segunda-feira, 7 de novembro de 2011

O HOSPITAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE MANAUS CONTINUA FECHADO



Recebi um e-mail de um leitor, questionando sobre a situação da Santa Casa de Misericórdia de Manaus: - “Por falar em Santa Casa, continua fechada? Se ainda está, há alguma iniciativa em reabri-la? Qual a real causa de seu fechamento?” Respondi com esta postagem.

Lamento informar ao nobre leitor que, o hospital continua fechado, sem nenhuma luz no fundo túnel para a sua reabertura. Segundo comentários de algumas pessoas ligadas ao poder, o motivo do fechamento foi uma péssima administração do Provedor, ocasionando dívidas de todas as ordens, ficando a instituição no vermelho, mesmo recebendo doações de particulares e, transferências do governo do Estado do Amazonas e do SUS.

No governo passado, houve uma tentativa de “salvar” a Santa Casa, mas, não houve acordo, pois o Provedor aceitou receber um montante de recursos para quitar todas as dívidas, porém, não abriu mão da administração do hospital, ou seja, aceitou a grana, mas não queria deixar de forma alguma de morder o osso.

A sociedade amazonense está indignada, leia dois comentários dos nossos leitores: “Como médico, trabalhei na Santa Casa de Manaus entre 1969 e 1981. Dela só tenho excelentes lembranças. Além de seu valor como hospital, tem valor histórico e arquitetônico. É claro que o valor como hospital, para a população, supera tudo o mais. Concordo com seu texto. É preciso reabrir a Santa Casa. Roberto Góes Monteiro".

 “Nojo” é o que sinto dessa política amazonense suja e injusta, para gastar com óperas, boi Manaus, festivais caríssimos, obras mal acabadas e empreendimentos que deveriam ser postos em segundo plano, estes malditos falsos administradores não perdem tempo, mas em se tratando de uma necessidade urgente para população local, como o da saúde, se quer movimentam esforços. A Santa Casa merecia sim privilégios porque é um hospital e todos sabem o quanto esta cidade necessita de postos de atendimento médico, fora isso, este hospital faz parte da história da cidade. Realmente a saúde pública neste país é uma vergonha, tantas pessoas morrendo nas fileiras de hospitais lotados e a Santa Casa simplesmente é ignorada pelos sempre alienados políticos amazonenses. Sim, é preciso e necessário reabrir a Santa Casa. Anysha”.

O vereador Mário Frota, lançou um manifesto em prol da revitalização e reabertura da Santa Casa, segundo o edil “O Hospital da Santa Casa foi construída há 124 anos para prestar bons serviços de saúde ao nosso povo, encontra-se hoje de portas fechadas, abandonada, absolutamente esquecida pelo poder público, uma vergonha, levando-se em conta a ausência de hospitais para atender aos que, nesta terra, tem necessidade de assistência-hospitalar. O governo do estado, incentivador de tantos segmentos culturais e esportivos, que constrói uma ponte ligando as margens do Rio Negro, ao preço de R$ 1 bilhão de reais, será que não dispõe de R$ 18 milhões para salvar a Santa Casa? O que é mais barato, construir um novo hospital, ou revitalizar essa grande casa que tem a cara de Manaus? Qualquer pessoa medianamente inteligente sabe que a segunda opção é indiscutivelmente mais barato para o bolso do contribuinte”.

Segundos os historiadores “o nome Misericórdia era uma das antigas invocações da Virgem Maria, que foi utilizado entre 1240 e 1350 para nomear uma irmandade em Florença - Nossa Senhora da Misericórdia, segundo alguns estudiosos, esse fato teria influenciado Portugal ao criar uma irmandade de mesmo nome; a bandeira de todas as Misericórdias, através de sua pintura, representava a igualdade com que a Mãe de Deus favorecia e recolhia todos debaixo do seu manto. A necessidade de internação de pacientes destituídos de recursos ou recém-chegados ao Brasil, sem família e moradia, acarretou logo no século XVI, a criação das Santas Casas da Misericórdia, segundo os moldes da estabelecida em Lisboa”.

O prédio da Santa Casa de Misericórdia de Manaus, data do ano de 1880. Durante longas décadas serviu ao povo amazonense. Segundo o articulista Ribamar Bessa, do jornal Diário do Amazonas, não foram encontradas nenhuma documentação anterior ao ano de 1950, ou seja, não conhecemos a sua história na totalidade.

A Santa Casa foi o local em que eu nasci, incluindo todos os meus irmãos, meu filho mais velho e, praticamente todos os manauenses que vieram ao mundo até a década de 80.

Outro leitor pediu para enviar este texto para a primeira dama do Estado, pois, segundo o que demonstram os jornais, ela está comprometida com a saúde e o bem-estar da população – estou encaminhando para a sua assessoria de comunicação.

Não custa nada tentar! Mesmo sabendo que as esperanças de ainda ver a Santa Casa reaberta é quase nula! É isso.

Postar um comentário