segunda-feira, 25 de agosto de 2014

SECOS & MOLHADOS

COISAS DA POLÍTICA - Bem cedinho da manhã, liguei o auto rádio, sintonizei uma emissora que só toca “flash-back”, tomei um susto, pois estava falando uma tal de Socorro, uma deputada que gosta de apresentar um programa de miséria na televisão - foi quando senti na pele que tinha voltado o “horário gratuito” dos políticos, tendo em vista as eleições gerais! Desliguei na hora e, esperei um tempo até passar aquela coisa feia. Depois de encarar por um tremendo engarrafamento, liguei novamente o rádio, estava falando um monte de baboseiras um tal de Miki, um vereador manjado que paga esse programa para sempre ser reeleito. Desliguei novamente! Quase que vomitei, pois o meu estomago não aguenta mais essas caras! Comprei três discos de MP3 com mais quinhentas músicas, acho que vai dar para escutá-las todinhas, até o término desse tal “horário político”!

Existe um candidato que possui como lema "experiência e renovação". Dizem por ai, não sei e, também não posso afirmar que, o referido cidadão é extremamente experiente em administrar os cofres públicos. O sujeito começou em 1983 na politica, na condição de vereador, depois, deputado estadual, federal, vice-prefeito, prefeito e governador por oito anos, no mesmo grupo que governa o nosso Estado faz anos, e ainda vem com essa de "renovação"! Valei-me minha Santa Genoveva!

A Justiça determinou o bloqueio de 138 mil (merreca para ele) das contas de um deputado, por improbidade – o esperto mantinha parentes em cargos comissionados, além de ter utilizado verbas públicas para compra de passagens aéreas sem comprovação de atendimento ao interesse público. Mesmo amparado pelo legal imoral,  sempre sai com essa em sua defesa:

- Fiz tudo como manda a Lei! 

É por essas e por outras que, sua família manda e desmanda em um tribunal e já comprou dois quarteirões de uma das principais avenidas de Manaus! Ele ainda está pedindo o seu voto para permanecer numa boa na ALEAM. Vota nele!

MUITA ÁGUA DE BEBER - Os jornais televisivos mostram, diariamente, as baixas reservas de água potável nas principais cidades brasileiras, um contraste com a Amazônia, onde existe muita e muita água. Estive na Praia da Ponta Negra, apreciando aquele mundão de águas, aquilo é apenas “um pingo” do oceano de “liquido precioso” que existe em nosso Estado do Amazonas. Futuramente, as cidades deixarão de construir “Oleodutos” e “Gasodutos”, para investirem maciçamente em “Aquedutos”, levando a água da Amazônia para o resto do nosso país. Pode escrever ai! Outra coisa, os pesquisadores descobriram um colossal aquífero (água subterrânea) na Amazônia! Ainda bem! Temos que agradecer todo dia ao nosso bondoso Deus por esse presente: muita água de beber!

Um cearense ao chegar a Manaus, vai até a Ponta Negra e, ao se deparar com aquela água toda, fica espantado e pergunta a um banhista:

- Quem é o dono desse “Açude”, macho?
O manauara responde:
- A proprietária é a “Mãe Natureza”, maninho!
O “cabeça chata” fica ainda mais assustado:
- Ela deve ser rica “pracaráio”!

A REDE DE DORMIR - Na minha adolescência, era comum entre a rapaziada de Manaus, o desejo de conhecer o Rio de Janeiro - quando alguém conseguia viajar pela primeira vez de avião, existia sempre aquela gozação: - Não adianta levar a rede, pois no avião não existe armador!
A nossa família era constituída pelo papai, mamãe, vovó, duas irmãs e três irmãos, com exceção dos meus pais, que utilizam a cama de casal, todos os outros usavam a rede de dormir, deixei de usá-la somente quando casei, após a separação, voltei para a minha querida rede de dormir!
Lembro, quando criança, os mais velhos falavam: – Além da mulher, a coisa melhor do mundo é a zoada da chuva no telhado de zinco, se embalar e coçar a frieira no punho da rede!
Tive um vizinho no Conjunto dos Jornalistas que, certo dia me revelou: – Ainda não deixei o hábito de usar a rede de dormir, mesmo após o casamento - ato a dita cuja bem cima da cama da mulher, desço somente para ir ao banheiro urinar ou dar uma “lamparinada” na velha, depois, subo para dormir!
Tenho um amigo morador da Vila de Paricatuba, município de Iranduba, possui um belo terreno no Lago de Paricá, inspirado pelos “Bumbódromos e Sambódromos” da vida, resolveu fazer um “Redódromo” – um barracão com duzentas redes enfileiradas, para servir de pousada para os turistas mochileiros - com a Ponte Manaus/Iranduba, a moda vai pegar!
O caboclo preguiçoso estava se embalando, quando uma grande cobra começa a deslizar pela rede, morrendo de medo, bota a boca no trombone: - Mãe, a senhora tem remédio para picada de cobra? A velha responde: - Tem não, meu filho, por quê? Ele responde naquela manha: - É que tem uma no punho da minha rede!- preferindo ser picado, ao sair da sua rede!
Um barco regional ao chegar ao seu destino, todos os passageiros saíram, ficou somente um dorminhoco, o comandante foi até ele e, começou a balançar a rede do caboclo: - Acorda, acorda, acorda! O cara meio sonolento deu um pulo e falou: - A corda é minha a rede eu não sei de quem é! O ladrão de rede se saiu muito bem! ´

É isso ai.
Postar um comentário