quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

DEPOIS DE QUARENTA ANOS, UM GRUPO DE AMIGOS DE INFÂNCIA SE REUNEM NO MESMO LUGAR ONDE ACONTECEU A EXPLOSÃO DA CALDEIRA DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE MANAUS.


Escrever sobre os 43 anos da explosão da caldeira da Santa Casa de Misericórdia - pode parecer, a princípio, um gosto estranho por coisa sinistra -, muito pelo contrário, pois, apesar de mais de uma dezena de mortes, este episódio constitui-se num fato que ficou para a história da nossa cidade e, está servindo de motivo para o reencontro de um grupo de pessoas que, exatamente no dia da explosão, 14 de Janeiro de 1970, estavam próximo àquele local, eram moradores da Rua José Clemente, brincavam na rua e, tinham entre os seus dez e quinze anos de idade, inclusive, alguns deles sofreram ferimentos graves.

Eu e o Lúcio Menezes somos amigos desde a nossa adolescência, tenho por ele o maior apreço - participávamos, na nossa juventude, de um grupo de jovens da Igreja de São Sebastião – ele era morador da José Clemente, bem próximo a Rua Lobo D’Almada, exatamente no local onde aconteceu aquele triste episódio.

Conversamos, hoje, por telefone e, solicitei que fizesse uma narrativa, via e-mail, sobre aquele fatídico dia e, por ser um excelente cronista, mandou-se o texto abaixo - Na fotografia, o Lúcio é o quinto da esquerda para a direta.

