terça-feira, 7 de julho de 2009

DIGNA CEDRO 1


Morreu o Pensador! É o dolorido
grito que se ouve em toda parte aflito,
no lar, na rua, como um eco, o grito
da revolta na dor humana unido.

O silêncio da cova abscôndito
guarda um mistério e o impune olvido
dos seus cruéis algozes, mas duvido
que o remorso se afaste do precito.

Era um justo e amou a terra estranha
que embelezou com seu trabalho insano,
dos maus ganhamos a invejosa sanha.

A mão que o fulminou não tem memória,
mas a ultima aguarda lá no arcano
“a Justiça de Deus na voz da História” 2

Poema de Tecelino de Almeida

1 Cedro – de imortalidade, porque os antigos costumavam untar os livros, para não corromperem, com o licor que destila o cedro, por cuja razão em provérbio diz “digna cedro” de alguma coisa, que se deseja eterna;

2 Essa “chave de ouro” emprestada é de um soneto antológico de Dom Pedro II no exílio, colocada na ortografia moderna – Mário Ypiraga Monteiro.
Postar um comentário