reeleição para deputados federais e senadores, e gritou em alto e bom tom, mas próximas eleições, vamos tirar estes enganadores do povo da vida publica. 

Prosseguindo Rocha, disse meus amigos, a maioria destes senhores com mandatos que visitam semanalmente a câmara federal e o senado, votou a favor do projeto do Temer, que suprimir direitos dos trabalhadores.

Agora pasmem, fazem encenações mostrando que estão revoltados com seu líder Temer, por este com uma canetada, ter retido quase em sua totalidade os incentivos do nosso polo de concentrados das industrias de Manaus. 

A situação é grave, já vivemos uma crise terrível de desemprego, imaginem ainda se a previsão catastrófica se concretizar, fruto desta medida insana de Temer, que trará a perda de aproximadamente, 30 mil empregos diretos e indiretos dos trabalhadores amazonense. 

Serão, trinta mil chefe de famílias desempregados, o que envolve uma media de noventa mil pessoas prejudicadas, se partirmos do pressuposto que cada família tem três pessoas.

O que é ruim meus amigos, pode ficar pior ainda sentencia José Rocha. 

Finalizando Rocha, fez uma pedido a população, que na eleição de outubro, diga NÃO os políticos profissionais, e que é hora de renovarmos a politica, não somente Amazonas, mas a politica no Brasil.



PICUINHA POLÍTICA 

O presidente Jânio Quadros, sucedeu ao JK. Renunciou em favor do seu vice, o João Goulart. Ao ser questionado sobre o motivo que o levou a essa decisão, respondeu: 

- Fi-lo porque qui-lo.

Segundo os gramáticos, o correto seria: "Fi-lo, porque o quis".

O Jânio era gramático e professor de Língua Portuguesa, fica a hipótese de que foi mesmo "picuinha política", como ocorre em qualquer eleição cujo candidato desponta como favorito.



PARQUE RIO NEGRO



No beiradão do bairro de São Raimundo.

FOTOS DE MANAUS




                              Jacaré pegando sol, no poluído Igarapé dos Franceses

                             
                               Produtos regionais na Feira da Avenida Eduardo Ribeiro 

                                                   
        Costela de Tambaqui, almoço dos amazonenses 


                             Vista do Rio Negro, margem esquerda, Manaus


                    Festival de Ópera do Amazonas, no Teatro Amazonas



                       Rocha, torcedor do Boi Caprichoso de Parintins


                       Bar São Marcos, conhecido como Bar dos Cornos

               
 Largo da Matriz
                


Fotos: José Rocha

sexta-feira, 8 de junho de 2018

TRIBUTO (HOMENAGEM) AO TENENTE RIBEIRO JUNIOR




Passados quase cem anos do movimento tenentista liderado pelo militar Ribeiro Junior, os amazonidas atuais, não esqueceram aquele momento histórico, tanto que criaram o “Movimento Ribeiro Junior”, um grupo de pessoas oriundas das bases sindicais, líderes comunitários, políticos e representantes da sociedade constituída, liderado pelo Paulo Onofre, para dar vida e voz às pessoas menos favorecidas para reivindicar os seus direitos juntos aos governos municipal, estadual e federal – reunindo-se toda sexta-feira, no “Café do Pina”, na Praça Heliodoro Balbi (Praça da Polícia).

Mas, afinal, quem foi Ribeiro Junior?

Segundo historiadores, na década de vinte, a cidade Manaus vivia o colapso da economia da borracha, com violentas lutas entre grupos oligárquicos para controle do governo estadual.

Em 1924, o governo foi passado para o desembargador Cesar do Resende do Rego Monteiro, sendo considerado o pior administrador de todos os tempos.

Tentou vender 25% das terras do Amazonas para um grupo norte-americano, em troca de um empréstimo de 3 milhões de dólares, sendo que, a transação só não se concretizou, por intervenção direta do governo federal.

Praticou o mais descarado nepotismo, colocando filhos e parentes para as posições chave, além de atrasar o pagamento dos salários dos funcionários públicos e reprimir violentamente os seus opositores, provocando uma insatisfação popular muito grande.

Motivado por esses desmandos e pela determinação do governador em fazer o seu sucessor, para continuar o descalabro politico-administrativo, bem como, com base na rebelião tenentista que havia eclodido em São Paulo, o tenente do 27º Batalhão de Caçadores, Ribeiro Junior, liderou um movimento militar e civil, para derrubar o governo estadual.


O movimento dominou o Quartel da Polícia, os Correios e Telégrafos, um navio do Lloyd Brasileiro e o Palácio Rio Negro, derrubando o governador interino Turiano Meira, pois o governador Rego Monteiro encontrava-se viajando para Europa.

