segunda-feira, 29 de novembro de 2010

VIAGEM DE BARCO COM UM JAPONÊS PARA ASSISTIR AO FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS.


Para falar a verdade, já perdi a conta das vezes em que fui a Parintins, todas, sem exceção, para brincar de boi-bumbá, com a viagem sempre de barco regional, porém, a mais marcante, foi quando servi de cicerone para um “Sansei” (filho de filho de japonês), um legítimo paulistano do famoso bairro oriental da Liberdade.

Durante muito tempo os moradores do Conjunto dos Jornalistas, bairro da Chapada, foram servidos pelo Mercadinho União - a galera da birita fazia a concentração por lá todos os finais de semana; certo dia apareceu um sujeito vendendo passagens para o Festival Folclórico de Parintins, o caboco era bom de gogó, tanto que ele conseguiu vender para umas quinze pessoas, todos eram moradores do nosso conjunto.

Imaginem toda esse turma de amigos dentro de um mesmo barco, singrando o Rio Amazonas, para assistir aos bois de Parintins – os mais chegados, os amigos do peito era formada pelas seguintes figuras: Dr. Iracildo, Tony Biondo, Professor Zé, Mauro Mumu, Miguel Protético, “For Make Love”, Selma Goiana e Calcinha.

Eu trabalhava numa empresa japonesa, falei com o meu superior e solicitei cinco dias, compensado nas férias, para ir ao festival – dois dias antes, ele recebeu uma ligação de um amigo de infância, o cara queria ir para Parintins num barco regional, para conhecer as belezas da Amazônia, percorrendo o Rio Amazonas – não deu outra, fui escalado para acompanhar o “Japa”.

Fiquei um pouco receoso, pois iria com bando de cachaceiros e gozadores, com um japonês no meio daquela turma, todo metódico, certinho, não iria dar certo, além do mais, teria que me comportar ao máximo, pois ele poderia falar para o meu superior sobre as minhas peripécias durante a viagem, não seria nada bom.

O japonês chamava-se Genésio, credo-em-cruz, nunca tinha visto um descendente do povo do “Sol Nascente” com este nome – ainda bem que o cara ainda era jovem e um pouco descolado. Desde quando ele chegou, notei que ele tinha bastante “bala na agulha”, pois, rapidinho a empresa conseguiu uma casa em Parintins, para acomodar o sujeito, pois não havia mais vagas nos hotéis e pousadas na cidade, além de providenciarem lugar num Camarote, para ele assistir as três noites de festival, fui contemplado também, é claro, pois eu seria o guia do “Japoca”.

O barco saiu à noite no Porto de Manaus (Rodoway), consegui um pequeno espaço, deu para atar as nossas redes de dormir, guardamos as nossas bagagens e fui apresentá-lo a minha turma, todos já estavam na área de lazer, tomando água que passarinho não bebe – para minha surpresa, o Japonês foi logo se enturmando, começou a contar algumas piadas, estava solto, pena que ele somente tomava um “Chá Mugicha”, pois, segundo o mesmo, a sua religião não permitia nem pensar em bebida alcoólica. Sai pra lá Samurai!

Lá pelas tantas da noite, a turma já estava “Pra lá de Bagdá” – o japonês ficou colado numa cabocla, dando um amasso na cunhantã, de vez em quando dava altas gargalhadas – e pasmem, estava dançando um pouco desajeitado as “Toadas de Boi”, além de ter aberto a carteira e pagando todas – fiquei desconfiado daquele chá Mugicha, que ele tomava na boca de um longo cantil em couro, tipo Espanhol.

A minha missão era ficar na cola dele e cuidar da sua integridade física, fiquei cansado e fui dormir, deixei o Japonês, virando bicho na área de lazer do barco. Quando acordei lá pelas nove da manhã, olhei para o lado, imagine o que eu vi – o Japa estava dormindo juntinho com a cabocla, na mesma rede – pensei: - Esse não tem nada de tímido, bota é no toco!

