quinta-feira, 22 de março de 2007

Nasci no Hospital da Santa Casa de Misericórdia, na Rua 10 de Julho, a minha primeira moradia foi exatamente em um Flutuante (casa sob toras de madeiras), situada na Rua Igarapé de Manaus. O meu saudoso pai comprou um flutuante todo podre na década de 50, recuperou todinho, fez dois ambientes, a nossa casa e a oficina de violões, era enorme, talvez o maior do pedaço, tinha até água encanada, além de um motor de centro adaptado para cortar madeira.
Fui um ribeirinho, acompanhava a seca (vazante do rio), fazíamos o nosso campo de futebol, para as peladas diárias; jogávamos bolinha e cangapé; pegávamos Bodó no leito do rio, tinha também muito porrada com o pessoal lá rua Ipixuna e Major Gabriel, era uma beleza! Na cheia (enchente do rio), tudo mudava, o cenário era outro, o nosso flutuando era ponto para a meninada tomar banho de rio, pescar, andar de bote, canoa e bóia (tora de madeira). Ancoram vários barcos no nosso flutuante; o meu pai recebia madeiras beneficiadas (cedro, marupá e macacauba), entregues pelo seu compadre e, mandava cavaco e violões para os clientes do interior.
A famosa Cidade Flutuante começou a ser desmontada em 1964. Para não sermos pegos de surpresa, o meu pai vendeu o motor de centro, comprou um terreno na Vila Paraíso (entre a Avenida Getúlio Vargas e a Rua Tapajós), aproveitou parte da madeira do flutuante para construir uma pequena casa (em terra firme!).



Postar um comentário