O Estado do Amazonas foi governado pelo Tenente Ribeiro Junior, no período de 23 de julho a 28 de agosto de 1924, instituindo o “Tributo da Redenção”, confiscando e vendendo bens roubados do nosso Estado, revertendo para pagamento dos salários atrasados dos funcionários e fornecedores, ganhando a estima de toda a população.

O governo federal envia uma força militar, o Destacamento do Norte, sob o comando do General João de Deus Mena Barreto, para sufocar a rebelião – o Ribeiro Junior não ofereceu resistência, sendo preso e julgado pela Justiça Militar.

Foi condenado a três anos e nove meses de prisão, transferido em 1926 para a prisão militar da ilha Grande, no litoral do Rio de Janeiro, foi solto em fevereiro de 1927 e, em julho seguinte, foi reincorporado ao 27º Batalhão de Caçadores. Anistiado após a vitória da Revolução de 1930 obteve sua promoção a capitão com validade retroativa a janeiro de 1926.

Conseguiu eleger-se, em outubro de 1934, Deputado Federal pelo Amazonas, exerceu o mandato de maio de 1935 a novembro de 1937, quando, com a instauração do Estado Novo, os órgãos legislativos do país foram suprimidos.

Retornou então ao serviço ativo do Exército, vindo a falecer em 29 de junho de 1938.

A sua filha mais nova, Eneida Ramos Ribeiro, contando a produção da historiadora amazonense Etelvina Garcia, escreveu, em 2016, o livro “Ribeiro Junior – Redentor do Amazonas – Memórias”, pela editora Norma, onde é possível conhecer com mais profundida a vida e o trabalho desse importante homem, para a história do nosso Estado do Amazonas.


O Movimento Ribeiro Junior, faz um importante trabalho de reconhecimento dessa figura histórica e, luta pelo prosseguimento dos seus ideais, de uma sociedade mais justa e solidária.


quarta-feira, 6 de junho de 2018

VIAGEM DE BARCO COM UM JAPONÊS PARA ASSISTIR AO FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS.




Para falar a verdade, já perdi a conta das vezes em que fui a Parintins, todas, sem exceção, para brincar de boi-bumbá, com a viagem sempre de barco regional, porém, a mais marcante, foi quando servi de cicerone para um “Sansei” (filho de filho de japonês), um legítimo paulistano do famoso bairro oriental da Liberdade.

Durante muito tempo os moradores do Conjunto dos Jornalistas, bairro da Chapada, foram servidos pelo Mercadinho União - a galera da birita fazia a concentração por lá todos os finais de semana; certo dia apareceu um sujeito vendendo passagens para o Festival Folclórico de Parintins, o caboco era bom de gogó, tanto que ele conseguiu vender para umas quinze pessoas, todos eram moradores do nosso conjunto.

Imaginem toda esse turma de amigos dentro de um mesmo barco, singrando o Rio Amazonas, para assistir aos bois de Parintins – os mais chegados, os amigos do peito era formada pelas seguintes figuras: Dr. Iracildo, Tony Biondo, Professor Zé, Mauro Mumu, Miguel Protético, “For Make Love”, Selma Goiana e Calcinha.

Eu trabalhava numa empresa japonesa, falei com o meu superior e solicitei cinco dias, compensado nas férias, para ir ao festival – dois dias antes, ele recebeu uma ligação de um amigo de infância, o cara queria ir para Parintins num barco regional, para conhecer as belezas da Amazônia, percorrendo o Rio Amazonas – não deu outra, fui escalado para acompanhar o “Japa”.

Fiquei um pouco receoso, pois iria com bando de cachaceiros e gozadores, com um japonês no meio daquela turma, todo metódico, certinho, não iria dar certo, além do mais, teria que me comportar ao máximo, pois ele poderia falar para o meu superior sobre as minhas peripécias durante a viagem, não seria nada bom.

O japonês chamava-se Genésio, credo-em-cruz, nunca tinha visto um descendente do povo do “Sol Nascente” com este nome – ainda bem que o cara ainda era jovem e um pouco descolado. Desde quando ele chegou, notei que ele tinha bastante “bala na agulha”, pois, rapidinho a empresa conseguiu uma casa em Parintins, para acomodar o sujeito, pois não havia mais vagas nos hotéis e pousadas na cidade, além de providenciarem lugar num Camarote, para ele assistir as três noites de festival, fui contemplado também, é claro, pois eu seria o guia do “Japoca”.

O barco saiu à noite no Porto de Manaus (Rodoway), consegui um pequeno espaço, deu para atar as nossas redes de dormir, guardamos as nossas bagagens e fui apresentá-lo a minha turma, todos já estavam na área de lazer, tomando água que passarinho não bebe – para minha surpresa, o Japonês foi logo se enturmando, começou a contar algumas piadas, estava solto, pena que ele somente tomava um “Chá Mugicha”, pois, segundo o mesmo, a sua religião não permitia nem pensar em bebida alcoólica. Sai pra lá Samurai!

