terça-feira, 2 de julho de 2013

QUADRO “LEI ÁUREA” DO AURÉLIO DE FIGUEIREDO - BIBLIOTECA PÚBLICA DO AMAZONAS


O estudante, pesquisador, visitante ou turista ao entrar na Biblioteca Pública do Amazonas, depara-se com uma magnífica escada em forma de caracol e, bem no seu meio, fica maravilhado com um imenso quadro do pintor, caricaturista, escultor e escritor Aurélio de Figueiredo (Areia/PB: 1854 – Rio de Janeiro/RJ: 1916) um óleo sobre tela denominado “A Lei Áurea” – tratando da emancipação total do elemento servil no Estado do Amazonas, em 10 de Julho de 1884.

Segundo os historiadores, esse quadro foi encomendado por volta de 1888, pois o Amazonas foi o segundo a abolir a escravatura (o primeiro, foi o Ceará, em 25 de Março de 1884), tendo uma grande repercussão no Brasil, desencadeado mais tarde pela Lei de 13 de Maio de 1888, promulgado pela Princesa Izabel.

Para quem não sabe - a Rua 10 de Julho, no centro antigo de Manaus, o seu nome foi em homenagem a esta data tão importante para o Amazonas: a libertação dos escravos.

Segundo estudos da professora Luciane Páscoa e da pesquisadora Mikelane do Carmo “A Lei Áurea trata-se de uma obra alegórica (personagens simbólicos) e seu estilo pode estar relacionado ao neo-maneirismo e ao neo-barroco, devido às cores vibrantes e a disposição com que às personagens são colocadas na tela. Não há uma divisão definida de planos, mas, pode-se notar uma divisão principal em simbologia a dois mundos: O lado esquerdo retrata os fatos relacionados à escravidão e sua emancipação: Ambiente com pouca iluminação, como se fosse um fim de tarde na mata. Aparentemente trata-se de uma fortaleza em ruínas (possivelmente uma referência ao Forte de São José da Barra do Rio Negro), que pode estar representando uma estrutura de poder desgastada, um mundo arruinado e em decadência, abrangendo as questões nacionalistas e republicanas; a presença do elemento indígena, cafuzo e negro, vestidos e ornados com cocares, flechas, etc. Do lado direito, está à visualização desse novo mundo cheio de perspectivas e novidades em toda área da ciência e vida humana, há muita movimentação e vários personagens: parece ser um altar de glorificação às Artes e à Liberdade, representadas pelas alegorias da Pintura, Música, Escultura e Poesia. A liberdade pode ser representada através dos nus. Representação também da Ciência, Indústria, Comércio, imprensa, e muitos outros elementos que compunham uma realidade totalmente diferente de tudo o que o negro tinha vivido motivo pelo qual tanto chamava sua atenção”.

A Biblioteca passou mais de cinco anos em reformas e, este quadro teve um carinho todo especial por parte dos restauradores, tanto  que não foi possível retirá-lo do local, pois é  pesado demais e imenso - foi montado todo um aparato para os técnicos trabalharem junto a ele.

Na realidade, não existe muitas informações sobre este quadro, pois na madrugada do dia 22 de agosto de 1945, a biblioteca sofreu um grande incêndio, destruindo quase todo o seu patrimônio.

Ele é também conhecido como "Redempção do Amazonas", com a dimensão de 665cm x 365cm, instalada na posição atual possivelmente desde 1907, com a moldura em madeira talhada e policromada na dimensão de 7,20m x 4,20m - possui uma placa indicativa do nome da obra e das razões de sua criação, com o brasão da República ao centro superior. É isso ai.


Foto: Rocha
Postar um comentário