Começou novamente a movimentação no Barco, era gente correndo para os banheiros, outros se acomodando nas imensas mesas para tomar o café da manhã; alguns já começavam os trabalhos no Bar do Zé Cutia; muitas mulheres já estavam a postos na área de lazer, para começar a pegar aquele bronze; o DJ Tubarão detonava uns “Flashbacks”, enquanto a Banda de Forró-Boi se preparava para mais um dia, enfim, o dia prometia muitas emoções.

Para quem não sabe - a viagem de barco regional para Parintins, dura em torno de dezoitos horas, com direito a café da manhã e almoço – o vendedor em Manaus falou que o café era com dez itens – fomos conferir, realmente, batia: pão, café, leite, manteiga, três bananas nanica e três pequenas fatias de mamão, tudo “nos estrinques” – depois de forrar a pança, fomos para a área de lazer, o Japa já tinha descartado a cabocla - começou a tomar o chá de Mugicha no cantil, ai foi graça de novo: deu em cima de uma “Raimunda”, feia de cara e boa de bumba, dava de vez um quando umas gargalhadas, dançava desajeitado o dois para lá e dois pra cá, abriu a carteira e começou a pagar cervejas para a negada – sei não, mas aquele chá de Mugicha estava me deixando novamente desconfiado.

Antes de servirem o almoço, fui até a cozinha, estavam preparando um “Cozidão de Carne”, deu até água na boca, pedi um copo com caldo, fui gentilmente atendido, porém, quando dei o primeiro gole, veio um cabelo grandão, como já tinha tomado todas, dei um grito: - Porra, se aqui no copo tem um cabelo, dentro da panela deve ter uma peruca! A cozinheira correu atrás de mim para me dá uma panelada! Fui proibido de almoçar.

Não falei nada para o Japoca sobre o ocorrido, ele desceu, sentou a mesa e almoçou numa boa, comeu que nem um lutador de Sumô - acho que ele engoliu alguns cabelos, na maior. Depois, continuou tomando aquele chá, ele estava com uma cara de quem estava “Pra lá de Hiroshima”, deitou na rede, roncou e soltou pum para todos os lados, parecia um Kamikaze, matando de ri todo mundo!

Como já estava desconfiado, resolvi dá uma cheirada no cantil do Samurai -, tomei o maior susto e gritei: - Caralho, isso aqui nunca foi um chá, tá parecendo um Saquê! Voltei para a minha galera, falei da bebida do Japoca e tudo o mais. Realmente, um cara muito diferente dos seus pares, era mulherengo, cara-de-pau, beberão e mão aberta.

Finalmente, chegamos à Terra dos Parintintins, a famosa Ilha Encantada, corri para acordar o Japoca: - Acorda, acorda, acorda Samurai do Saquê! Ele respondeu ainda meio sonolento: - A corda é minha e a rede também! Insisti: – Não é isso não, acorda, abre os olhos, Japoca, chegamos à Terra do Boi Bumbá. Ele deu um pulo, desatou a rede, arrumou tudo, estava prontinho para mais três dias de festa. Pensei cá com os meus botões: - O bicho vai pegar, vai ser uma loucura, eu e esse japonês vamos botar Parintins de cabeça para baixo!

Fomos bem recebidos em Parintins, um colega chamado Alexandre nos levou para a casa da irmã dele, a vereadora Valdete Pimentel, no Bairro da Francesa, ela é casada com o professor Zequinha e tem um casal de filhos. Ficamos numa suíte, com ar condicionado, duas camas, banheiros, com aparelhos de som, televisão e bastante mordomia, bem diferente dos anos anteriores em que eu ficava hospedado nos barcos, passando um sufoco danado.

O Prefeito da cidade era o Carlinho da Carbrás, um empresário maluco, o poder subiu a sua cabeça, foi um desastre a sua Administração, tanto que o seu mandato foi impugnado, sofrendo o famoso “impeachement” pelos vereadores. A Valdete estava há seis meses sem receber os seus salários na Câmara Municipal, simplesmente porque o doido do prefeito não repassava as verbas, por lei, para o Poder Municipal. Estava todo mundo sofrendo nas mãos daquele insensato.

