domingo, 26 de fevereiro de 2012

A ILHA DE MONTE CRISTO DE MANAUS


Onde é hoje a conhecida “Manaus Moderna”, existia uma ilha denominada “Ilha de Monte Cristo”, em homenagem a sua homônima situada na região da Toscana, na Itália - na realidade, o local era apenas uma pequena ínsula, que ficava bem em frente às ruas Miranda Leão e Andradas – com o tempo, fizeram a ligação com terra, deixando de ser uma ilha, mas, o nome permanece até hoje.

A cidade de Manaus já foi conhecida como a “Veneza dos Trópicos”, em decorrência de outrora ter uma semelhança com a Veneza dos italianos, por terem em comum uma extensa rede de drenagem, com inúmeros igarapés ou rios nas margens dos quais estão inúmeras construções, a segundo continua linda e conservada, enquanto a primeira, foi totalmente aterrada.

Segundo os historiadores, no local da antiga ilha, foi construído a RDC – Rubber Developmente Company, uma empresa norte-americana que na segunda guerra mundial comprava toda a produção de borracha dos amazonenses, um esforço do governo brasileiro para ajudar aos aliados que tinham perdido a borracha da Malásia para os japoneses.

Para carregar a produção de borracha, os americanos pousavam no Rio Negro os seus imensos aviões anfíbios “Clippers” e depois os “Catalinas”, eles entravam pelo Igarapé dos Educandos até a Ilha de Monte Cristo.

Com o término da guerra, o imenso prédio da RDC ficou abandonado, servindo tempo depois, como uma das fábricas do mega empresário Issac Benayon Sabá. Na década de 70, o local serviu para abrigar uma grande de loja da Moto Importadora Ltda., com vendas de motores de centro e de popa, peças, máquinas e equipamentos.

Um dos antigos clubes de Manaus, conhecido como “Monte Christo”, teve a sua origem naquele lugar, segundo o historiador Carlos Zamith, do blog Baú Velho.
Com a dita “Manaus Moderna”, a Ilha de São Vicente foi aterrada e o grandioso prédio histórico foi derrubado, ficando um enorme descampado até os dias atuais.

Depois de algumas brigas com o governo do Amazonas (o local pertencia ao Porto de Manaus e estava sob a tutela do Estado), a Prefeitura de Manaus conseguiu reaver o local, tentou implantar um “Camelodrómo”, para abrigar todos os vendedores ambulantes do centro de Manaus, mas, não deu certo, depois, transformou num grande estacionamento público, na tentativa de desafogar o centro da cidade, não deu certo também.

A Ilha de Monte Cristo serve hoje para estacionamentos de carretas, baús, automóveis das pessoas que vão fazer compras na Feira da Banana, contêineres frigorificados, etc.

A única coisa antiga que permanece no local é um tanque de cimento armado com capacidade para 120 mil litros, com serventia apenas para um vigia, ao qual fez uma casa de meia água e, monitora todo o local, além de um campo de futebol de chão batido, onde antigamente os jogadores do Monte Christo batiam a sua bola. É isso ai.

Fotografias:
Preto e branco: acervo do IBGE;
Coloridas: J Martins Rocha
Postar um comentário