sexta-feira, 3 de junho de 2011

AS PEDRAS DE LIOZ

As calçadas da Manaus antiga eram feitas com as Pedras de Lioz, chamadas assim porque foram trazidas de Portugal, da vila que lhe empresta o nome.

Segundo os historiadores "Os navios de arribação colonial chegariam vazios se não trouxessem pedras em seus porões, flutuariam sem lastro, pois levavam mais do que traziam".

Hoje ainda encontramos essas pedras no entorno do Teatro Amazonas, Palácio da Justiça, Palácio Rio Negro, Mercado Municipal, Prefeitura de Manaus, Igreja dos Remédios e, em algumas ruas do centro de Manaus.

Segundo o geólogo Frederico Cruz, não existem informações sobre a localização das jazidas de onde foram retiradas, mas provavelmente ficavam em regiões banhadas no passado por grandes mares. Explica também que tanto mármores quanto calcários são formados por sais marinhos, sendo que os primeiros foram submetidos a grandes temperaturas, provavelmente por terem entrado em contato com lava vulcânica.

“É por isso que os mármores têm essa aparência vítrea e lustrosa, diferente das pedras calcaria que são mais opacas, o aquecimento dessas pedras também fez com que a forma circular dos estromatólitos ficasse deformado, mas internamente permanecerem intactas, sendo um campo de estudo valiosíssimo para paleontólogos, poucos lugares do mundo têm isso”, diz Fred.

O ilustre pesquisador foi contratado pela PMM, na gestão do Serafim Corrêa, para assessorar os técnicos que estavam reformando o Paço da Liberdade (antiga sede da Prefeitura), para indicar qual a outra pedra que poderia substituir as pedras de Lioz que estão bastante desgastadas.

Ele conta que ao fazer um exame químico com ácido clorídrico na amostra colhida na praça, a área avermelhada não regia, enquanto a borda, clara, reagia, como era de se esperar de um pedaço de calcário, explica o geólogo. “Levei a amostra ao microscópio e descobri o estromatólito, além do valor histórico, agrega um valor turístico e paleontológico, portanto, essas pedras não podem ser retiradas dos locais”.

O jornal “A Crítica fez” uma reportagem com o pesquisador em 2004 e, chegaram a este fabuloso achado, segundo o repórter, “as pedras de Lioz usadas no calçamento de boa parte do Centro histórico de Manaus, esconderam por dois séculos um tesouro paleontológico raríssimo, são estromatólitos, estruturas organo-sedimentares que serviam de casa para algas cianofíceas, os primeiros seres vivos a habitar a Terra, há aproximadamente 3,5 bilhões de anos”. “Estas descobertas agora, contudo, são do período paleozóico, entre 800 milhões e 200 milhões de anos atrás”, explica o geólogo.

Recentemente, estive conversando com o médico amazonense Rogélio Casado, o nosso papo não girou sobre a psiquiatria, mas, essencialmente sobre a nossa cidade que tanto amamos – neste dia, conversamos sobre o calçamento de Manaus. Muitas pessoas nem tem a menor idéia da importância e do valor histórico das “Pedras de Lioz”, alguns até jogam cimento em cima delas, que horror!

A partir de agora, todos tem o dever de respeitar mais o antigo calçamento da nossa cidade, pois ali guarda um grande tesouro: estão dentro das pedras as “algas cianofíceas”, uns dos primeiros seres vivos a habitar o planeta Terra! É isso.
Postar um comentário