segunda-feira, 29 de agosto de 2011

PRÉDIO ANTIGO DE MANAUS SOBREVIVE AO LONGO DO TEMPO


Este é um dos prédios mais bonitos de Manaus, foi construído em 1908, conseguiu sobreviver à fúria destruidora dos insanos que colocaram grande parte do nosso patrimônio histórico no chão, para construíram em seu lugar os famosos “espigões”.

Ele está localizado na Rua Simão Bolívar, 248, centro, no entorno da Praça da Saudade; dizem os historiadores que ele foi construído para abrigar a família de um rico seringalista que ganhou muito dinheiro com o suor e a morte de muitos caboclos e nordestinos que se embrenharam na Amazônia em busca do látex.

Na fotografia antiga aparece um senhor bem vestido, deve ser o dono do imóvel, com duas crianças ao seu lado, além de um automóvel luxuoso para a época, com um motorista vestido a caráter e, ao fundo, aparecem três senhoras, por estarem na parte detrás devem ser serviçais. Aparecem postes de luz, com lampiões e ruas de chão batido. As portas e janelas todas abertas para receberem a ventilação natural, pois o clima de Manaus sempre foi quente e úmido, porém, acredito que naquele tempo era bem mais ameno. 

O prédio ao que parece deve ser do estilo mourisco, segundo o site http://www.colegiodearquitetos.com.br/  Mourisco é: “Arcos ogivais, rendilhados e minaretes marcam a arquitetura mudéjar ou mourisca, desenvolvida pelos árabes na Península Ibérica. Os adornos são ricos, complexos e abstratos. Esses arabescos geométricos trabalham com enorme variação de cores. As construções são voltadas para um pátio interno, e o interior da casa é protegido pelo muxarabiê. O estilo é facilmente identificável por suas torres e cúpulas ricamente entalhadas. A partir da invasão da Península Ibérica pelos mouros, esse estilo se difundiu no Ocidente. No Brasil, o Rio de Janeiro guarda uma obra erguida no mais tradicional estilo mourisco: a sede da Fundação Osvaldo Cruz”.

Este prédio está protegido por lei, ainda bem que ele abriga uma escola de formação de juízes de Direito, a ESMAN – Escola Superior da Magistratura do Amazonas. Atualmente, está pintado nas cores azul e branco, com as janelas de madeira em péssimo estado. Se os nossos magistrados não protegerem o imóvel, quem irá fazê-lo? É isso ai.

Contribuição dos nossos leitores:

Rogel Samuel: O imóvel abrigou a família de um banqueiro, dono do Banco de Manaós.

Anônimo: Quando foi criada a Universidade do Amazonas, no final dos anos 1960, esse lindo prédio em estilo neo-mourisco, abrigou a Reitoria da Universidade.











Postar um comentário