terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

REQUIESCATIN PACE (DESCANSE EM PAZ) GOVERNADOR EDUARDO RIBEIRO

Pesquisando jornais antigos, digitalizados pela Secretaria de Cultura do Amazonas (SEC), encontrei o “Jornal Amazonas” (Órgão do Partido Republicano), datado de terça-feira 16 de outubro de 1900, no qual consta uma homenagem pós-morte ao governador Eduardo Gonçalves Ribeiro (1962-1900), transcrito abaixo – dos quarenta e sete governadores republicanos do Estado do Amazonas, nenhum o superou até hoje, pois fez a melhor administração de todos os tempos.

Governou o Amazonas no período de 23 de julho de 1892 a 23 de julho de 1896 - o homem era um megalomaníaco, mandou fazer o Teatro Amazonas, o Reservatório do Mocó, a Ponte de Ferro da Sete de Setembro, o Palácio de Justiça e inúmeras outras obras, transformando Manaus na conhecida “Paris dos Trópicos”; dinheiro não faltava, quanto mais gastava, mais os cofres enchiam, advindos dos impostos da comercialização da borracha.

Alguns historiadores amazonenses relatam que o Governador Eduardo Ribeiro foi assassinado, ao tomar um copo de leite contendo veneno, outros afirmam que o seu charuto continha algumas ervas letais; o local também diverge, a maioria relata que foi na sua chácara (na Av. Constantino Nery, atual Centro Psiquiátrico Eduardo Ribeiro), porém a minoria afirma que o homem caiu morto no Largo de São Sebastião (casa que abrigou a Construtora Rayol, atual Café do Largo).

Transcrição do jornal:

JORNAL DO AMAZONAS – Terça-feira 16 de Outubro de 1900 – Eduardo Gonçalves Ribeiro

Finou-se anteontem este grande brasileiro.
Tinha a patente de Capitão do Estado Maior de 1ª. Classe e  era engenheiro.
Sua vida foi um exemplo de energias e força de vontade.
Filho do povo, elevou-se pelo seu esforço as mais proeminentes posições sociais.
Espírito culto, educado na Escola do Liberalismo mais adiantado, tendo como phanal que iluminava a todos os seus actos o máximo respeito aos direitos de terceiros.
Desde os seus mais verdes anos, que se revelou como um trabalhador infatigável, a par de uma inteligência lúcida, propensa sempre para o bem.
Sabia fazer-s amar por todos os que d´elle se aproximavam.
O seu nome venerado e querido, não se apagará jamais da lembrança do povo amazonense.
O Estado do Amazonas e principalmente a sua capital, deve-lhe o maior carinho em tudo que poude aproveitar no seu embelezamento moral e material.
Não há um só edifício público nesta nossa hoje bella capital onde não esteja radicado o nome do pranteado extincto.
Como governador deste Estado, soube sempre imprimir em sua administração o respeito a lei e ao Direito.
Na qualidade de chefe do Partido Republicano Federal, a que foi elevado pelas suas  qualidades de eleição, revelou-se sempre um dedicado amigo para os correligionários e um adversário leal, generoso e bom.
Entre as selectas qualidades que destinguia o pranteado Eduardo Ribeiro, salienta-se ainda pelo espírito carinhoso, nunca deixou de enxugar lágrima que via correr, si estava isto em seu poder.
Republicano e patriota de todas as suas energias de a esta terra, que ele tinha adoptado como a de seu berço.
O Amazonas curva-se reverente diante de sua campa, para dar expansão as suas lágrimas e saudades, sentimentando  ao directorio do Partido Republicano Federal pela grande perda que acaba de soffrer.
Requiescat Pace.

Para quem deseja conhecer um pouco mais sobre esse homem fenomenal, acesso os liques abaixo:
É isso ai.

Fonte: Gerência de Acervos Digitais da SEC
            Jornal Amazonas, edição de 16 de outubro de 1900.
Postar um comentário