quarta-feira, 17 de junho de 2015

VOVÔ MUNDÃO


O Zé Mundão tornou-se vovô, quando a filha do meio fez “carreira solo”, emprenhada do boto (mãe sem marido).
Todavia, ser pai da mãe, ou seja, pai duas vezes foi coisa maravilhosa que sucedeu a ele. Ele não leva nenhum cacoete dos avôs de antigamente, pois pertence àquele grupo de homens de meia idade que pinta os cabelos, faz manicure e pedicuro, toma a famosa “azulzinha” para ajudar na “hora agá”. Faz academia e caminhada, utiliza as parafernálias eletrônicas de ponta e usa as mídias sociais e se veste igualzinho aos filhos mais novos.
Muitos casam ou se amancebam novamente, geralmente, procuram mulheres mais novas e, pasme, ainda fazem filhos.
O vovô foi passear na praça com a família e encontra um velho amigo. Com este inicia o bate-papo:
– E ai Bepi, essa é a tua filha?
 – Não, ela é a minha mulher!
– Desculpe, então, esse curumim ai é teu filho?
– Não, ele é o meu netinho mais novo!
– E essa guriazinha, é também tua netinha?
– Não, ela é minha filha mais nova!
– E você, Mundão?
– Tudo na normalidade, essa aqui é a minha filha e a netinha, estou solteiro novamente, tó na área do gol, se aparecer uma gatinha de bobeira, é pênalti!
– Beleza, Zé Mundão! Qual é sua sensação em ser avô?
– Estou adorando, gosto de pegar pelas mãos da minha netinha, passear nas praças e shoppings, brincar na praia, jogar bola e pedalar bicicleta – voltei a ser menino também!
O tempo passa, o tempo voa, as pessoas passam e envelhecem. Zé também entrou nessa fase, porém, continua na ativa, trabalhando por conta própria, pois estava fora do mercado de trabalho em decorrência da idade. No entanto, não pensava nem um pouco em se aposentar.
Apesar das peripécias que realizou na vida maluca que levou, desde a tenra idade, sempre foi uma pessoa que deu muito duro para colaborar no sustento da família, incluindo os netos. Apesar de gostar imensamente do trabalho, ele sabe que daqui mais uns anos as forças cessarão, e terá que parar de qualquer maneira com a labuta.

Para tanto, começou a fazer visitas ao Asilo Dr. Thomas, para conhecer a futura moradia, pois, apesar de possuir família, tem o desejo de um dia morar junto com outros velhinhos, assim como fez um dia seu pai.

Obs. Trecho de um livro que escrevi, mas, não publicado.
Postar um comentário