terça-feira, 10 de dezembro de 2013

POUCAS & BOAS

A EMOÇÃO - Quando eu ia aos estádios (Vivaldão e Colina) sempre torcia pelo meu time Fast Clube, não gostava nem um pouco quando ele perdia, é claro!. A última vez, foi numa decisão do Campeonato Amazonense entre o time do Holanda (do município de Rio Preto da Eva) e do Fast Clube (Itacoatiara), a peleja foi em 2008. Fui com uma turma do Bar Caldeira (Miudinho, Adriano Cruz e outros), mas, apesarda derrota do nosso time, tivemos a felicidade de reencontrar com o Marinho Macapá (ele era treinador de goleiros do Holanda) e, tomamos todas! Curti bastante aquele dia, pois, foi a minha despedida do Vivaldão e do futebol em geral. A partir daí, não senti mais nenhuma emoção em assistir qualquer partida de futebol (mesmo gostando do Flamengo), com exceção dos jogos da Seleção Canarinho, em 2010. Espero que essa emoção volte em 2014 e, quem sabe volte ao Campo da Colina e da nova Arena da Amazônia. Será que vai voltar a emoção? Sei, não!

TAQUI PRÁ TI - O repórter do jornal "Daily Mail" ao sacanear com Manaus, esqueceu de informar também o "perigo" com que as mulheres ingleses possam ter aqui:
1. Serem emprenhadas pelos "Botos Tucuxi" no Encontro das Águas;
2. O tamanho do "Mangará" dos manauaras é de arrebentar qualquer uma;
3. Não provar do Tacacá, do Suco de Graviola e, nem pensar em comer um Jaraqui com Baião de Dois, pois, podem pegar paixonite e, ficar em Manaus por uns dois anos;
4. O Rio Negro, o Por do Sol, as praias do Tupé, da Lua e de Paricatuba, os passeios pelas Matas e Igapós, poderão ser afetadas por amnesias e, esquecerem a fria cidade de Londres.

CUSPINDO NO PRATO QUE COMEU - Os ingleses construíram as galerias de esgotos, o Porto de Manaus, os trilhos e os bondes, a Ponte dos Bilhares, a Ponte de Ferro, o Mocó e muitas outras coisas, ganharam muita grana com o látex e, depois de mais de um século, cuspiram no prato que comeram.
Cara, não tenho grana para comprar os ingressos da Copa do Mundo, mas, vou fazer a maior zoada contra os treinos e no hotel em que ficará a equipe da Inglaterra. O treinador dessa equipe falou mal do Manaus e, o Prefeito Arthur Artur Neto deu o troco, falou que não queria eles aqui, mas, foram sorteados. Eu acho é pouco! Bem vindos a Croácia, Camarões, Itália, Suíça, Honduras, Portugal e Estados Unidos!

BONECO NEGÃO DO PAULO MAMULENGO:
- Negão, dá um bom dia para a gurizada.
- Bom dia molecada! Escreveu não leu, o pau comeu!
- Negão, nada de palavrão, vamos respeitar! Vamos falar sobre coisa séria e que possa ser útil para a garotada.
- Na hora!
- Em quantas partes se dividem o corpo humano?
- Depende da porrada!
- Negão, me diga, como se chama 24 em inglês?
- Twenty four.
- Muito bem! E em português?
- É viado mesmo!
- E 99 em japonês? Agora eu quero ver!
- kuazi xein!
- Negão, olha quem acaba de chegar!
- Quem é o filho de rapariga que está chegando atrasado?
- Deixe disso, Negão, o cara é o Muniz, o Prefeito da cidade.
- Aquele que rouba o dinheiro da merenda da escola das criancinhas de Paricatuba?
- Negão, deixe disso, o homem rouba, mas faz!
- Ele tá cheio de processo nas costas.
- Negão, assim você me ferra - sou merendeiro da escola e ele pode suspender o meu pagamento!
- Não tô nem ai!
- Negão, sou teu patrão, se eu ficar desempregado, estaremos na pior!
- Eu é que sou o teu padrão, sem o meu trabalho, não roda o chapéu, nem com nojo!
- É por falar em chapéu, vou passar agora, será que o prefeito vai dar uma nota de cemzinho?
- Esse miserável ai só dá grana prás negas dele!
- Agora, negão, você me ferrou vez. Fui!

JÁ ERA O SEMINÁRIO SÃO JOSÉ - O negão Amazonino Mendes quando era curumim, ficou no internato do Seminário São José, em Tefé, depois, foi governador várias vezes e, nada vez pela revitalização desse patrimônio. Agora que está fora do governo, manda publicar no seu jornal (o dono oficial é o Super Laranja) uma matéria completa, tentando sensibilizar o Robério Braga e o Omar. Tarde demais!


BIG BEN BARÉ - A cada hora, o relógio emitia um som cativante, apelidado carinhosamente pelos manauenses de “Big Ben”, uma alusão ao famoso relógio inglês. A peça que produz a “batida” está quebrada; o conserto está a cargo da família Sahdo, permissionária de uma loja de venda e consertos de jóias e relógios, estabelecidos no local faz algumas décadas.
O Relógio continua "mudo" é uma pena! Foram tantos esforços dos nossos antepassados, no sentido de dotar a nossa cidade do melhor e maior relógio público da região norte, deixaram um maravilhoso exemplar para ser admirado até hoje, porém, os prefeitos de Manaus nada fazeram para mandar consertar a tal peça defeituosa, a responsabilidade não é da família Sahdo, mas sim, do poder público municipal, pois o relógio é público, pertence a todos os manauenses. Com a palavra o Arthur Artur Neto!

É isso ai.
Postar um comentário