Lá pelas tantas da noite, a turma já estava “Pra lá de Bagdá” – o japonês ficou colado numa cabocla, dando um amasso na cunhantã, de vez em quando dava altas gargalhadas – e pasmem, estava dançando um pouco desajeitado as “Toadas de Boi”, além de ter aberto a carteira e pagando todas – fiquei desconfiado daquele chá Mugicha, que ele tomava na boca de um longo cantil em couro, tipo Espanhol.

A minha missão era ficar na cola dele e cuidar da sua integridade física, fiquei cansado e fui dormir, deixei o Japonês, virando bicho na área de lazer do barco. Quando acordei lá pelas nove da manhã, olhei para o lado, imagine o que eu vi – o Japa estava dormindo juntinho com a cabocla, na mesma rede – pensei: - Esse não tem nada de tímido, bota é no toco!

Começou novamente a movimentação no Barco, era gente correndo para os banheiros, outros se acomodando nas imensas mesas para tomar o café da manhã; alguns já começavam os trabalhos no Bar do Zé Cutia; muitas mulheres já estavam a postos na área de lazer, para começar a pegar aquele bronze; o DJ Tubarão detonava uns “Flashbacks”, enquanto a Banda de Forró-Boi se preparava para mais um dia, enfim, o dia prometia muitas emoções.

Para quem não sabe - a viagem de barco regional para Parintins, dura em torno de dezoitos horas, com direito a café da manhã e almoço – o vendedor em Manaus falou que o café era com dez itens – fomos conferir, realmente, batia: pão, café, leite, manteiga, três bananas nanica e três pequenas fatias de mamão, tudo “nos estrinques” – depois de forrar a pança, fomos para a área de lazer, o Japa já tinha descartado a cabocla - começou a tomar o chá de Mugicha no cantil, ai foi graça de novo: deu em cima de uma “Raimunda”, feia de cara e boa de bumba, dava de vez um quando umas gargalhadas, dançava desajeitado o dois para lá e dois pra cá, abriu a carteira e começou a pagar cervejas para a negada – sei não, mas aquele chá de Mugicha estava me deixando novamente desconfiado.

Antes de servirem o almoço, fui até a cozinha, estavam preparando um “Cozidão de Carne”, deu até água na boca, pedi um copo com caldo, fui gentilmente atendido, porém, quando dei o primeiro gole, veio um cabelo grandão, como já tinha tomado todas, dei um grito: - Porra, se aqui no copo tem um cabelo, dentro da panela deve ter uma peruca! A cozinheira correu atrás de mim para me dá uma panelada! Fui proibido de almoçar.

Não falei nada para o Japoca sobre o ocorrido, ele desceu, sentou a mesa e almoçou numa boa, comeu que nem um lutador de Sumô - acho que ele engoliu alguns cabelos, na maior. Depois, continuou tomando aquele chá, ele estava com uma cara de quem estava “Pra lá de Hiroshima”, deitou na rede, roncou e soltou pum para todos os lados, parecia um Kamikaze, matando de ri todo mundo!

Como já estava desconfiado, resolvi dá uma cheirada no cantil do Samurai -, tomei o maior susto e gritei: - Caralho, isso aqui nunca foi um chá, tá parecendo um Saquê! Voltei para a minha galera, falei da bebida do Japoca e tudo o mais. Realmente, um cara muito diferente dos seus pares, era mulherengo, cara-de-pau, beberão e mão aberta.

Finalmente, chegamos à Terra dos Parintintins, a famosa Ilha Encantada, corri para acordar o Japoca: - Acorda, acorda, acorda Samurai do Saquê! Ele respondeu ainda meio sonolento: - A corda é minha e a rede também! Insisti: – Não é isso não, acorda, abre os olhos, Japoca, chegamos à Terra do Boi Bumbá. Ele deu um pulo, desatou a rede, arrumou tudo, estava prontinho para mais três dias de festa. Pensei cá com os meus botões: - O bicho vai pegar, vai ser uma loucura, eu e esse japonês vamos botar Parintins de cabeça para baixo!

Fomos bem recebidos em Parintins, um colega chamado Alexandre nos levou para a casa da irmã dele, a vereadora Valdete Pimentel, no Bairro da Francesa, ela é casada com o professor Zequinha e tem um casal de filhos. Ficamos numa suíte, com ar condicionado, duas camas, banheiros, com aparelhos de som, televisão e bastante mordomia, bem diferente dos anos anteriores em que eu ficava hospedado nos barcos, passando um sufoco danado.

