segunda-feira, 27 de março de 2017

A ARBORIZAÇÃO DE MANAUS – PASSADO & PRESENTE




A cidade de Manaus, no passado, era muito bem arborizada, como mostra as fotografias antigas – no presente, com o crescimento descontrolado, ficou praticamente “pelada”, porém, existe uma luz no fim do túnel, com projetos sérios por parte do governo municipal e da ação da população e dos movimentos sociais, para tentar reverter essa situação, tornando-a, novamente, verde.

O Estado do Amazonas possui uma extensão de 1,5 milhão de km2, enquanto Manaus tem apenas 11.400 km2 – a cidade fica no meio de uma imensidão de floresta tropical – um pingo no oceano de mata!

Até o final da década de setenta, a cidade terminava nos arredores do Boulevard Amazonas (atual Avenida Boulevard Álvaro Maia) -, era pequena e pacata, com praças e avenidas bem cuidadas e arborizadas, além dos moradores terem a preocupação em cultivar plantas frutíferas em seus quintais.

O verde imperava em toda a sua extensão, com as ruas cheias de mangueiras, benjaminzeiros, entre outras – a cidade era bela, bem cuidada, com praças e jardins sempre em manutenção, com as árvores sendo podadas regularmente.

Na belle époque (época feliz) as pessoas usavam paletó e gravata no seu dia a dia, pois o clima era mais ameno, com poucos automóveis e muita arborização.


A única via que conserva até hoje a arborização em toda a sua extensão, chama-se Avenida Getúlio Vargas, onde estudos revelaram que mesmo com o pesado fluxo de veículos, ela possui um clima mais ameno do que a Rua Duque de Caxias, por ser mais arborizada.

Segundo o IBGE (2010), a cidade de Manaus, conta apenas com 25,1% de arborização urbana de seus espaços públicos, muito aquém da cidade que ficou em primeiro lugar, Campo Grande, que apresenta 96,4% de arborização.

Por que é importante a arborização numa cidade – segundo os estudiosos, ela contribui para a redução de ruídos, altera para melhor o microclima e o  campo visual, além da melhoria do hábitat da fauna silvestre, assim como a recreação e lazer urbanos.

Podemos afirmar que, o bem estar do homem citadino está ligado ao componente vegetal urbano e que o plantio de árvores visa atender as necessidades humanas – influenciando até na escolha do individuo quanto ao novo lugar para viver, pois dá preferência aos locais com maior componente arbóreo.


A Prefeitura de Manaus, possui um projeto chamado “Arboriza Manaus”, com o intuito fazer intervenções de plantio de mudas de espécies nativas e exóticas em áreas públicas, tais como canteiros centrais, passeios públicos, praças, parques, áreas verdes, entre outras, englobando as seis zonas da cidade, sendo o plantio obedecendo aos padrões estabelecidos pelo Plano Diretor de Arborização Urbana de Manaus.

Em 2016, foram plantadas quatorze mil mudas, com planos para mais dez mil até o final de 2017.

Em nada adianta esse trabalho se não houver o envolvimento da comunidade, com ações de sensibilização juntos aos alunos da rede pública de ensino, dos líderes comunitários, das famílias, dos empregados e patrões, além do apoio dos movimentos sociais.

A falta de participação comunitária nos programas de arborização gera prejuízos como o “vandalismo”.

Acompanho, como mero expectador, a arborização de toda a extensão do canteiro central da Avenida Autaz Mirim, na zona Leste da cidade – são centenas de mudas plantadas, em 2016 – passado quase um ano, pouquíssimas foram arrancadas ou quebradas – isso mostra o grau de engajamento da comunidade.

Com a difusão das redes sociais, principalmente, do Facebook, foi possível criar grupos dos mais diversos possíveis, como o de defesa do meio ambiente e de reflorestamento das áreas degradadas de Manaus.

Muitas pessoas estão procurando o “Viveiro Municipal”, situado na Alameda Cosme Ferreira, dentro das dependências do Instituto Federal de Educação (IFAM), onde são entregues para cada pessoa até cinco mudas por semana, de espécies arbóreas, frutíferas e ornamentais.

Com a destruição do meio ambiente, em nome do “progresso”, muitas áreas protegidas por lei estão sendo desmatadas – a Prefeitura Municipal de Manaus, através da SEMMAS esclarece à população:

“Árvores que se encontram em “Áreas de Preservação Permanente” (APP’s), como nascentes, córregos e lagos e os remanescentes de vegetação nativa, não devem sofrer qualquer tipo de poda, corte ou extração, a menos que apresentem riscos à comunidade, necessitando sempre a autorização expressa do órgão ambiental municipal ou estadual”.

Todos em defesa da arborização urbana! Esse é o lema - espero que na próxima pesquisa do IBGE, possamos estar com um índice bem alto de arborização e, num futuro não muito distante, o verde possa imperar, novamente, em nossa cidade. É isso ai.

  Fontes:



Fotos: A Crítica (coloridas)


Postar um comentário