quinta-feira, 8 de novembro de 2012

LOJA CREDILAR TEATRO


Quem passa pela Avenida Eduardo Ribeiro, esquina com a Rua José Clemente e, resolve ir até a agência da Caixa Econômica Federal, não imagina que naquele local já fora uma loja de eletroeletrônicos considerada a mais bonita da nossa cidade, tanto externa como internamente. 

Quem observar mais atentamente o imóvel - verá que ele foi construído em madeiras de lei da nossa região amazônica – é isso mesmo, pois foi um projeto do mineiro-amazonense Severiano Porto, uma pessoa que valorizava os elementos e a cultura da hiléia.

A loja chamava-se “CREDILAR TEATRO”, um empreendimento pertencente ao Sr. Natan Xavier de Albuquerque, um empresário visionário, dono de um conglomerado de empresas, denominadas de “MOTO IMPORTADORA”, considerado pelos especialistas da época, como o mais bem administrado e organizado de toda a Região Norte - infelizmente, com a morte do seu filho, ficou desgostoso e, fechou todo o grupo.

A fotografia acima, foi retirada de um jornal antigo (O Jornal), mostrando o seu esplendor, exatamente dois dias antes da sua inauguração – o evento aconteceu numa terça-feira de 4 de Maio de 1971, bem no coração da Zona Franca de Manaus (no tempo em que o comércio de importados era famoso em todo o Brasil).

Foi considerada a maior e mais bela da Amazônia – revendia de tudo: móveis, eletrodomésticos, geladeiras, freezers, material cine foto, toca-fitas, eletrolas, gravadores, rádios, motores, geradores, motocicletas, veículos etc.

Segundo os mais antigos, naquele mesmo lugar, na década de sessenta funcionou uma fábrica de guaraná “Baré” – infelizmente, quem passa hoje por lá, verá uma balburdia na parte externa, com camelôs, bancas de churrascos de gato, lanchonetes, vendedores e, tudo o mais, ofuscando um imóvel feito de madeiras nobres, que por sinal, ainda é muito bonito, apesar dos seus quarenta anos de existência. É isso ai.

3 comentários:

ROGEL SAMUEL disse...

conheci e comprei arrtigos na CREDILAR quando ia a Manaus, amigo... obrigado pela lembrança, pois morei na rua José Clemente na minha adolescência...

Anônimo disse...

Conheci essa loja nos anos 1970. Era belíssima. Não tinha grande movimento pela localização. Curiosidade: todas as madeiras da loja tinham identificação do nome das árevores de que provinham. Grande projeto de Severiano Porto.

Anônimo disse...

credilar teatro... lindissima, meu primeiro emprego, tinha dessesis anos... moro em ilheus hj, e estava olhando manaus... tempo muito bom...!!!!