O Prefeito da cidade era o Carlinho da Carbrás, um empresário maluco, o poder subiu a sua cabeça, foi um desastre a sua Administração, tanto que o seu mandato foi impugnado, sofrendo o famoso “impeachement” pelos vereadores. A Valdete estava há seis meses sem receber os seus salários na Câmara Municipal, simplesmente porque o doido do prefeito não repassava as verbas, por lei, para o Poder Municipal. Estava todo mundo sofrendo nas mãos daquele insensato.

O japonês Genesio tinha grana “saindo pelo ladrão”, tanto que resolveu bancar todas as despesas nos três dias em que ficamos hospedados, como forma de agradecimento pela estada e pela situação que estava bastante braba. Um detalhe: estava hospedado por lá, uma caboquinha linda, vinda da cidade de Juriti, no interior do Pará. O Japoca, como sempre, frágil no amor, ficou logo com uma paixoneta pela cunhã, tanto que o cara resolveu não tomar mais o seu famoso chazinho, mudou do saquê para a água, o que o amor não faz. Resolveu não andar mais comigo nem com os meus amigos, o negócio dele era tomar sorvetes e andar pela cidade de mãos dadas com a cunhaporanga (a mulher mais bonita da tribo) de Juriti.

Deixei o Japonês de lado, a caboquinha tornou-se o seu cicerone, inclusive, fui com a minha turma assistir a Festa dos Visitantes, no Clube Ilha Verde, também fui para as Arquibancadas na primeira noite do festival, apesar de ter credenciais para entrar em qualquer parte do Bumbódromo, resolvi também dormir na Sala de Estar da casa em que estávamos hospedados, para não atrapalhar as “lamparinadas” do Japoca.

Na segunda noite de festival, fui para o Camarote com o Japonês & Cia., o problema maior era que todo mundo que estava lá eram evangélicos, sem chances de tomar uma cerveja, até o Genésio e namorada estavam somente na água mineral, tive saudades da minha turma que estava lá nas arquibancadas.

Naquele ano existia uma grande rivalidade entre os “levantadores de toadas”, sendo o Arlindo Júnior no meu Boi Caprichoso e o Rei David Assayag, no Boi Garantido. Umas das toadas que eu mais gostei do festival foi o “Vento Norte”, do meu amigo Ariosto Braga e do José Cardoso, a letra é mais ou menos assim: O vento norte/Que seduz minha razão/Assobia, e me banha de emoção/O amor errante/Paixão distante/Azul é sempre cor de navegante/Vento que vem/Balançar canaranas no rio/Vento que traz/A saudade de quem já partiu. Do lado do Boi Garantido, sempre emocionou a toada “Vermelho”, do Chico da Silva, é assim: A cor do meu batuque/Tem o toque, tem o som/Da minha voz/Vermelho, vermelhaço/Vermelhusco,Vermelhante/Vermelhão/O velho comunista se aliançou/Ao rubro do rubor do meu coração/He Ho! He Ho!

No terceiro dia fomos visitar a Vila Amazonas, fica a vinte minutos de barco, o local é banhado pelo Rio Amazonas e pelo Paraná do Ramos, ficou conhecida pela imigração japonesa e a produção industrial de juta, uma fibra vegetal introduzido por Ryota Oyama; por lá foram instaladas em torno de  vinte famílias de koutakosei, infelizmente, foram expulsos do local em decorrência da segunda guerra mundial. Na realidade, encontramos somente um imponente prédio abandonado, que serviu de moradia para o mega empresário J. G. Araújo, nada mais lembra que ali moraram centenas de japoneses, tudo foi destruído pela insanidade da guerra.

À noite antes de irmos ao Bumbódromo, o Japonês me convidou para um jantar numa churrascaria, na realidade, ele queria desabafar um pouco. Ela falou que tentou ser igual, no comportamento, a mim e aos meus colegas, porém, ele era um japonês tímido, a sua criação foi muito rígida, teve que dar duro muito cedo, o seu pai chegou a ganhar muito dinheiro, eles possuem uma grande transportadora em São Paulo com varias filiais no Brasil. Falou que aquela experiência estava sendo bastante gratificante, sentia-se livre e em paz, orgulhava-se de ter conhecido a Amazônia e a sua gente.

Propôs me levar de avião para Manaus, seria o seu convidado para passar alguns dias no Tropical Hotel, recusei o seu convite, dei um abraço de despedidas no meu amigo e segui para o Bumbódromo para reencontrar com a minha turma do Conjunto dos Jornalistas.

Voltei de barco para Manaus, nunca mais vi o “Samurai do Saquê”, não tenho notícias dele, ficou somente as lembranças da melhor viagem de barco para Parintins. É isso ai.