quarta-feira, 4 de novembro de 2015

APRESENTAÇÃO DA BICA 2015

A minha amiga Ana Cláudia Soeiro Soares, filha do saudoso Armando Soares e, do seu marido, o Roberto Carvalho, convidaram-me para a apresentação, em 2015, da Banda Independente da Confraria da Banda do Armando (BICA), do Bar do Armando - foi uma surpresa, misturada com alegria e satisfação, pois parte da minha vida está naquele pedaço – a única exigência foi beber, somente, água mineral a noite toda (pensem num martírio) – acho que dei a conta do recado, pois preparei um roteiro (abaixo) e, fui muito espontâneo, sendo convidado para o próximo 2016.


“Boa Tarde Manaus! Boa Tarde Biqueiros!

Neste momento, iniciamos a apresentação da melhor e mais escrachada banda do carnaval de rua de Manaus, a “Banda Independente da Confraria do Armando”, popularmente, conhecida como BICA. 

O nosso tema para 2015 é “NA BICA NÃO TEM CONFLITO, VOTAMOS EM CARECA E GOSTAMOS DE PIRIQUITO” – uma alusão a eleição do nosso candidato ao governo do Amazonas, o careca José Melo e, a nossa preocupação ambiental, com a matança criminosa de centenas de periquitos em frente a um condomínio de luxo em Manaus.

A “Banda de Metais Demônios da Tasmânia” está saindo em frente da Igreja de São Sebastião, trazendo a nossa Porta Estandarte, a Emyle Araújo, a Diretoria da BICA, os bonecos e os foliões para dentro do Bar do Armando, onde serão tocadas muitas marchinhas de carnaval.

Aqui, no Palco Central, teremos a apresentação da bateria do “Grêmio Recreativo Escola de Samba Reino Unido da Liberdade”, que terá como samba-enredo para o desfile no “Sambódromo de Manaus”, o tema “Construção – Obra Prima da Humanidade”.

Depois, entra em campo, o arrumadinho “Cauxi Eletrizado”, formado pelas bandas “Os Tucamos”, Alaidenegão e “Cabociolo” - e, para finalizar, teremos a Banda do Adal da Silva Deus Te Abençoe”.

A nossa BICA surgiu em fevereiro de 1987 – era apenas uma brincadeira que reunia senhores de cabelos grisalhos, pessoas do povo, doutores do judiciário, desocupados, jornalistas, poetas, músicos, estudantes e professores de filosofia do “CAUA” da Universidade do Amazonas.
Ela foi criada aos moldes da “Banda de Ipanema”, do Rio de Janeiro, com banda de metais e dos carnavais do Recife, com os bonecos gigantes.

Hoje, com vinte e oito anos de apresentação, a nossa BICA se consolidou, fazendo parte do calendário cultural da cidade de Manaus.

Desde o ano passado, a BICA possui um novo formato, com grades de proteção desde a Rua Libânia até a Avenida Eduardo Ribeiro, contando com barracas credenciadas, deixando muito espaço para vocês se divertirem a vontade.

O espaço é dotado de dezenas de banheiro químicos, colocados estrategicamente ao lado da Igreja de São Sebastião, Praça de São de São Sebastião e Teatro Amazonas, como forma de atender aos nossos “Biqueiros” e, preservar os nossos monumentos históricos.

Agradecemos de coração o apoio do Governo do Estado do Amazonas, através da Secretária de Cultura, Polícia Militar, Policia Civil e Corpo de Bombeiros e, da Prefeitura de Manaus que, através de várias secretárias, autorizou a realização desse evento.

Para segurança dos nossos foliões, contamos com a colaboração de vários seguranças contratados e, por militares da nossa policia militar do Amazonas, para coibir brigas, furtos e danos ao patrimônio público.

Pedimos a colaboração de todos - vamos cuidar com carinho da Igreja de São Sebastião, do Teatro Amazonas, da Praça de Sebastião e todo o seu entorno.

Esses bonecos que estão em frente ao palco possuem estórias. Irei falar um pouco sobre eles:

Segundo o nosso “biqueiro” Simao Pessoa “A Banda possui (ou deveria possuir) 12 bonecos: Armando, Deocleciano, Petrolina, Frei Fulgêncio, Felix Falois, Celeste Pereira, Lurdes Soeiro, Charles 5 Estrelas, Antônio Paula Graça, Eliezer Leão, Nestor Nascimento e Alberto Aleixo – desses dozes, somente resistiram ao tempo o Armando, Dona Lourdes, Petrolina e o Deco (ficam no Bar do Armando), além do Charles Stones e do DoutorEliezer Leão Gonzales Gonzales (ficam no Bar Cinco Estrelas, na Avenida Getúlio Vargas)”

ARMANDO
Armando Dias Soares, nasceu em Coimbra, Portugal, mudou-se para Manaus na década de 50, veio com a intenção de trabalhar com o seu tio Armindo Dias, proprietário da Casa Dias, na Rua Luiz Antony e, da Casa Renascença, na Avenida Joaquim Nabuco. O Armando conheceu a portuguesa Lourdes Soeiro, foi amor a prima vista, casaram e foram trabalhar juntos no famosíssimo Bar do Armando. 

DECO
Um amazonense dos bons, jornalista, professor universitário aposentado, foi durante muitos anos General da BICA, duas vezes presidente do Sindicato dos Jornalistas, amante da sétima arte e, profundo conhecedor da vida política, social e econômica de Manaus das décadas de 60 a 80.

PETROLINA
A “Petrô” para os íntimos - foi e sempre será a nossa Porta Bandeira. Ela é católica fervorosa, assistia à missa todos “os santos dias” na Igreja de São Sebastião e, após a celebração da eucaristia, passava no Bar do Armando, para tomar uma cerveja bem gelado e agasalhar um sanduiche de porco.

DONA LOURDES
Esposa do nosso saudoso Armando Soares – trabalhou durante anos no Bar, ficando por lá até o falecimento do seu amado marido. Ela é muito divertida, esquentada, não levando desafora para casa. Gosta de falar alto e chamar alguns palavrões – apesar disso, todos os frequentadores do bar a admiravam e se divertiam muito com a forma de ser.

Para o carnaval do 2015, os bonecos da BICA passaram por um novo visual – eles foram confeccionados tempos atrás pelo Paulo De Tarso Oliveira "Paulo Mamulengo", da Vila de Paricatuba, em Iranduba – o novo figurino ficou a cargo do figurinista Adroaldo Pereira, sendo a confecção da Cybele Bentes (artista visual e figurinista) - a restauração dos bonecos, ficou a cargo do Diego Batista Gama e Luna Aramais (artistas Visuais).

É isso ai

Postar um comentário