terça-feira, 13 de novembro de 2012

NO FUNDO DO POÇO



No “funduCanto dobrado: 1Canto dobrado: 1 puteu” parece um palavrão de  fariseu(desculpe, foi apenas para rimar e, brincar, meu!) – na realidade, constitui-se numa junção de duas palavras latinas, cuja significação, metaforicamente, significa no lugar, ou, na situação, aonde uma pessoa chegou ao seu limite material e espiritual de sobrevivência, no qual, ninguém, em sã consciência, deseja entrar e, quem entrou, luta para sair de imediato, bem como, aquele que entrou e, saiu, jamais deseja voltar para aquele lugar, nem com nojo, porém, existem várias versões de superação disponíveis nas “nets da vida”.

Segundo alguns autores de livros de autoajuda, o “fundo do poço” não é o caldeirão do inferno como comentam “porrai”, mas, uma situação de engrandecimento pessoal, onde o ser humano deve voltar para si mesmo e, conhecer a bela cidade que existe naquele lugar adverso, ou seja, o seu próprio eu, a sua personalidade, para assim, emergir para o patamar da “normalidade” do dia-a-dia.

Para quem está “no fundo do poço” é sempre muito difícil aceitar esses ensinamentos, pois, palavras, são meras palavras, podem até acalentar o espirito, mas, não enchem a barriga, no entanto, dizem os sábios “O que cria nossas limitações são as mensagens negativas instaladas em nosso cérebro”. E agora, José?

Pois bem, dentro do meu particular, conheço muito bem o fundo do poço, pois, andei por lá faz algum tempo atrás - sei que não se pode, somente, viver na crista da onda, pois, existem os altos e baixos da vida, mas, o lance é viver plenamente os altos e, estar preparado para os baixos.

Um velho “lente”, um dia escreveu: “Nunca será tarde para o caboco aprender!”. Será que “papagaio velho” aprende a falar inglês? Acho que sim, depende das porradas que ele tomar nos cornos! Será que a gente somente aprende na base da chibatada? Sei, não, mas, às vezes resolve!

Alguém escreveu que, toda pessoa deve passar um dia pelo teste do fogo, para poder renovar, tipo o grão do milho que precisa de fogo na panela para virar pipoca – o cara passa o tempo todo fazendo a mesma coisa, achando que está tudo certo, não passou, com certeza, pelo fogo. Por falar em fogo, chama os bombeiros, por favor! Chega de fogo, mano!

Putum que los parium, foi o que gritou um grego ao chutar uma pedra maceta!  Porra, quem não quer um dia chamar ou escrever uma “palavra ou frase indecente, o famoso palavrão”? Claro que sim, a grande maioria assim o deseja, para desabafar, de leve! E, para quem está no fundo do poço? Acho que tudo vale, somente, não vale é ficar muito tempo no fundo do poço! Eu, hein! Chega de fundu puteu!
Postar um comentário