terça-feira, 22 de janeiro de 2008

REFORMA DO MERCADO MUNICIPAL, foto coleção Jorge Heran





O início das obras de restauração e adaptação das instalações do centenário Mercado Municipal Adolpho Lisboa, no Centro de Manaus, tem revelado verdadeiras preciosidades do patrimônio arquitetônico da cidade. A cada dia, os técnicos responsáveis pelo restauro do Mercadão, como popularmente é conhecido, surpreendem-se com as descobertas feitas naquela relíquia do Império. São janelas de ferro emparedadas ao longo das intervenções sofridas no século passado, escada de mármore, óculo (janela circular destinada à passagem de ar e de luz), gradis, “sino da creolina” e treliças de encaixe de boxes nas 28 colunas de ferro fundido do pavilhão central. Até duas cobras foram encontradas.
De acordo com o arquiteto Roger Abrahim, autor do projeto de restauração e adaptação das instalações do mercado, o restauro busca valorizar as características originais do prédio e adaptá-lo para que funcione como um mercado moderno, salvaguardando esse patrimônio histórico-cultural do povo amazonense. “O projeto faz adaptações para que o ‘Adolpho Lisboa’ funcione como um mercado moderno mas tomando os cuidados necessários para valorizar a estrutura do prédio. Tudo o que for possível restaurar, será restaurado, e o que não for, será recuperado”, destacou Abrahim.
O investimento de R$ 5,3 milhões na restauração do mercado é resultado de convênio entre a Prefeitura de Manaus, sob a responsabilidade da Fundação Municipal de Turismo (Manaustur), e a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). A previsão da Prefeitura é entregar o mercado no final do primeiro semestre de 2008. E a proposta é valorizar a arquitetura, a história e a cultura registradas no mercado no decorrer dos anos tanto nos elementos físicos quanto na memória de quem vive diariamente o Mercadão: os permissionários. “Com o restauro, queremos melhorar
Postar um comentário