sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

CABARÉ


Como todos sabem, o termo cabaré vem do francês Cabaret, um estabelecimento de diversões muito popular na França da Belle Époque, onde se dançava, bebia e assistia a apresentações sensuais de go-go-girls (dançarinas) – a nossa Manaus de antigamente já teve os seus cabarés e, atualmente, mantém a tradição, mas, com outros nomes.
Um turista que passar pela Praça D. Pedro II, centro antigo de Manaus, pode notar um prédio antigo de dois andares, abandonado e tomado pelo mato, não pode imaginar que ali já fora um hotel de luxo, conhecido como Hotel Cassina.
Os barões da borracha apostavam grandes fortunas - era um espaço de diversão das elites, um conjugado de “dancing”, bordel e casino - a prostituição corria solta, com belas mulheres “cocotes” francesas e polonesas, bebiam conhaque, champanhe e vinhos finos, com tudo do bom e do melhor! Com a ruína dos seringalistas, passando a ilusão do fausto, aquele lugar passou a chamar-se “Cabaré Chinelo”.
Muito tempo depois, os cabarés passaram a ser chamadas de “Puteiros”, porém, com a mesma receita: música/dança/bebida/sexo – ficavam mais afastados do centro da cidade – eram conhecidos como “Lá Hoje”, “Iracema”, “Rosa de Maio”, “Saramandaia”, “Verônica”, dentre outros.
Tempos depois, voltaram para o centro da cidade, sob o nome de Casa de Striptease, com as mulheres dançando e tirando a roupa em público, além de muita música, bebidas e fornicação total.
Piadas (manjadas) de Cabaré – para relaxar:

·         PRÁTICO X APERTADA - Um caboco fluvial estava seis meses trabalhando duro nas embarcações que singram os rios do Estado do Amazonas – o coitado estava “na pedra”, morto de atrasado todo esse tempo – foi até o cabaré “Remulos” para descarregar.
A primeira mulher que ele viu, deu logo em cima:
- Maninha, tú és apertada?
- Sou a-per-ta-dis-si-ma! – respondeu na maior
- E o que você faz? – inquiriu a jovem
- Sou prático, conheço os rios do Amazonas como a palma da minha mão e oriento os comandantes a navegarem por esse mundão afora!
- Então, vamos nessa, prático?
Quando começou a peleja, o fluvial sentiu que tinha metido no vácuo, ficou injuriado e reclamou:
- Porra, tu falou que era apertada, nem parece, acho que o teu medidor de quilometragem de estrovenga já zerou várias vezes!
- E tu, caralho, não és prático! Leva para a beira, só quer ficar ai parado no meião do Rio Amazonas!

·         SHOPPING VERÔNCA - Um frequentador da velha guarda caldeirense (Bar Caldeira) após tomar várias “ampolas de loiras geladas”, pediu ao dono do estabelecimento para chamar um taxista “jacaré” que fazia ponto no local – quando o motora chegou, deu logo as ordens:
- Valderi, mano velho, me deixa lá na “Verônica”.
- Caramba, doutor, a Verônica não existe mais, fechou as portas na década de setenta!
- Existe sim, os jovens é que gostam de chamar de “Millennium”, mas para mim continua sendo o mesmo puteiro!
(o shopping millennium foi construído no mesmo local onde funcionava o lupanar Verônica).

·         O PRIMEIRO MOTEL DE MANAUS - Um cearense “cabra da peste”, montou um negócio lá pelas bandas do bairro do Educandos, na Baixa da Égua – o seu forte era a venda de gás de cozinha – afixou uma placa numa mangueira frondosa “VENDE-SE GÁS”.
À medida que ia prosperando, reinvestia na construção de quartinhos pela parte detrás do seu estabelecimento.
Quando já tinha uns dez “apertamentos”, resolveu fazer a inauguração do primeiro motel de Manaus.
Mandou colocar outra placa na mangueira, bem abaixo do anterior. Ficou assim: “VENDE-SE GÁS E FODE-SE ATRÁS”. Rimou.

·         É MUITA SACANAGEM COM O PORTUGUÊS – Um lusitano foi “descabelar o palhaço” num cabaré do baixo meretrício, na Rua Mauá, centro antigo de Manaus. Na recepção, tinha uma placa assim: “POUCA SACANAGEM: 50 REAIS – MUITA SACANAGEM: 25 REAIS”.
Ele falou bem alto:
- Sou português, mas não sou burro, não! Quero com muita sacanagem.
Uma jovem morena cor de jambo levou o gajo para um quarto escuro. Pediu para ele tirar as roupas, depois, começou a roda-lo até ficar tonto, abriu uma porta falsa e o empurrou para o meio da rua.
Pelado, colocou as mãos nos quartos e, indignado, esbravejou:
- É muita sacanagem!

Nos tempos atuais, uma dupla famosa de sertanejos está rodando o Brasil afora com um show completo denominado “CABARÉ” – agora é a vez de Manaus, onde haverá muitas canções das antigas, danças eróticas (cancan), com a negada (o público) dançando e bebendo – no final, muitos casais irão para os motéis da redondeza para completar a noite. Haja Cabaré!

O tempo passa, o cenário muda, mas, os cabarés continuam em evidência, mesmo com  outros nomes. É isso ai.
Postar um comentário