terça-feira, 11 de março de 2014

GRANDE CORRIDA DE CANOAS NA PONTA NEGRA



A canoa é uma pequena embarcação, feita geralmente da madeira Itaúba ou Tauari, movimentada, em sua grande maioria, por remos – por serem muito comuns na nossa região amazônica, os nossos caboclos do interior gostam de fazer corrida de canoas, com a finalidade de recreio e diversão – nos anos setenta, era muito comum as autoridades promoverem esse esporte na Praia da Ponta Negra.

É isso mesmo! A fotografia acima mostra cinco atletas disputando essa corrida na nossa Ponta Negra, exatamente no dia 7 de Setembro de 1974, portanto, vai fazer quarenta anos!

O jornal A Crítica noticiava assim: “Amanhã na Ponta Negra será iniciada mais uma grande corrida de canoas, com o patrocínio e apoio das Forças Armadas e vários órgãos empresarias, bem como do Governo do Estado. Centenas de remadores e muitas beldades já estão inscritos para participarem da maior movimentação do Norte brasileiro. Vai ser uma festa para quem participar de mais essa prova do “esporte dos fortes” e também uma alegria para quem não teve tempo para se escrever, mas certamente irá amanhã a Ponta Negra prestigiar ao espetáculo, que também faz parte dos festejos da Semana da Pátria em nossa capital”.

A corrida daquele tempo foi em evento sério, com o apoio da Marinha de Guerra brasileira (Almirante Márcio Lira), organizada pela Federação Amazonense de Remo (FAR), através do presidente Ícaro Matter Cerqueira.

O Sindicato dos Estivadores participaram com três equipes, com o lema “Turma da Pesada”. O Municipio de Novo Airão (Rubeimar Azevedo Cruz) entrou também na competição, além das equipes do Fast Clube (João Sena), Rio Negro (Enédio), Olímpico, América e Nacional.

As atrações femininas foram as norte-americanas Cryle Evans e Cherry. A dupla paulista Carlos Fernandez e Teru Ioshi chegaram contando vitória.

O bairro de Educandos entrou com uma grande equipe “Os Vaqueiros”, disponibilizou um barco com 200 expectadores da “Cidade Alta”.


Esta postagem foi para mostrar aos nossos leitores o quanto o esporte do remo possui tradição em nossa cidade. Está um pouco esquecido, precisamos urgentemente voltar a praticá-lo na nossa Ponta Negra. É isso ai.

Fonte e fotografia: Jornal A Crítica, de 07/09/1974.
Postar um comentário