segunda-feira, 26 de março de 2018

GOVERNADOR LOBO D´ALMADA





Certa vez, estava sentado no Canto do Fuxico, no Bar Caldeira, um lugar preferido pelos manauaras da gema, quando o Carbajal Gomes perguntou-me quem foi Lobo D'Almada, que emprestou o nome a rua onde fica o boteco, apenas respondi que foi um grande governador do nosso Estado.


Ao ler o livro "Amazonas, Notícias da História ", da nossa cabocla historiadora Etelvina Garcia, pude conhecer um pouco mais sobre o Lobo.


Ele era militar e engenheiro civil, governou a Capitania de São José do Rio Negro (nome antigo do Estado do Amazonas) , no período de 1786 a 1798.


Transferiu a sede, em 1791, da Vila de Barcelos para o Lugar da Barra (atual Manaus).


Fez uma administração primorosa, com resultados econômico-sociais que o consagrou como o maior administrador do Amazonas colonial.


Construiu a atual Igreja Matriz, introduziu a pecuária no Amazonas, construiu o Palácio dos Governadores, o Hospital São José, fundou a freguesia de Nossa Senhora do Carmo de Tupinambarana (atual Parintins), construiu fábricas de velas, telhas, ladrilhos, cabos de piaçaba para atracação de barcos, etc.


Esse trabalho rendeu ciumeira e inveja do governador do Grão Pará e Rio Negro, o Francisco de Souza Coutinho, irmão do Rodrigo de Souza Coutinho, Ministro dos Negócios Ultramarinos, da Coroa Portuguesa.


O Lobo D'Almada foi acusado de se apropriar do dinheiro público.


Tentou, em vão, provar sua inocência, mostrando que possuía poucos bens, adquiridos ao longo de sua carreira pública.


O ministro perseguiu o Lobo D'Almada, tirando-o do poder, transferindo a capital de volta para Barcelos.


Desprestigiado e humilhado, recolheu-se em Barcelos, onde morreu no dia 27de outubro de 1799 e foi sepultado.


Lobo D'Almada, um grande nome da nossa história.

É isso ai
Postar um comentário