sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

SHOWS DO VINÍCIUS DE MORAES EM MANAUS.


Era uma manhã de quarta-feira, 11 de Setembro de 1974, véspera do meu aniversário de 18 anos - eu era um fã de carteirinha do cantor, poeta e compositor Vinicius de Moraes e, por pura coincidência, aterrissa no Aeroporto Internacional de Ponta Pelada, um avião Boeing 737 da Cruzeiro do Sul, desce as escadas e, encontra-se com o radialista Joaquim Marinho, divulgador, no Amazonas, da gravadora Phillips – era o “Poetinha” trazendo a tiracolo o seu parceiro musical, o Toquinho.

No saguão do aeroporto, fez a seguinte declaração aos jornalistas “A programação vai ser bem pequena, mas, será uma oportunidade ao povo manauara de me conhecer bem nessa minha primeira viagem a Manaus” - aliás, foi a primeira e única, pois ele veio a falecer seis anos depois.

No dia anterior, tinha chegado a Manaus o grupo vocal “Quarteto em CY”, na época, era formado pelas cantoras Cyva, Cynara, Dorinha e Sonya, elas tinham o apoio do Vinicius de Moraes desde a sua formação em 1964 e, sempre viajavam com o cantor para as suas apresentações.

Ficaram hospedados no Flamboyant Hotel, na Avenida Eduardo Ribeiro (em frente ao Ideal Clube) – no dia seguinte, 12 de setembro, houve um coquetel às 18 horas, promovido pela gravadora Philips, onde os jornalistas foram convidados para uma entrevista coletiva com os artistas.

Na sexta-feira a tarde de 13 de Setembro, o Vinicius de Moraes resolveu bater o ponto no bar mais tradicional de Manaus, o Bar Caldeira, onde tomou todas em companhia do vereador Fábio Lucena, o professor Valdir Garcia, o radialista José Maria Pinto, Tapinha e outros boêmios – ele gostou tanto do boteco que deixou para a posterioridade um bilhete “Declaro, proclamo e assino que nesta sexta-feira, 13 de mês de Setembro de 1974 estive no “Caldeira”, na boa e carinhosa companhia dos maiores boêmios de Manaus. E adorei. Vinicius de Moraes, 13.9.74”.

Na parte da noite, fez o primeiro show em Manaus, o evento foi na sede social do Atlético Rio Negro Clube, com início às 24 horas - o próprio artista declarou numa entrevista que, este show não foi muito empolgante


No sábado pela parte da tarde, dia 14 de Setembro de 1974, participou juntamente com as baianinhas do Quarteto em Cy, do programa “Nosso Encontro” (até hoje no ar), da Baby Rizzato – as gravações foram ao ar somente às 21 horas de segunda-feira, na TV Baré (extinta) – segundo a apresentadora, o tema principal não foi a música, mas, o amor – pois o homem era um considerado “um pegador” inveterado, além de ter casado nove vezes.

Pela parte da noite, fez o segundo e último show em Manaus, destinado exclusivamente para os universitários amazonenses - foi no Ginásio do Olímpico Clube, com duas horas de apresentação – além de várias músicas de sua autoria apresentou também de outros compositores, tais como “Poema”, de Pablo Neruda. Encerrou a noitada com a música “Samba da Benção”.

Esta postagem é em homenagem ao meu irmão Rochinha, aos amigos Rony (empresário), Jesus (engenheiro da Eletrobras), Kaiser (da Manaus Energia), Dólar Furado (amigo da família Sarney), Paulinho Charles Bronson (empresário) e ao Carbajal (administrador do Bar Caldeira) – em decorrência de termos passado, ontem, um Happy Hour” no Bar Caldeira, admirando uma enorme fotografia do Vinicius Moraes em Manaus. É isso ai.  


Fonte: Jornal "A Crítica" (jornais antigos da Biblioteca Pública do Amazonas
Fotos: Idem e acervo Bar Caldeira.
Postar um comentário