sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

UM OLHAR DO TERCEIRO ANDAR




Tive a oportunidade de passar um mês e alguns dias em uma sala do terceiro andar, do edifício da Rádio Mar, no Largo de São Sebastião e, por ela ficar praticamente na altura da copa das árvores daquele lugar, deu para ter um olhar diferente sobre as pessoas que por ali transitavam e, de algumas edificações históricas da nossa cidade.


Acompanhei a montagem e desmontagem do espetáculo de Natal “Glorioso”, com toda aquela movimentação dos operários, equipamentos, atores e ensaios, uma loucura! Foi um megaevento, coisa de cidade rica, dos tempos bons da belle époque, quando o dinheiro transbordava nos cofres do Estado – acredito que o Robério Braga incorporou o espírito megalomaníaco do governador Eduardo Ribeiro. 


Passado esta fase, veio o pessoal com a recolocação dos postes de iluminação, pinturas na lateral e retirada de entulhos – ficando tudo como entes, dando para curtir a beleza que é o Teatro Amazonas, principalmente, da cúpula onde dava para ver os detalhes daquela obra ímpar, apesar dela estar clamando por uma pintura já faz bastante tempo – sempre tive uma vontade enorme em um dia conhecer o interior daquela abóbada.


No Teatro Amazonas, outra coisa que me chamou a atenção é a inscrição da data “Cinco de Setembro de 1850” (data da independência administrativa do Estado do Amazonas) em cor azul com o fundo em puro ouro! Deu para ver muito detalhes do telhado, portas, janelas, óculos, estátuas, jardins, portões laterais, etc. - além da movimentação de turistas, admirando aquela beleza de arquitetura.


Por falar em turistas, o largo está apinhado deles, a grande maioria vem dos transatlânticos que toda semana param no Porto de Manaus (Rodoway), pois estamos na alta estação e a Amazônia é uma marca muito forte, o que concorre para que milhares e milhares deles optem em aparecer por estas bandas.


Certo dia avistei lá de cima um turista andando apressado, lembrei-me de um papo em que ouvi entre dois seguranças do Largo, um deles estava comentando sobre um gringo que se dirigiu até ele e, começou a falar em inglês, o guarda estava mais por fora do que umbigo de mulher da dança do ventre, depois, falava em toilette e water closet e, segundo o guarda, ele somente balançava negativamente a cabeça, pois não entendia patavina daquela língua, notou que o homem já estava ficando verde e soltando traques de montão, foi quando o gringo fez aquele sinal internacional “deu duas palmadas na barriga”, ai sim, o guarda entendeu que o americano estava com uma vontade doida de jogar um barro na louça, foi quando ele apontou para o lanche African House, o cara saiu em disparada com as calças quase arriadas.


É isso mesmo, está faltando banheiros públicos em toda a cidade de Manaus, bem que poderiam pelo menos colocar uns dois no Largo, daqueles do tipo “químico”, pois quem viaja, sabe muito bem que, em decorrência da alimentação, o turista sempre adquire aquela soltura de ventre, a famosa fininha - pense no aperreio do caboco quando ele não encontra um toalete público!





Como a vista lá de cima é privilegiada, sendo possível ver toda a movimentação de turistas, estudantes, aposentados e, cachorros, é isto mesmo, tem uma matilha no Largo de São Sebastião, são animais abandonados e doentes que necessitam de cuidados. 




 A Secretaria de Cultura mandou dar uma nova pintura no Centro Cultural Palácio da Justiça, mas, anda a passos de jabuti, naquela moleza, somente a parte externa da Rua Dez Julho foi concluída, acho que eles desistiram, pois o que tem chovido em Manaus não é brincadeira.


Este prédio já foi centro das atenções dos estudantes de Direito, dos advogados, juízes e desembargadores, mas, muito temeroso pelos homicidas, pois funcionava ali o tribunal do júri - hoje, serve para exposições e júri simulado para os alunos da área jurídica, além de guardar parte da mobília do antigo tribunal.


Estive uma vez visitando aquele prédio, senti que o fluxo de pessoas é muito pequeno, pois não há divulgação das suas atividades por parte da SEC – em minha opinião, deveria haver funcionários daquela secretária, de plantão, no Largo de São Sebastião, informando aos turistas e nativos sobre todos os espaços culturais, pois além da Praça e Igreja de São Sebastião e do Teatro Amazonas, os turistas poderiam visitar o Palácio da Justiça, Casa Ivete Ibiapina, Galeria do Largo e Casa de Artes. 


Observei muitas pessoas tirando fotografias do Palácio da Justiça, um monumentoso prédio histórico, porém, não ousam entrar, por não saberem que é aberto ao público e, muito menos, o que contém lá dentro – falta divulgação, mermão!

O Ideal Clube era o clube dos bacanas, da nata da sociedade, naquele lugar funcionava a famosa “Boate Moranguinho”, o tempo passou, acabou o encanto, tornou-se mais um espaço administrado pela Secretaria de Cultura, com muitas atividades desenvolvidas naquele espaço - pena que acabaram com o Teatro Gebes Medeiros - a conservação do prédio está deixando muito a desejar – ao longe dar para ver o telhado, parte das janelas e fachada, todas desgastadas com o tempo, pedindo uma pintura já faz muito tempo.


 Numa rápida olhada para o lado esquerdo, é possível ver-se os fundos do Hospital da Santa Casa de Misericórdia – se o hospital está abandonado, imagine como anda os seus fundos! Uma coisa que chama a atenção são algumas casas antigas com frente para a Rua José Clemente, acredito que com o tempo foram sendo incorporadas ao hospital – como o governador do Amazonas e os provedores não chegam a um consenso sobre a sua revitalização e abertura daquele hospital, onde eu nasci, resta-nos somente a lamentar o seu abandono. 


Um olhar do terceiro andar - é isso ai!

Fotografias: J Martins Rocha
Postar um comentário