quarta-feira, 27 de novembro de 2013

A MINHA HORTA VERTICAL DE GARRAFA PET


Tempos atrás fiz uma pesquisa no Youtube sobre a reciclagem de garrafas de PET (Poli [Etileno Tereftalato]) - fiquei interessado na horta vertical e, da elaboração de um pequeno projeto a execução, foram três meses, pois sempre deixava para amanhã, mas, ao concluí-lo, peguei experiência e motivação para fazer outras para os meus familiares e mostrar a técnica para os amigos.
Em primeiro lugar, será muito importante explicar aos nossos leitores quais as vantagens em construir tal horta:
 1.  É uma parcela de contribuição do cidadão para o meio ambiente, pois uma garrafa PET leva 400 anos para se degradar, evitando o acumulo de lixões e poluições ainda maiores dos nossos igarapés, onde todos despejam diariamente toneladas de lixos no Rio Negro (onde volta para os nossos lares através da água encanada);
 2.  Economia na compra de hortaliças, legumes e verduras, pois produz o ano todo e, está ali na parede da sua casa;
 3. Saúde para todos da família – a grande maioria dos alimentos agrícolas contém agrotóxicos (prejudiciais à saúde) e, os produzidos em sua casa são orgânicos;
 4. Ao fazer a horta, plantar e colher - proporciona uma paz de espírito muito grande, diminuindo o estresse, evitando a depressão e outras doenças da mente.
Existem muitas outras vantagens em fazer uma horta, mas as quatro acima já bastam para motivar muita gente. Então, vamos lá:
 1. Sementes: comprar pacotinhos nas casas que vendem produtos agrícolas. As minhas adquiri em uma loja que fica ao lado da Feira da Banana (na Manaus Moderna) – chicória, cebolinha, coentro e couve. As da marca Isla Park do Rio Grande do Sul,  são originais e sem defensivos;
 2.Terra: encontrado nas casas que vendem mudas de plantas – o saco contém 25 quilos e a grande maioria vem preparada, ou seja, contém NPK e calcário, ao preço de sete a dez reais. Misturei com cinco quilos de esterco curtido - esse material é suficiente para seis ou mais fileiras verticais com quatro garrafas cada;
 3.  Fileiras: pode ser de duas a seis garrafas – fiz de quatro, com dois metros de altura, com trinta centímetros entre uma garrafa e outra;
 4.  Outros materiais: dois parafusos com gancho e buchas de 10” – cabo plástico de amarrar roupas (dez metros) – oito tampinhas plásticas de garrafa PET – luvas, estilete e uma pá de jardinagem;
    

Como fazer:
 1. Cortar com o estilete a parte central da garrafa (de dois litros), no tamanho de 14 cm horizontal por 9 cm na vertical;
 2. Fazer furos nos dois lados, próximos ao gargalo e ao fundo, para passar o fio – abrir também três furos por onde vai escorrer a água em excesso – as oito tampinhas devem conter um furo bem no centro;
 3. Montagem: com a furadeira fazer dois furos para colocar as buchas e os parafusos - começar de baixo para cima, colocando duas tampinhas para cada garrafa, com um nó no fio para segurar as garrafas – deixar um espaço de trinta centímetros entre as garrafas - amarrar os dois lados dos fios nos parafusos;
 4. Colocar terra até a tampa, fazer pequenos buracos com os dedos e colocar as sementes – regar uma vez de manhã ou a tarde;
 5. Entre sete a vinte dias começarão a brotar, deixar crescer e consumir um alimento bom e de qualidade.
Muitos continuarão comprando nas feiras e mercados, pois dá uma trabalheira danada fazer uma horta em casa, mas, para aqueles persistentes, todo o esforço valerá à pena, a minha horta de garrafa PET está beleza demais! É isso ai.

Observação:

A cebolinha não deu certo na primeira vez, acho que coloquei muita água, pois "Água Demais Mata a Planta"! Na segunda vez, deu certo, mas, nasceu capim Canarana também, como moro no Cj. Canarana, deixei ele crescer também, ora, ora! A couve é parruda, tive que colocar num vaso. Na realidade, tudo é experimental! Os tomateiros crescem que não é brincadeira, terei que ir no Mercadão e comprar um caniços de bambu para amarrar os cabras







Postar um comentário