quarta-feira, 3 de setembro de 2014

O SIGNIFICADO DE 05 DE SETEMBRO PARA O AMAZONAS



O Amazonas (nome em homenagem as mulheres guerreiras, as indígenas icamiabas) era subordinado a Capitania do Grão-Pará (atual Estado do Pará), conseguiu a sua liberdade política através da Lei no. 582, de 5 de Setembro de 1850 (Elevação a Condição de Província do Império do Brasil), por isto é que esta data histórica é tão importante para os amazonenses.


Em decorrência do movimento "Cabanagem" (revolta dos cabanos, fazendeiros e comerciantes do Grão-Pará), ocorrido entre 1835 e 1840, o Amazonas manteve-se fiel ao governo imperial e não aderiu à revolta, como recompensa, foi elevado a condição de Província, tornando-se autônomo em 1850.

Muitas pessoas não sabem o porquê do feriado estadual nesta data, acham estranho o termo “Província”, pois estão acostumados ao “provincianismo”, quando querem se referir aos costumes, modos ou mentalidade imbuída do espírito da província, atraso, ou seja, da Manaus ou Amazonas de outrora.

A palavra é originária do latim provincia, significando uma divisão regional e/ou administrativa. No Segundo Reinado do Brasil (1840, com o início do governo de D. Pedro II e 1889, com a Proclamação da Republica), assim eram chamados as grandes divisões administrativas. Com a implantação da República, em 15 de Novembro de 1889, houve a mudança de Província para Estado.

Na realidade, não se comemora a liberdade do Amazonas do jugo do Estado do Pará, mas, a criação do Estado do Amazonas, na concepção de uma unidade de administração, com vida própria, dona dos seus destinos, com a sua Constituição estadual, evidente, respeitando a Carta Magna e ao federalismo.

Um dos homens que mais lutou para que isso acontecesse chamou-se João Batista de Figueiredo Tenreiro Aranha, a sua majestosa estátua encontra-se na Praça da Saudade (foi originalmente fixada na Praça Tenreiro Aranha, conhecida como Praça do Índio) e emprestou o seu nome ao município de Presidente Figueiredo (o Presidente da República Figueiredo não aceito a homenagem), sendo uma justa homenagem ao 1º. Presidente (atual Governador) da Província (atual Estado) do Amazonas.

Ele governou de 1º. de janeiro de 1852 a 27 de junho de 1852, ficou doente e foi exonerado - vitima de um incêndio em seu dormitório, veio a falecer em Belém, em 19 de janeiro de 1861; dizem que enlouqueceu. O Jornal do Commercio, na edição especial de aniversário da cidade de Manaus, publicou a biografia do Tenreiro Aranha. Está na minha postagem:
http://jmartinsrocha.blogspot.com.br/2009/12/joao-batista-de-figueiredo-tenreiro.html?spref=bl

Por estarmos na “Semana na do Amazonas”, os estudantes devem estudar sobre os símbolos do Amazonas: Bandeira, Brasão, Hino, Ordem do Mérito, Insígnia do Governador e Leis e Decreto.

O Brasão mostra a confluência dos Rios Negro e Solimões. O Hino é uma bela composição do Jorge Tufic, musicado pelo famoso maestro Cláudio Santoro.

Agora, com relação a nossa Bandeira, apesar das cores branca e azul, colocaram o vermelho, representando o sangue do combate amazonense, em 1897, em Canudos; apresentando também 25 estrelas prateadas, representado os municípios existentes naquele ano, ficando parecida com a bandeira dos norte-americanos – precisa ser mudada, acrescentando o verde das nossas matas e, tirando o vermelho de sangue!

Então, Viva 5 de Setembro, o Dia do Estado do Amazonas! É isso ai.
Postar um comentário