quinta-feira, 16 de setembro de 2010

EM DEFESA DO NOSSO PATRMÔNIO HISTÓRICO

Fiz uma postagem sobre a nossa querida Avenida Joaquim Nabuco, comentei sobre o nosso patrimônio histórico, outrora, tão bela e respeitada e, lamentei a destruição da grande maiores dos belos prédios daquele lugar, fiz também uma denúncia contra a Uninorte, pois no afã de construir as suas faculdades, está destruindo muitos quarteirões  de casas antigas da nossa Manaus.

Uma jovem aluna daquela instituição de ensino, ficou revoltada com as nossas críticas dirigidas a Uninorte e contra a nossa defesa do patrimônio histórico, enviou, via e-mial, a seguinte mensagem:

“Cara, deixa de viagem! O mundo estar em processo de evolução a todo momento, não se pode viver sempre na mesma época, nada do que foi será de novo do jeito que ja foi um dia, as coisas, o tempo, as pessoas mudam. Você fala do Centro Universitário Uninorte dessa maneira, porque não é você que depende daquele lugar para fonte de conhecimentos. Devemos, sim, preservar e restaurar alguns monumentos hitóricos, mais isso não significa que devemos viver na época aúrea da boracha, né filho? Cultura para mim é importante, sim, mas, passado tem que ficar na História ou Museu; nem todo prédio, birosca, quitanda tem que ser preservado; bonito e cultural é preservar monumentos históricos como a Beneficente Portuguesa, Nilo Peçanha, Colégio Barão do Rio branco, até porque pessoas importantes da História estudaram lá, e isso contribui para o turismo na cidade. Se quiser me criticar, manda resposta para o meu e-mail”.

Após fazer as minhas reflexões, mandei a seguinte resposta:

“Muito agradecido pelo seu comentário, inclusive, foi publicado na íntegra no nosso blog, não fiz nenhuma correção. Você me pediu para rebater a suas críticas, passo a enumerá-las: 1. Realmente ando viajando muito nos meus pensamentos - o blog retrata esse saudosismo, porém, viajo com os pés no chão, não critico por criticar; você deve ser muito jovem, não conheceu como era linda a Avenida Joaquim Nabuco, os nossos governantes deixaram transformar aquele espaço numa degradação total – os prédios, biroscas e quitandas que você cita, foram belas casas de Manaus, foram todas para o chão, no local, foram construídos aqueles “monstrengos” da Uninorte; 2. Você é estudante da Uninorte, depende dela para obter conhecimentos – fui estudante da UFAM, sou formado em Administração e, estudei alguns períodos de Direito, na Uninorte, ou seja, dependi também para obter conhecimentos – não sou contra a Uninorte, enquanto instituição de ensino, mas, pela forma como os dirigentes implantam as suas faculdades no centro antigo de Manaus, não respeitando a nossa história e a nossa cultura; 3. Sei que tudo se transforma, nada é estático, porém, somos sabedores que para caminharmos em direção ao futuro, teremos que conhecer o passado para entender o presente. Faço parte de um grupo de pessoas que amam Manaus e a sua gente, lutamos pela revitalização do centro antigo de Manaus. Você já deve ter passado pelo Largo de São Sebastião, o lugar é bonito, limpo, revitalizado, aquilo é apenas uma pequena parte do que era a nossa cidade. Agora, imagina se todo o entorno do Teatro Amazonas fosse derrubado e construído prédios e faculdades da Uninorte, ficaria muito feio, um desrespeito aos amazonenses. Peço desculpas a você sobre a postagem que fiz sobre a Avenida Joaquim Nabuco e sobre as críticas à Uninorte, espero que as minhas breves palavras acima, tenha aclarado a minha intenção. Parabéns, continue estudando, fazendo as suas críticas, enfim, tenha uma boa preparação universitária, pois num futuro próximo será você que terá a obrigação de defender e cuidar da nossa cidade”.

Não recebi o retorno da jovem aluna da Uninorte, no entanto, foi muito importante as suas críticas e, espero que ela tenha entendido a minha posição. O nosso blog foi criado, exatamente, para defender e valorizar a nossa cultura, o nosso povo, o nosso patrimônio histórico e a nossa Amazônia. É isso ai.

3 comentários:

Flaic disse...

Muito bom amigo Rocha!Na verdade essa jovem deveria abrir os olhos,porque não se evolui destruindo o passado,e não precisamos interferir em nosso patrimônio histórico, para construirmos instituições de ensino,quem sabe um dia ela aprenda a valorizar e respeitar nossa história.Abraços

ROGEL SAMUEL disse...

claro que vc está certo, amigo, imagine se tivesse "modernizado" a cidade de Paris? pensando: para que serve tudo isso? tanto espaço tem nossa Amazonia à disposição... o Rio e Sao Paulo foi destruido, a casa onde viveu Machado de Assis é hoje um edificio feio, tem uma pizzaria e uma placa. é facil destruir, dificil é preservar o passado!

Anônimo disse...

Realmente é um verdadeiro absurdo o comentário dessa universitária. O povo amazonense ainda tem q evoluir muito. Moro em Belém do Pará e o q vemos aqui é um verdadeiro respeito e orgulho por seus prédios históricos, por sua cultura e culinária. Aqui dão sempre muito mais valor pelo q é da terra em detrimento do q vem d fora. O maior exemplo disso é a rede supermercadista da cidade q só possui redes locais, motivo d orgulho dos belenenses, e q por sinal, dão d dez a zero em muitas q encontramos Brasil a fora. Infelizmente o amazonense ainda tem q aprender a valorizar mais o q é seu. Em Manaus, qdo chega alguma rede d fora, é motivo d comemoração.

Muito bom seu blog! Parabéns!!!
Ricardo.