sexta-feira, 11 de janeiro de 2008


Um filho da Pátria corrompido (Gabriel O pensador)
Aí! Ô, ô, ô! /(Eu?) /Tu é brasileiro cumpade? /(Sou)/Tem certeza? /(É, ofcourse!) /Então porque que tá com essa camisa aí? /(É porque eu gosto, eu gosto muito dos Estados Unidos! /Eu adoro hot-dog, rock'n roll, rap...) /Ahhh... Tu gosta de rap? /(Rap? Oh yeah, yeah!) /Que bom! Então escuta esse negócio aqui! Presta atenção! Quando eu vejo um filho da pátria com a camisa dos Estados Unidos /Eu fico puto, eu fico louco, eu fico logo mordido /Porque se fosse um americano eu já não ia gostar /Mas o pior é brasileiro quando cisma de usar /Uma jaqueta ou uma camiseta com aquela estampa /Daquela porra de bandeira azul vermelha e branca! /Eu não suporto ver aquilo no peito de um brasileiro/Me dá vontade de manchar tudo de vermelho /Vermelho sangue /Do sangue do otário /Que não soube escolher a roupinha certa no armário /E saiu de casa crente que tava abafando /Eu vô tentar me segurar mas eu num tô mais agüentando! /Quando eu vejo um filho da pátria com a camisa dos Estados Unidos /(Cores dos States com as estrelas e as listras) /Quando eu vejo um filho da pátria com a camisa dos Estados Unidos /(Não somos patriotas nem nacionalistas) /Quando eu vejo um filho da pátria com a camisa dos Estados Unidos /(Como o Tio Sam sempre quis)/Quando eu vejo um filho da pátria com a camisa dos Estados Unidos /(Amigo vai nessa que tu tá é fudido) /(Ué? Mas você não gosta de americano não cara?) /Não é isso. Por mim não devia nem existir fronteira /Mas já que existe... Então vamos usar a nossa bandeira! /E ele saiu de casa crente que tava abafando /E eu fico puto, eu fico triste, eu fico quase chorando /De pena, de raiva, de tristeza, de vergonha /Quando eu vejo esses babacas esses panacas esses pamonhas /Que têm coragem de ir pra rua com um boné ou camiseta /Com as cores da bandeira mais nojenta do planeta! /Tem azul com estrelinha, tem branquinho e tem vermelho /O filho da pátria é burro, cego ou a casa dele não tem espelho? /Eu acho que é burro mesmo, coitado! /Sem rumo, sem governo totalmente alienado /Bitolado, do tipo que acredita no enlatado /Que passou no Supercine desse sábado passado /Eu tento me controlar, conto até dez respiro fundo /Ô filho da pátria é assim que você pensa que vai chegar no mundo? /Vestindo essa bandeira de outro povo/ Vestindo essa roupa escrota de submisso baba-ovo! /Que vergonha, que vexame, que tragédia que fiasco: /O enforcado desfilando com a bandeira do carrasco! /Condenado, parece que merece a morte Me enraivece um colonizado usar a bandeira da metrópole!/E não espere eles invadirem a Amazônia /Pra saber que não passamos de uma mísera colônia /Em pleno século vinte e um, beirando o ano dois mil /Por essas e outras devemos usar a bandeira do Brasil! /E lutar por um país fudido no quadro internacional /Tira a camisa dos Estados Unidos seu débil mental! Quando eu vejo um filho da pátria com a camisa dos Estados Unidos /(Cores dos States com as estrelas e a listras) /Quando eu vejo um filho da pátria com a camisa dos Estados Unidos /(Não somos patriotas nem nacionalistas) /Quando eu vejo um filho da pátria com a camisa dos Estados Unidos /(Como o Tio Sam sempre quis) /Quando eu vejo um filho da pátria com a camisa dos Estados Unidos /(Amigo vai nessa que tu tá é fudido) E aí tá gostando mané? /(Ah, tô meio indeciso!) /Pra evita qualquer tipo de mal entendido/Eu chamei um amigo meu americano pra falar sobre isso /(I'm an american and I'm proud of my flag /But Gabriel is my friend and I understand what he said /You gotta have personality keep your own nationality /Look at yourself try to live your reality /And maybe we will all have just one nation some day /But now use your own flag let me be U.S.A. /Each one has his own country but life is way above /We ain't talking about hate It's all about love...) E agora entendeu? /(Ó, não entendi não, mas eu achei muito bonito em inglês!/Os Estados Unidos é perfeito, é perfeito, eu adoro!) /(Não seja um imbecil meu irmão) /Amigo cê tá perdido enganado iludido /Já devia ter sabido o que são os Estados Unidos /Um país infeliz o mais hipócrita da terra /Malucos suicidas e imbecis que adoram guerra /Misturados num lugar cheio de farsa e preconceito /Me diz porque essa merda de bandeira no seu peito? /O quê que cê quer dizer quando veste uma camisa /Exaltando as belas cores dos opressores que te pisam? /O quê cê quer passar pra pessoa que olhar /Pro seu peito e num entender de que lado você tá? /Mas não precisa responder você tá do lado de baixo /Você é uma fêmea no cio e o Tio Sam é o seu macho /Você é o capacho dos norte-americanos /Por isso ainda acho que existe algum engano /Porque eu não me rebaixo a passear vestido /Com a roupa do inimigo: os Estados Unidos. /(Aí ô Gabriel, Gabriel, até que eu gostei dessa música aí .Mas eu acho que você tá exagerando, é ofensa! Chamar de inimigo!) /Ofendendo eu não tô não cumpade, é uma metáfora, é maneira de dizer /(Não tá sim, tá sim, isso é preconceito seu aí, é preconceito!) /Meu amigo eu já disse que eu não tenho preconceito /Agora se você não entendeu... então fuck you, mother fucker /(Como é que é? Peraí ô Gabriel! Gabriel! /Que que ele disse brother? Que que ele disse?) /(Ele disse pra você tirar essa camisa ridícula imbecil!)
Postar um comentário