quarta-feira, 17 de setembro de 2014

AMENIDADES EM MESA DE BAR


Depois de um dia árduo de trabalho e/ou estudos, nada mais salutar do que encontrar com os amigos numa mesa de bar e, bater um papo sobre temas leves, agradáveis e prazerosos, principalmente, sobre assuntos e pessoas que nos fazem dar gargalhadas.

Num sábado quente de Manaus, passei rapidamente no Bar Cipriano, na esquina da Rua Ferreira Pena com a Rua Airão, onde tive a oportunidade de conversar com alguns amigos.

Este boteco é um dos mais tradicionais de Manaus, com mais de 50 anos de estrada, famoso por servir uma cerveja bem gelada, boa musica e petiscos deliciosos – um dos donos, o Francisco Cipriano, conhecido como “Patico”, de 67 anos, sofreu ano passado um AVC, mas, continua na labuta - ficou com sequelas na fala, não o permitindo mais “jogar conversa fora” e dar gargalhadas com os fregueses.

Encontrei com os seguintes colegas: Dr. Eliezer Gonzalez, um renomado advogado trabalhista e professor da UFAM – Francisco Português, empresário do ramo de estética; ele já foi gerente do Bar do Armando – Paulo Roberto, paraense de Santarém, comerciário e morador do Bairro do Céu e Leandro Grande Circular, vendedor de discos, conhecidíssimo nos botecos de Manaus.

Pois bem, nesse dia, o Francisco Português, lembrou de algumas postagens engraçadas que publiquei no blog – falei que gosto de escrever sobre coisas leves, onde carrego no amazonês, em gírias e até palavrões, muito diferente quando faça algumas pesquisas sobre a nossa Manaus antiga, onde procuro caprichar na escrita.

O Dr. Eliezer, falou um pouco sobre o Charles Cinco Estrelas, proprietário do Bar 5 Estrelas, situado na Avenida Getúlio Vargas – ele ficou famoso em tempos passados, por ter sido o mais engraçado e esperto garçom do Bar do Armando.

Depois, comentamos sobre o Paulo Mamulengo, um paraibano morador da Vila de Paricatuba, em Iranduba – ele é polivalente, sendo o responsável pela confecção dos bonecos da Banda Independente da Confraria do Armando (BICA), Banda Cinco Estrelas e da Malhação de Judas do Bar Cipriano.

O Leandro Grande Circular, lembrou da Dona Lourdes, viúva do Armando Soares, dono do Bar do Armando – essa senhora tinha um jeito “todo especial” de atender aos clientes, motivos de muitas risadas - com a nova administração, ela ficou afastada do atendimento.

Por falar em Dona Lourdes, lembrei de tempos passados, quando frequentava em peso o Bar do Armando. Certa vez, ela me falou:

- Porra, Rochinha, o teu pai era muito diferente de você, ele gostava de tomar umas cervejas no balcão, era muito educado, não falava alto e somente conversava com quem puxava papo com ele. Agora, o filho é doido, fala alto, conversa com todo mundo e fala um monte de besteiras! Mas eu gosto de você, mesmo assim!

Pois é, muito tempo atrás, eu gostava de “papo cabeça”, falava sobre o espaço sideral, psicologia, administração e outros assuntos sérios. Eu era um chato de carteirinha, achava que sabia de tudo - até as gatinhas fugiam de mim com o meu papo quadrado.

Com o tempo, mudei da água para o vinho: passei a falar somente sobre amenidades em mesa de bar! É isso ai.
Postar um comentário