quarta-feira, 23 de outubro de 2013

MORAR EM UMA CASA FLUTUANTE: PONTOS POSITIVOS, NEGATIVOS E SAUDADES


Em Janeiro de 2011, fiz uma postagem com o título CIDADE FLUTUANTE DE MANAUS, o Daniel, um dos leitores do BLOGDOROCHA fez o seguinte comentário: “Olá prezado Rocha, seria interessante você fazer uma postagem contando um pouco sobre como é viver num flutuante. Os pontos positivos, negativos, do que você sente saudades, etc. Acho muito interessante essa peculiaridade da região norte. Abraços” – atendendo ao nosso amigo, irei citar apenas alguns pontos:

Pontos Negativos:

Éramos discriminados pelos moradores que moravam na parte de cima da Rua Igarapé de Manaus, pois se achavam superiores aos pobres moradores de flutuantes. As famílias das ruas Huascar de Figueiredo e Lauro Cavalcante, com a grande maioria pertencente à classe média, com belíssimas residências, tinham preconceitos ainda maiores – algumas falavam que morávamos no “bodozal”.

Na enchente, os moradores e animais ficavam “ilhados”, com acesso a terra somente por uma pequena tábua, onde os pequenos e os mais idosos sofriam muito para passar, com risco de queda dentro de rio. Com a água batendo seis meses, havia o apodrecimento mais rápido das toras de sustentação das casas. As crianças que não sabiam nadar eram vigiadas 24 horas por dia, pois corriam risco de afogamentos - sofriam também com o ataque de animais peçonhentos, cobras, jacarés.

Na vazante, os moradores levaram alguns meses para limpar toda a área, pois ficavam muitos lixos (garrafas quebradas, latas enferrujadas, tábuas com pregos, etc.).

Para os moradores que não possuíam luz e água encanada, o sufoco era total, pois tinham que recorrer a lamparinas, candeeiros e lampiões, não podiam ter nenhum aparelho eletrodoméstico em casa – na vazante, os banhos eram feitos em cacimbas ou camburões de metal, com água de beber sendo filtradas em potes, bilhas e filtros de barro.

Os riscos de acidentes eram maiores, com perfurações de pregos e vidros, muitas verminoses nas crianças e com frequentes frieiras nos pés (o famoso mijacão) – os incêndios ocorriam com maior incidência, pois os flutuantes eram construídos de madeira e a cobertura, na grande sua grande maioria, eram de palhas.

Pontos Positivos:

Uma das grandes vantagens, era caso o caboco tivesse algum problema sério com o seu vizinho, bastava pegar o machado e, detonar a corda principal que amarava o flutuante a beira rio, colocar num “barco regional”, pedir para ser puxado e, morar no outro lado do rio. Fácil, não!

Na enchente, o balneário ficava na nossa janela, bastava pular dentro do rio e tomar banho nas águas límpidas daquele tempo bom, não havia poluição, a não ser um “toletão” que vez e outra passava ao largo.

Os barcos regionais ancoravam nos flutuantes, oferecendo a preços mais acessíveis peixes, tábuas, leites e queijos – os passeios pela orla do Rio Negro eram facilitados. Os flutuantes serviam de base para muitos pescadores amadores, era o momento em que os moradores da parte de cima, pediam favor para passar e, respeitavam os moradores da parte de baixo.

Quando o rio secava, os moradores se reuniam e faziam campos de futebol, tendo prioridade para formar equipes e jogar, pois eram os donos da bola, os moradores da parte de cima tinham que pedir para jogar – os campos serviam também para inúmeras brincadeiras infantis, além de ser palco para muita porrada entre a molecada de baixo contra a de cima.

Por morarmos em contato direto com a natureza, dentro do rio, acompanhando todo o processo de enchentes e vazantes, a cobocada tinha mais anticorpos, eram poucas vulneráveis as doenças que acometiam normalmente as crianças “filhinhos de papai” que não pisavam de jeito nenhum num bosteiro.

Saudades:

Sinto saudades de todos os meus colegas de infância do Igarapé de Manaus; das águas do Rio Negro que entravam no nosso igarapé; dos banhos e dos pulos dentro d água da Primeira Ponte; dos meus vizinhos (Pátria, Cleia  Franklin, Neno, Nega e Wanda); da lamparina, do candeeiro e do aladim; do café torrado e pilado que tomávamos no nosso flutuante; das peladas nos campos de futebol de várzea; do nosso querido e amado flutuante; da minha família que morava lá, principalmente dos que já foram para o andar de cima, a minha avó Lídia, do meu pai Rocha e da minha mãe Nely. É isso ai.
Postar um comentário