REMINISCÊNCIA
Por: Lúcio M. S. Bezerra de Menezes

O Bar Caldeira de propriedade da Dona Maria, viúva do Seo Antonio, e do seu irmão, Adriano, sempre teve um público cativo, são boêmios, biriteiros, artistas, intelectuais, aposentados e tantos outros assíduos clientes que por nada deixam de diariamente bater ponto. O Bar foi palco de memoráveis eventos, num desses o motivo foi a ilustre presença do saudoso Vinicius de Moraes, o Vininha. Recentemente o Caldeira foi arrendado e, segundo me disseram, repaginado, ganhou espaço midiático e na esteira dessa visibilidade, está a conquistar um novo publico, atraído pela proposta mais ousada e mais arrojada do seu atual proprietário. O que a maioria dos novos frequentadores desconhece é a razão do nome do Bar e a tragédia que esse nome guarda.
A paisagem que eu vislumbrava diariamente ao sair de casa ou ao me debruçar nas suas janelas - exceto pela fumaça de uma chaminé e pelos raros transeuntes - era estática, o enorme paredão de pedras da Santa Casa de Misericórdia. Paredão que ganhava vidas ao aninhar pombos e outros pássaros menores, ilustres inquilinos das frestas que encontravam entre as pedras que o compunham. É curioso, estou eu a relembrar aquela paisagem, quase uma pintura de natureza morta e dela sentir saudade, é como se eu, menino passarinho, dela também tivesse sido inquilino.
No dia quatorze de janeiro de mil novecentos e setenta, Lolô e Cadinho, meus irmãos, estavam em gozo de férias em Parintins. Eu ficara em Manaus a resmungar a prisão domiciliar imposta pela minha mãe decorrente de uma súbita febre que me acometera, estava eu desolado por imaginar meus irmãos a se divertir na Ilha e por saber-me proibido de me juntar aos amigos Humberto Breval, o Bebeto, Camilo Gil, o Camel, Mário Garcia, Fausto Biváqua, o Faustinho e Luiz Afonso, o Lula ou Lulinha, reunidos na esquina da Rua Lobo d’Almada com José Clemente. Os meninos estavam a praticar a mais nova “brincadeira”: atirar clips em alvos móveis (gatos, cachorros e, principalmente, pessoas) através daquelas ligas de empacotar dinheiro. Partia-se o clips, engatava-se a peça partida na liga posicionada entre o dedo indicador e o polegar (como se fosse uma baladeira), puxava-se até onde desse e depois soltava-se o pedaço do clips. O “projétil” ganhava velocidade e o alvo, se atingido, sentiria uma dor daquelas.
A prodigiosa memória do Lulinha resgata o instante de lucidez do Bebeto, ao sugerir: “é melhor pararmos com isso, vamos acabar indo parar no juizado de menores”. Imediatamente após esta frase, exatamente às dez horas da manhã, a primeira de uma seqüência de três explosões ensurdecedoras ecoou; gritos, pânico, desespero era o que se via e ouvia. A primeira pareceu um terremoto, a segunda lançou pedaços de dois corpos e pedras, a terceira, a mais forte, fez tremer o prédio do então Tribunal de Justiça e dezenas de casas dos arredores; chovia pedras, tijolos e madeiras, os fios elétricos quedavam-se arriados em frente a minha casa; se o inferno existe ali estava a se instalar a sua sucursal. A super pressão no interior da velha caldeira, em decorrência do entupimento da válvula de escape e o excesso de lenhas colocadas pelos foguistas foi a causa daquela explosão.
Lula relatou-me que quando viu o Bebeto caído no chão tentou levantá-lo puxando-o pelos cabelos, mas nesse instante foi atingido por uma pedra nas costas que o deixou sem andar por quase um mês e por pouco não fratura sua bacia. Atingido e atônito deixou o amigo Bebeto e procurou se salvar – quando acionado, o instinto de sobrevivência sobrepõe-se a solidariedade. Foi nesse instante que eu e a minha mãe saímos de casa desesperados a buscar resposta para aqueles pavorosos estrondos. Não sabíamos o que era mais seguro, ficar em casa ou ir para a rua.
Dona Marina, mãe do Lulinha, entrou em desespero ao se deparar com o filho a se arrastar e a deixar na calçada rastros de sangue.
Bebeto foi o menos afetado, Camilo perdeu o baço, Mario Garcia sofreu diversas escoriações e o Faustinho, o mais atingido, após inúmeras intervenções cirúrgicas passou a usar uma bota especial para compensar os centímetros perdidos de uma das suas pernas. As elevadas dosagens de antiinflamatórios que por anos foi obrigado a ingerir condenaram-no a carregar irreversíveis seqüelas por toda a sua vida.
Nunca pensei que pudesse qualificar como bendita a sempre indesejável febre, jamais esquecerei aquele cenário de pavor, as cenas que guardo na minha memória se parecem com as dos filmes catástrofe de Hollywood, a diferença é que são reais, sem duble, sem diretor, sem direito a cortes ou cenas refeitas, com protagonistas e coadjuvantes. Esse episódio deixou marcas indeléveis, talvez por isso, sem combinação prévia, quando refizeram a calçada da Santa Casa apressamo-nos em registrar nossos nomes. Os meninos da Rua têm a sua própria calçada da fama.
Pela dimensão catastrófica foi um milagre não ter sido pior. Às vezes fico a me perguntar: estaria a resposta no fato de que o hoje Bar Caldeira se chamava Bar Nossa Senhora dos Milagres? Quem sabe?
A explosão da caldeira da lavanderia da Santa Casa vitimou de forma fatal três pessoas, dois foguistas da caldeira e uma senhora que pela rua passava.

Camilo Gil Cabral é Diretor da Manaus Energia
Fausto Biváqua de Araújo mora no Rio de Janeiro
Luiz Afonso Leite de Moraes é comerciante e advogado
Mário Garcia morou muitos anos na França, há três anos mora no Rio de Janeiro
Humberto Ruiz Breval Junior mora em Manaus

Por estarmos em Janeiro, mês de férias, alguns colegas de infância do Lúcio estão em Manaus e, resolveram fazer um reencontro depois de quarenta anos – o local escolhido foi exatamente o Bar Caldeira, na esquina da Rua José Clemente com a Rua Lobo D’Amada – todos estarão reunidos no próximo domingo a partir das 10 horas da manhã, não somente para lembrar aquele dia triste, mas, para celebrar a vida e renovar a velha amizade de um grupo de colegas de rua.

Sobre a explosão da caldeira da Santa Casa de Misericórdia, fiz uma postagem no ano passado e, em decorrência do encontro desse grupo de velhos amigos, publico link sobre aquela matéria - http://jmartinsrocha.blogspot.com.br/2012/08/a-explosao-da-caldeira-da-santa-casa-de.html

Um grande abraço ao Lúcio e aos seus amigos de infância - espero estar junto com vocês no próximo domingo e, lembrar da explosão da caldeira, bem como, tirar fotografias para publicação no nosso Blog. É isso ai.
Postar um comentário