sábado, 17 de julho de 2010

EVANDRO DAS NEVES CARREIRA



Brasileiro, amazonense, nasceu em Alvarães no dia 24 de agosto de 1927, advogado e professor, fez o secundário no Colégio Dom Bosco, fez medicina até o 2º ano na velha Faculdade da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro,  conquistou o título de melhor orador universitário do Brasil em 1957, representando a Faculdade de Direito do Amazonas, contra 46 outras Faculdades do Brasil, cuja banca julgadora fora presidida pelo magnífico Reitor Pedro Calmon.


Elegeu-se Vereador por Manaus em 1959, obtendo a 2ª. Melhor votação  -  reelegeu-se em 1963 e, em 1974 elegeu-se Senador da República pelo Amazonas.
Desde 1960 na Tribuna da Câmara Municipal de Manaus vem afirmando: "A VOCAÇÃO HIDROGRÁFICA e SOLAR DA AMAZÔNIA, valendo todos os corolários que decorrem deste AXIOMA, como soem ser as VOCAÇÕES ICTIOLÓGICAS, A AGRÍCOLA VARZEANA, a HIDROVIÁRIA, a RIBEIRINHA, a FOTOSSINTÉTICA, USINA de ALIMENTOS e FÁRMACOS, através de sua BIODIVERSIDADE"

Exigiu a única providencia inteligente e fundamental para decifrar a HIDROESFINGE AMAZÔNICA: "O SEU INVENTARIO, ESVURMANDO, anatomizando, todas as suas ESPÉCIES, para saber QUEM É QUEM? QUEM AMA QUEM? QUEM ODEIA QUEM NA AMAZÔNIA, ISTO É, descobrir a sua HOMEOSTASIA.  
A AMAZÔNIA é a melhor grife, a melhor marca, a melhor propaganda do mundo. Nem a COCA-COLA empata com a AMAZÔNIA. Porém, a incompetência dos governantes do AMAZONAS e de MANAUS, do PARÁ e de BELÉM, nunca souberam aproveitar esse MARKETING.

CABOCLO! O QUE É DESENVOLVIMENTO? TENS CERTEZA MESMO QUE ÉS DONO DA AMAZÔNIA? Não achas que a AMAZÔNIA está nas mãos de grupos econômicos estrangeiros, e brasileiros, ligados a políticos vigaristas, corruptos, vendilhões-da-pátria... DONOS DE MINERADORAS, MADEIREIRAS, FAZENDAS DE GADO, LATIFÚNDIOS, INDÚSTRIAS DE APARAFUSAMENTO DE ELETRODOMÉSTICOS, das quais tu, quês és POVO, não és SÓCIO?”

É uma máquina de produção de trabalhos científicos, a grande maioria voltada para o estudo da Amazônia, confira:
- Amazônia : usina de alimentos para o terceiro milênio = Amazônia : food source for the   third millenium. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1985. 64 p.
  - A biota amazônica e a energia nuclear. Brasília : Senado Federal , Centro Gráfico, 1978. 26 p.
  - A cidade é antropógafa. Brasília : Senado Federal, 1977. 32 p.
  - A consciência cósmica do índio. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1978. 15 p.
  - Contra a venda da floresta amazônica. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1979. 36 p.
  - A crise estudantil. Brasília : Senado Federal, 1977. 4 p.
  - Ecologia : meio-ambiente é o grande problema? Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1979. 26 p.
  - O extrativismo preservou a Amazônia. Brasília : Senado Federal, 1978. 18 p.
  - A grande farsa. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1978. 39 p.
  - A idéia-força dos direitos humanos. Brasília : Senado Federal, 1977. 23 p.
  - A igreja e a ecologia. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1982. 14 p.
  - Mística nuclear. Brasília : Senado Federal, 1976. 7 p.
  - A morte do legislativo. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1981. 10 p.
  - Multinacionais cobiçam Amazônia - projeto jari, ponta de lança internacional. Brasília : Senado Federal, 1975. 21
  - Ocupação da Amazônia : preço sedutor para a borracha. Brasília : Senado Federal, 1975. 13 p.
  - Olho no olho : a economicidade da Amazônia está no peixe. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico. 1979. 28 p.
  - Pecuária, câncer da Amazônia. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1981. 10 p.
   - Planejamento familiar. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1981. 10 p.
   - Preço do quilo de borracha, igual ao preço do quilo de café moído dentro do seringal. Brasília : Senado Federal,      Centro Gráfico, 1981. 13 p.
  - Recado amazônico. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1975-. v. il.
  - A revolução, a droga e a subversão. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1978. 32 p.
  - O terrorismo é filho da sociedade antropofágica. Brasília : Senado Federal, Centro Gráfico, 1978. 15 p.
  - Tóxico e a morte de Deus. Brasília : Senado Federal, 1977. 77 p.


O vereador MárioFrota, lider do PDT na Camara Municipal de Manaus, escreveu o seguinte : “ Medalha de Ouro esquecida - O ex-senador Evandro Carreira foi agraciado com a Medalha de Ouro Cidade de Manaus, por intermédio de uma propositura de autoria do vereador Massami Miki, ‘em reconhecimento aos relevantes serviços prestados à causa bioecológica da Amazônia e ao despertar da consciência ambiental no Município de Manaus’. A promulgação do Projeto de Decreto Legislativo foi publicada no Diário Oficial do Município, do dia 14 de novembro de 2007 e assinada pelo então presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), Leonel Feitoza.
Acontece que até a presente data, depois de quase três anos, o agraciado ainda não foi chamado à sede do Poder Legislativo Municipal para receber a sua justa homenagem. O eternamente senador Evandro Carreira tem 83 anos e seria muito importante que fosse condecorado pelos vereadores de Manaus, pois ele é um cidadão do mundo, estudado e reconhecido pelas classes acadêmicas, tendo participado do filme ‘Terceiro Milênio’, realizado pela Televisão Alemã e traduzido em 26 idiomas – em português, pela Vídeo Globo.
Amazonólogo, expositor e conferencista sobre a temática amazônica em seminários, ciclos de debates, conferências e simpósios em Universidades, Diretórios Estudantis e outros organismos. Em 1981 proferiu palestras na Escola Superior de Guerra dos E.U.A., National Defense University e National War College - Forte Mc Mer, Washington, D.C.
De acordo com a justificativa que acompanha o projeto de Massami Miki, há 40 anos, antes da onda ecológica, Evandro Carreira condenou a implantação de modelos convencionais de desenvolvimento e preconizou a adoção de outro, diferente, respeitador do meio ambiente e adaptado às nossas condições naturais. À época, a tese soava estapafúrdia, porque na cabeça de quase todos, aqui o interior se desenvolveria com a substituição da floresta pela agropecuária de grande porte.
Portanto, quando ainda não se falava em ecologia, Evandro Carreira já defendia essa tese. Ele estava quase meio século à frente das pessoas normais porque enxergava o futuro com sua visão privilegiada pela natureza e abençoada por Deus. É por isso que o nosso povo tem o maior carinho e respeito por este ‘ícone da floresta’ que luta em defesa da biodiversidade amazônica. O seu reconhecimento com a Medalha de Ouro por parte deste Legislativo é uma questão de justiça, pois ele é a prata da casa que o mundo reverencia”.
Para conhecer mais sobre Evandro Carreira:

Postar um comentário