quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

AVENIDA EDUARDO RIBEIRO – ONTEM, HOJE E AMANHÃ



ONTEM

O seu nome foi em homenagem a um dos melhores governadores do Estado do Amazonas, o maranhense Eduardo Ribeiro (1862-1900), para a sua construção foi necessário aterrar o Igarapé do Espírito Santo - tinha trinta metros de largura e mil e sessenta metros de comprimento, indo do Rodoway (atual Porto de Manaus) até o Palácio do Governo (atual Instituto de Educação do Amazonas – IEA).

O governador Eduardo Ribeiro deixou a gestão do executivo estadual em 1896 e, a avenida deve ter sida concluída em 1900, exatamente no ano da sua morte, - inicialmente, ela era conhecida como Avenida do Palácio, mas, apesar de muita rasteira do seu sucessor, o nome atual foi uma justa homenagem ao homem que trabalhou incansavelmente para a sua construção.

Tornou-se o centro comercial, cultural, econômico e viário da cidade, onde se instalaram os principais armazéns de venda de produtos finos, hotéis, restaurantes, bares, jornais, cinemas, bancos, etc. Por lá circulavam charretes, bondes elétricos, automóveis e ônibus – a nata da sociedade manauense fazia daquele logradouro um lugar da moda (point).

Na Praça Antônio Bittencourt (atual Praça do Congresso) era uma das mais belas de Manaus, tendo ao seu redor o Palacete Miranda Corrêa (atual edifício Maximino Corrêa), o Ideal Clube, o Prédio da Saúde (atual Loja dos Correios), um Palacete (atual biblioteca municipal) e várias residências em estilo de bom gosto.

Ao longo dos anos foram construídas várias edificações, tais como, o Palácio da Justiça, os Cines Odeon e Avenida, o Bar Americano, o Relógio Municipal, os Armazéns do empresário J.G. Araújo, os Jornais do Arnaldo Archer Pinto, dentre outros.

Ainda está na memória de muita gente o famoso “Canto do Fuxico”, a Lanchonete “A Gogô”, os desfiles de carnaval, a parada de 5 e 7 de Setembro, além da abertura do campeonato “Peladão”, do restaurante “A Maranhense”, da loja “4400”, dos bailes do “Moranquinho” e dos passeios de bondes. Muitas saudades!

HOJE

Está quase toda descaracterizada; suja em toda a sua extensão, toda pichada, com muito lixo, sem árvores; a violência impera, foi invadida pelos camelôs e flanelinhas; com a noite o local fica às escuras, com um ar triste e melancólico; os prédios antigos estão com as suas fachadas tomadas por placas de mau gosto, com uma enorme poluição visual.

Ainda bem que o Palácio da Justiça foi preservado, virou um Centro Cultural; o Relógio Municipal resiste ao tempo, apesar de não tocar mais aquela musica cativante; aos domingos a avenida é fechada para dar lugar a “Feira do Artesanato”, tornando um lugar mais humano, calmo, tranquilo onde as famílias manauenses e os turistas se deleitam com o café regional e compras de artesanato.

Apesar do abandono, o fluxo de automóveis e de pessoas é muito intenso, contando com muitas lojas de roupas e calçados, supermercados, bancos, lanchonetes e lojas de eletro-eletrônicos.

AMANHÃ

O governador Omar Aziz prometeu tornar aquela artéria um “Cartão Postal” – acredito que será mesmo, pois foi entregue a missão ao secretário de cultural Robério Braga, o homem é competente e ama esta cidade. Segundo o jornal D24 o amanhã será assim:

Sob a responsabilidade da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), o projeto, orçado em R$ 11 milhões para investimentos até outubro de 2012, será dividido em várias fases. A primeira etapa da obra, que começa na próxima segunda-feira, consiste no restauro da Praça Antônio Bittencourt. Nas três fases seguintes serão feitas a revitalização das fachadas do entorno da Praça, seguida da recuperação das fachadas da avenida Eduardo Ribeiro (trecho entre as ruas Monsenhor Coutinho e 24 de Maio) e da urbanização do entorno da Praça do Congresso (pavimentação, calçamento, rede elétrica subterrânea, instalações diversas e equipamentos urbanos) e implantação da via permanente e rede aérea do bonde no trecho entre as ruas 10 de Julho e 24 de Maio.

A quinta etapa envolve a fabricação e fornecimento de bonde elétrico de época, que deverá funcionar quando concluída a urbanização até a rua 24 de Maio. As próximas etapas incluem a revitalização e urbanização do perímetro da rua 24 de Maio a avenida Sete de Setembro e, na sequência, da avenida Sete de Setembro até o Porto de Manaus, também na área central de Manaus, com a ampliação da linha do bonde.

“Restaurar praças ou revitalizar ruas do Centro de Manaus representam mais do que uma simples obra de urbanização, significa o resgate da nossa história - nossas crianças poderão futuramente estudar a nossa história em uma visitação ao Centro Histórico de Manaus, que muito nos revela sobre o nosso passado”, afirma o governador Omar Aziz".

Demorou muito, mas, existe uma luz no fundo do túnel, o importante é que a decisão política foi tomada, vamos acompanhar e incentivar a sua conclusão. É isso ai.



Postar um comentário