terça-feira, 6 de março de 2012

FLÁVIO DE SOUZA, UM GRANDE DESPORTISTA E MÚSICO DO AMAZONAS.



Nasceu em Cruzeiro do Sul, no Estado do Acre, veio com a família, ainda muito pequeno para Manaus, sendo o mais velho de nove irmãos, foi desportista por longos anos, técnico da Rodoviária, São Raimundo, Nacional e Olímpico Clube - foi também comentarista esportivo na Rádio Baré, membro da Associação de Cronistas Esportivos (ACLEA), compositor e exímio violonista.

Quando tinha apenas dezesseis anos de idade, foi com o seu pai assistir a uma partida de futebol no Parque Amazonense (antigo estádio de Manaus), durante o jogo, o seu genitor sentiu uma forte dor no peito, deixou o filho assistindo ao término da peleja e, voltou para a sua casa – quando o Flávio retornou para a sua residência na Rua Luiz Antony, encontrou o seu pai morto.

Por ser o mais velho da família, ficou com a responsabilidade de trabalhar e sustentar a casa – passou por um sufoco muito grande, afinal, eram dez bocas para alimentar (ele, oito irmãos e sua mãe) – ralou muito, foi ajudante de caminhão, trabalhou também para o Senhor Euclides de Souza Lima, na Loja Souza Arnaud, conseguindo, tempo depois, um emprego público, no Serviço de Obras do Estado, oferecendo uma vida melhor para a sua família.

Foi treinador de várias equipes, mas, foi no Nacional e no Olímpico onde fez história – por ser compositor, escreveu o hino para os dois times, sendo o do Nacional uns dos mais bonitos do Brasil – foi escrito em 1965 - iniciava assim:

Nacional, Nacional, Nacional/Teu glorioso pavilhão nos encoraja para a luta e união/Mais querido e sempre amado, pela tua tradição de campeão/Sempre consagrado no gramado, oh clube amado, Nacional do meu coração/Vamos à luta, lutar para vencer/Se for preciso, lutar até morrer...”.

A fotografia ao lado é do dia da posse da diretoria da ACLEA, aparecendo da esquerda para a direita:Leonardo Parente (A Gazeta),Petrarca Vieira (Jornal do Commercio),Guataçara Mitoso (A Tarde),Irisaldo Godot (O Jornal e Diário da Tarde),Gebes Medeiros (Rádio Difusora),Flávio de Souza (Rádio Baré),Edson Paiva (Rádio Rio Mar),Flaviano Limongi (A Crítica) e Wuppslander Lima (o primeiro locutor esportivo do Amazonas).

Por ser um grande violonista, fez amizade com o meu saudoso pai Rochinha (Luthier = fabricante de instrumentos de corda), o conheceu quando ele ainda era empregado no Bandolim Manauense (empresa do Senhor Nascimento), situado na Rua dos Barés, os dois foram grandes amigos por longas datas.

Foi o primeiro musico a acompanhar a cantora Kátia Maria, na Maloca dos Barés e na época de ouro do rádio amazonense (Baré, Difusora e Rio Mar), inclusive, foi um dos mais festejados no show de 50 anos de carreira da Kátia, realizado ano passado no Teatro Amazonas. Ele era muito requisitado pelos cantores que vinham de fora, principalmente de uma portuguesa que se apresentava na sede do Luso Club.

Três dos seus irmãos já faleceram – tive o privilegio de conhecer o Flávio faz alguns anos, além de dois irmãos, o Pavão, um representante de remédios e, o Mark Clarke, treinador de voleibol e musico.

O Flávio está aposentado e, apesar de já ter certa idade, encontra-se muito disposto e bem de saúde, inclusive, gosta de ir aos domingos ao Bar Caldeira, para bebericar uma cerveja, conversar com os amigos e, tocar o seu querido violão, acompanhando as cantoras Kátia Maria, Nazaré Lacute (esta gosta cantar algumas das composições do Flávio), Celestina e Graça Silva. É isso ai.

Fonte: www.bauvelho.com.br

Foto em preto e branco: o Flávio é o quarto da direita para a esquerda, aparece ao lado dos amigos da ACLEA (Baú Velho);
Foto colorida: No Bar Caldeira, conversando com o Dr. Paulo e o Gilson (J Martins Rocha)
   
Postar um comentário