terça-feira, 15 de janeiro de 2008

BANDA DA BICA, foto Rogelio Casado



BANDA DA BICA

Freqüento o Bar do Armando faz uma década; fui convidado pelo meu amigo Anchieta para fazer parte da diretoria da BICA em 2003. Com a colaboração do poeta Marcos Gomes, montamos o “home theater” do portuga (um estante comprada na loja de moveis usados + 1 aparelho de som 3 em 1 dos anos 70 + discos vinis jogados no lixo pela Radio Difusora e das doações feitas pelos amigos), desde então nos deleitamos com os sons dos DJ Rochinha, Marcos Gomes e Trindade.
No carnaval, colaboro na segurança da nossa eterna rainha Petrolina e na organização dos desfiles dos bonecos gigantes (Armando, Dona Lourdes, Deco, Petrolina, Cocota, Charles 5 Estrelas, Maluco Guarda de Transito, Montanha e Salinac), todos confeccionados pelo Mestre Paulo Mamulengo, revitalizados anualmente pelo Mestre Louro.
A escolha da marchinha da Bica dos últimos anos foi sempre marcada por disputas nos “esquentas” que antecedia a saída da banda (sábado magro de carnaval); a primeira classificada ia para os estúdios de gravação, acrescentando as composições dos anos anteriores; geralmente a segunda classificada era também gravada às expensas dos próprios compositores, todas eram tocadas no dia da saída da Banda.
Este ano, foi resolvido que não haveria disputas, a ala dos compositores do outro mundo mandaria a versão “oficial”, assim foi feito! Ficou aberto para os compositores daqui da terra fazerem as “genéricas”, também foi feito! Portanto, todas terão o seu lugar ao sol e/ou chuva (sempre chove no dia da BICA!). O importante será mantermos a nossa tradição, sem dar bola para o axé music, pagode e toada de boi, que tomam conta dos carnavais de rua de Manaus.
Postar um comentário