O japonês Genesio tinha grana “saindo pelo ladrão”, tanto que resolveu bancar todas as despesas nos três dias em que ficamos hospedados, como forma de agradecimento pela estada e pela situação que estava bastante braba. Um detalhe: estava hospedado por lá, uma caboquinha linda, vinda da cidade de Juriti, no interior do Pará. O Japoca, como sempre, frágil no amor, ficou logo com uma paixoneta pela cunhã, tanto que o cara resolveu não tomar mais o seu famoso chazinho, mudou do saquê para a água, o que o amor não faz. Resolveu não andar mais comigo nem com os meus amigos, o negócio dele era tomar sorvetes e andar pela cidade de mãos dadas com a cunhaporanga (a mulher mais bonita da tribo) de Juriti.

Deixei o Japonês de lado, a caboquinha tornou-se o seu cicerone, inclusive, fui com a minha turma assistir a Festa dos Visitantes, no Clube Ilha Verde, também fui para as Arquibancadas na primeira noite do festival, apesar de ter credenciais para entrar em qualquer parte do Bumbódromo, resolvi também dormir na Sala de Estar da casa em que estávamos hospedados, para não atrapalhar as “lamparinadas” do Japoca.

Na segunda noite de festival, fui para o Camarote com o Japonês & Cia., o problema maior era que todo mundo que estava lá eram evangélicos, sem chances de tomar uma cerveja, até o Genésio e namorada estavam somente na água mineral, tive saudades da minha turma que estava lá nas arquibancadas.

Naquele ano existia uma grande rivalidade entre os “levantadores de toadas”, sendo o Arlindo Júnior no meu Boi Caprichoso e o Rei David Assayag, no Boi Garantido. Umas das toadas que eu mais gostei do festival foi o “Vento Norte”, do meu amigo Ariosto Braga e do José Cardoso, a letra é mais ou menos assim: O vento norte/Que seduz minha razão/Assobia, e me banha de emoção/O amor errante/Paixão distante/Azul é sempre cor de navegante/Vento que vem/Balançar canaranas no rio/Vento que traz/A saudade de quem já partiu. Do lado do Boi Garantido, sempre emocionou a toada “Vermelho”, do Chico da Silva, é assim: A cor do meu batuque/Tem o toque, tem o som/Da minha voz/Vermelho, vermelhaço/Vermelhusco,Vermelhante/Vermelhão/O velho comunista se aliançou/Ao rubro do rubor do meu coração/He Ho! He Ho!

No terceiro dia fomos visitar a Vila Amazonas, fica a vinte minutos de barco, o local é banhado pelo Rio Amazonas e pelo Paraná do Ramos, ficou conhecida pela imigração japonesa e a produção industrial de juta, uma fibra vegetal introduzido por Ryota Oyama; por lá foram instaladas em torno de  vinte famílias de koutakosei, infelizmente, foram expulsos do local em decorrência da segunda guerra mundial. Na realidade, encontramos somente um imponente prédio abandonado, que serviu de moradia para o mega empresário J. G. Araújo, nada mais lembra que ali moraram centenas de japoneses, tudo foi destruído pela insanidade da guerra.

À noite antes de irmos ao Bumbódromo, o Japonês me convidou para um jantar numa churrascaria, na realidade, ele queria desabafar um pouco. Ela falou que tentou ser igual, no comportamento, a mim e aos meus colegas, porém, ele era um japonês tímido, a sua criação foi muito rígida, teve que dar duro muito cedo, o seu pai chegou a ganhar muito dinheiro, eles possuem uma grande transportadora em São Paulo com varias filiais no Brasil. Falou que aquela experiência estava sendo bastante gratificante, sentia-se livre e em paz, orgulhava-se de ter conhecido a Amazônia e a sua gente.

Propôs me levar de avião para Manaus, seria o seu convidado para passar alguns dias no Tropical Hotel, recusei o seu convite, dei um abraço de despedidas no meu amigo e segui para o Bumbódromo para reencontrar com a minha turma do Conjunto dos Jornalistas.

Voltei de barco para Manaus, nunca mais vi o “Samurai do Saquê”, não tenho notícias dele, ficou somente as lembranças da melhor viagem de barco para Parintins. É isso ai.

Postar um comentário