sexta-feira, 6 de maio de 2016

DANILO GOMES


Amazonense de Manaus. Grande sambista - junto com o seu saudoso irmão Ipojucan Gomes, fundaram o GRES Ipixuna, Morador e pequeno comerciante do bairro da Redenção. É meu amigo de longas datas, vezes e outros nos encontramos no Bar Caldeira, do seu irmão Carbajal Gomes.
Foto: Rocha


Wikipédia:

"O Grêmio Recreativo Escola de Samba Ipixuna é uma escola de samba de Manaus, no Amazonas. Anteriormente chamava-se GRES Mocidade de Ipixuna, mas o Termo "Mocidade" foi suprimido pela Diretoria em 2000.
A agremiação foi criada como "Mocidade Dependente do Bêco Ipixuna", então um bloco carnavalesco, no quadrilátero compreendido entre as ruas Ipixuna, Ramos Ferreira, Major Gabriel e Joaquim Nabuco, na região central de Manaus, que englobava mais de uma dezena de bêcos, dentre os quais se destacavam: Betel e Ipixuna, além dos adjacentes Bêco da Marreca e Buraco do Pinto. Hoje em dia (2011) o Igarapé que banhava estas áreas alagadiças foi aterrado e tubulado e sobre ele nasceu o Conjunto Residencial Parque Manaus, o conhecidoPROSAMIM I.
Seus fundadores a princípio só queriam brincar descompromissadamente o Carnaval, mas devido ao sucesso obtido em seu primeiro ano, A Agremiação, de Bloco, cujo um dos presidentes da época era Ruy "Moça", transformou-se em 1984 em Escola de Samba do Grupo de Acesso. Bi-Campeã de 1984 e 1985. já em 1986 a entidade tornou-se escola de Samba do grupo principal, alterando sua denominação para a atual, e desfilando com o tema: "O filho da terra", uma homenagem ao político amazonense Amazonino Mendes.
Em 1989 a Ipixuna chegou ao terceiro lugar geral do grupo principal das escolas de samba de Manaus. A verde e branco do Beco Ipixuna fez seu último desfile na Avenida Djalma Batista em 1990 com o enredo: "Verde que ti quero ver-te". Afastou-se do carnaval entre 1991 e 1994, retornando em 1995. Desde então, nunca mais retornou à primeira divisão. Em 1995 seu enredo era uma homenagem ao povo Ianomami. Terminou o desfile na 7a. Colocação e, junto com a Primos da Ilha, desceram para Grupo de Acesso.
Em 1996 homenageou o 3o. Milênio. Em 1997 se auto-homenageou. Em1998 veio com o enredo: "Venho de branco e peço paz", no samba do veterano compositor Paulo Santos. E a Escola veio literalmente de branco no Sambódromo. Em 1999 não houve desfile "oficial" do Acesso.
Em 2000, apresentando o enredo "500 anos de Brasil, a história da Imigração", seu samba, de Daniel Sales, Aor Amorim e Bosco das Letras, foi divulgado em São Paulo pelo Carnavalesco Luizinho Vanucci, foi considerado um dos melhores daquele ano. Já em 2001, abordou em seu desfile o bairro de São Raimundo, do mesmos compositores, aproveitando também para homenagear o santo e do clube de mesmo nome. Em 2002 fez uma reedição de 1991, quando não houve desfile em Manaus, e com o samba "Marabaixo", considerado um dos melhores do samba de Manaus, a Escola desfilou.
Em 2003 a Escola levou ao Sambódromo o polêmico samba sobre as "mãos", onde pela primeira vez na história do carnaval de Manaus, a letra do samba era direta em relação ao enredo, de uma forma ínusitada: falava das mãos em todos os sentidos, atingindo mesmo à falsa moralidade existente, sem hipocrisia.[carece de fontes]
Em 2004 voltou ao "Especial B" com o enredo sobre o Império de Tahuantynsuyo, dos Incas, com um samba contendo 16 palavras em Quíchua, língua materna dos Incas e falada até hoje no Peru. Em 2005, com um belo samba (plagiado em seu refrão, em anos posteriores, por duas escolas "grandes"), falava sobre a cidade Maués. Em 2006 homenageou a rua Marechal Deodoro.
A partir de 2007, a escola passou a seguir uma linha de enredos de esquerda[1] , começando por uma homenagem à Juventude Socialista. A partir de 2008 migrou para o Bairro de Santa Etelvina.[2] Em 2010 homenageou os professores e em 2011, o Município de Anamã.[3]
No ano de 2012 abordou a história do Partido Comunista do Brasil em seus 90 anos de história. Em 2013 a Escola voltou a fazer seus ensaios em sua área histórica de fundação, onde hoje é o PROSAMIM, próximo À ponte da Leonardo Malcher. O enredo em 2013 foi "Veja o mundo com bons olhos".Não desfilou em 2014, por causa da morte de seu baluarte, Ipujucan Gomes, ocorrida uma semana antes do desfile (21/02/2014). Em 2015 trouxe o enredo "Tributo ao Bom Malandro", Homenageando seu fundador e ícone maior - Ipujucan Ferreira Gomes. Em 2016 a juventude. é o enredo, A Força da Juventude"
Presidentes:
Nome
Mandato
Ref.
Rui Moça
1981 - 1983
Ipujucan Gomes
1984 - 2013
Bosco das Letras
2015 -


Diretores:

Ano
Diretor de Carnaval
Diretor de harmonia
Mestre de bateria
Ref.
1995
Marins
Danilo Gomes e Rigoney
Mestre China
1996 a 1998
Comissão de Carnaval
Rigoney
Mestre Iron Maciel
2000 a 2011
Bosco das Letras
Rigoney e Danilo Gomes
Iron Maciel, Biju
2012 a 2015
Bosco das Letras e Alessandro Dion
Suellen da 14 (2015)
Iron Maciel
2016
Alessandro Dion
Comissão
Mestre Zizo

Postar um comentário