sábado, 12 de novembro de 2011

PROFESSOR LÁZARO DO CURSINHO EINSTEIN DE MANAUS

Na década de setenta, um grupo de jovens professores da rede estadual de ensino, descobriram um grande filão na área educacional e, resolverem montar, em Manaus, um curso preparatório para o concorridíssimo vestibular da antiga Universidade de Manaus (UA), era o Pré-vestibular Einstein, com a sede na Rua Barroso, centro – dirigido pelo Waldery, na área de física e matemática; o Edivaldo (índio), de história e geografia e, do nosso querido Lázaro, de Língua Portuguesa e Literatura, uma figura que tinha uma forma toda especial de lecionar.

Os dois primeiros foram sócios por muito tempo, formando, tempo depois, o Curso Objetivo e, na atual Uninorte/Laureate, uma imensa universidade de graduação e pós-graduação, com ramificações em todo o Brasil e no exterior.

O professor Lázaro seguiu por longo tempo a “carreira solo” -, formando um bom tempo depois, o Colégio e Pré-vestibular Camões.

Ele era muito querido pelos seus alunos, pois apostou na descontração como uma excelente forma pedagógica de ensinar.

A grande maioria dos brasileiros possui uma grande dificuldade em absorver os ensinamentos da língua portuguesa, faço parte dessa massa, mesmo assim, com um ano de aula do professor Lázaro, consegui passar no vestibular.

Ele lecionava contando piadas, gesticulando bastante e, chamando até palavrões – a turma ia ao delírio com as suas aulas, ela deixou de ser maçante, para tornar-se prazerosa.

Foi o responsável em colocar muita gente na UA, pois motivava aos jovens a estudarem com mais afinco – o sucesso imediato do cursinho foi em decorrência do seu excelente desempenho e carisma, sem sombra de dúvidas!

Tinha um pequeno defeito de fábrica: era um apreciador inveterado de uma “loura gelada”, aliás, de várias e diversas, tanto que servia até para motivos de zombaria por parte dos alunos.

Passou um bom tempo abstêmio, chegando a frequentar e presidir a irmandade dos Alcoólicos Anônimos do Porto de Manaus – segundo o artista plástico Inácio Evangelista, ele foi muito amigo do Lázaro, os dois secaram muito bar em Manaus e, foram também irmãos do AA.

Certa vez, o Inácio me contou uma proeza dos dois, foi mais ou menos assim: num belo sábado caliente de Manaus, os dois amigos se encontraram no "Canto do Fuxico" (esquina da Avenida Eduardo Ribeiro e da Rua Henrique Martins), o Inácio propôs uma caminhada até a esquina da Rua José Clemente, chegando lá, resolveram pegar a esquerda e pararam bem em frente ao Bar Caldeira, resolveram tomar um guaraná Baré, papo vem, pago vai, pediram outro guaraná, papo vem, papo vai, tomaram o terceiro guaraná, antes de pedir o quarto, o Inácio propôs o seguinte:

- Companheiro Lázaro, está fazendo um calor danado, que tal tomarmos somente um copo de cerveja? - perguntou na brincadeirinha para o professor - se colar, colou!

- Companheiro Inácio, faz logo o pedido, aproveita e pede dois maços de Hollywood e Tira-Gosto de Queijo Bola com Salame, manda o Adriano separar uma dúzia de ampolas véu de noiva, eu não sou homem de tomar somente uma, estou até o pescoço com a porra desse guaraná, vamos secar o boteco, Companheiro Inácio! - respondeu na maior - quem manda cutucar Onça com vara curta!

- Paranananam, paranananam - Ó abre alas que eu quero passar, eu sou da lira não posso negar! Vou-me embora para Pasárgada, lá sou amigo do rei, lá tenho a mulher que eu quero, na cama que escolherei!

Os dois companheiros passaram a tarde bebendo, cantando e declamando, estavam “mais feliz do que pinto no merda”! Depois da bebedeira, os dois ainda foram abrir os trabalhos no AA, não deu outra, foram expulsos pelos estivadores, embaixo de socos e pontapés.

O Lázaro fechou o Curso Camões e, foi para Boa Vista (Roraima), continua lecionando e dirigindo um cursinho, não sei se ainda é apreciador de suco de cevada.



Parabéns ao professor e, muito obrigado pelos seus ensinamentos. É isso ai.







Postar um comentário