segunda-feira, 20 de agosto de 2012

VIAGEM A MANACAPURÚ, A TERRA DAS CIRANDAS.



Fui convidado por um amigo para irmos até a cidade de Manacapuru, ele foi a serviço e, aproveitei para fazer turismo, fomos na sexta-feira, pela manhã, um dia calmo e tranquilo, pois com a inauguração da ponte Manaus-Iranduba, o movimento cresce enormemente nos sábados e domingos, – a viagem foi muito legal, apesar da grande buraqueira da Estrada Manoel Urbano (AM-070), mas é muito bom voltar novamente a “Terra das Cirandas”, a nossa queridinha “Princesinha do Solimões”.

A cidade de Manacapuru fica a 84 km de Manaus, na margem esquerda do Rio Solimões - o acesso por via fluvial chega aos 157 km, pode-se também ir por via aérea - possui uma área territorial de 7.270 km2, com a uma população estimada em 82.309 (segundo o IBGE) – ela é conhecida no mundo inteiro em decorrência do maior e melhor Festival de Cirandas do Brasil.

Ao chegar, fomos direto a um restaurante, o prato foi “Peixe Frito & Baião de Dois”, estava uma delícia, com um preço bem camarada, depois, aproveitamos para fazer um tour pela cidade, pois ela para ao meio-dia e, o meu amigo tinha que fechar um negócio somente à tarde.

Tentamos comprar laranja, mamão, açaí, pupunha e queijo, mas, os preços estavam salgados – tudo em decorrência da grande cheia deste ano, a qual provocou alagamentos e destruição da maioria das plantações dos ribeirinhos.




Tirei várias fotografias das casas antigas da cidade e, fomos até a “Orla do Miriti”, um paraíso que fica dentro da cidade, apesar do abandono por parte da Prefeitura.




Aproveitamos para obter informações e conhecer o “Hotel Evanstour”, localizado as margens do Rio Miriti, são 50.000m2 de área, com piscinas, balneário, salão de eventos, auditório, área de lazer etc. - o gerente é um paulista da melhor qualidade - eles estão fazendo reformas no hotel, pois ficou um bom tempo fechado, em decorrência da grande cheia dos rios – quem quiser fazer reservas, basta ligar para o telefone 92 9252-2745, o preço da diária é de R$ 98,00 e R$ 128,00 (capacidade para cinco pessoas, com TV a cabo e frigobar).

A cidade está se preparando para o “XVI Festival de Cirandas de Manacapuru”, um evento que acontecerá nos dias 24, 25 e 26 de Agosto – serão três dias para “lavar a burrinha”, pois haverá um fluxo enorme de turistas na cidade, com muito trabalho e renda para aquele povo bom e hospitaleiro.

Este grande evento será transmitido para todo o mundo, pelo canal de TV “Amazon Sat” – segundo um folheto que recebi no restaurante, as três agremiações terão os seguintes temas:

  • Ciranda Guerreiros Mura – através da história, lendas e mitos a Guerreiros Mura celebra o amor – o amor físico, amor platônico, amor materno, amor à vida e o amor a Deus. É o tipo de amor que tem relação com o caráter da própria pessoa e motiva a amar (no sentido de querer bem e agir em prol). A ciranda através dos mitos e lendas da Amazônia fala desse amor sentido e retratado em todos os lugares por mais recônditos que sejam e também, de amores que atravessaram barreiras intransponíveis. Amor apaixonado, espiritual, brincalhão, afetuoso, pragmático, emocional e, outros tantos que nos farão apaixonar na arena do Parque do Ingá (o Cirandródomo).  
  • Ciranda Tradicional – Arquimedes o filósofo popular contador de estórias das terras de Manacá – Arquimedes de Siracusa (grego), um homem sábio dotado de conhecimentos, foi matemático, físico, engenheiro, inventor e astrônomo. O Arquimedes de Manacá é um nome fictício nascido na comunidade da Ilha do Paratari, a 6 horas de barco da sede do município, um homem sábio dotado de conhecimentos populares, a partir de suas estórias, passou a ser o maior contador de causos e contos das terras de Manacá, foi também agricultor, seringueiro e pescador. A cultura popular vai ser cantada e bailada, com a lenda do corta água, o chute certeiro na porta do céu, duelo das águas (a iara, o bacurau e a sucuri), o Sarapó e a canoa voadora.
  • Ciranda Flor Matizada - O elo do Rio Negro e os encantos de um novo El Dorado – Em 24 de Outubro de 2011 foi inaugurado a Ponte Rio Negro. Um cenário mágico se delineou no imaginário coletivo e impôs a inevitável viagem dos sonhos para muitos e a ponte se torna um fabuloso elo entre o mundo da capital e o mundo do interior, mas a realidade encontrada frustrou as aspirações coletivas. A Flor Matizada se propõe ao desafio de revelar ao grande público o verdadeiro sentido do novo “Eldorado”: a singeleza da tipicidade interiorana, local que ainda não foi vista, em uma viagem pitoresca pelos mais significativos aspectos da cultura concreta, fervilhante e característica de Iranduba, Caapiranga, Novo Airão, Anamã, Beruri, Anori, Codajás e Manacapuru.
Hora de voltar, paramos numa fazenda de gado, para comprar queijo coalho, coalhada, doce de leite, goiaba e cheiro verde, depois, entramos num ramal do Laranjal, numa longa estrada toda asfaltada, indo até a beira do majestoso Rio Solimões, tentamos comprar laranjas, mas, não foi possível, pois o Sol estava a pino, forçando a todos os trabalhadores a ficarem intocados em suas casas.

Muito boa a viagem, já estou com saudades – quem sabe, posso voltar e, assistir ao Festival de Cirandas de Manacapuru. É isso ai. 
Postar um comentário