sexta-feira, 16 de março de 2007



O médico psiquiatra Rogelio Casado está mobilizando a sociedade civil manauense, para participarem de várias manifestações em favor da recuperação dos prédios do entorno do Porto de Manaus, o famoso “Roadway”, principalmente de um em especial, que servirá de abrigo ao Teatro Municipal de Manaus. Na oportunidade, transcrevo o trabalho do amigo Rogelio no seu Blog www.rogeliocasado.blogspot.com.

Com a palavra Aníbal Beça, presidente do Conselho Municipal de Cultura de Manaus.

Fachada do futuro Teatro Municipal de Manaus
E aí, querido Aníbal, o Sarafa (assim é conhecido popularmente o prefeito de Manaus), vai ou não vai criar o Teatro Municipal de Manaus, antes que todo esse sítio vire pó?

Detalhe do abandono do sítio histórico
Detalhe do sítio histórico abandonado, nas mediações do Porto de Manaus, em frente da baía do Rio Negro. Observe e compare com outra foto publicada neste blog: os prédios à direita foram desmoronando um a um. Conversando com alguns artistas da cidade, não foram poucos os que, como São Thomé, céticos quanto à preservação deste sítio histórico, declararam: "Só vendo para crer".
Chega de memória de cartão postal!
Eis o complexo arquitetônico, que irá abrigar o Teatro Municipal de Manaus, quando ainda tinha vida no final dos anos 1950. Nessa época, e até o final dos anos 1960, os habitantes da acolhedora cidade de Manaus tinham uma invejável qualidade de vida, com todos os seus igarapés preservados e suas respectivas matas ciliares.
Sítio histórico abrigará o Teatro Municipal de Manaus
Anote aí na sua agenda: 2007 - ano zero da proposta de criação do Teatro Municipal de Manaus. Comenta-se, à boca pequena, que o prefeito Serafim Corrêa estaria em adiantado entendimento com autoridades da administração do Porto de Manaus para a preservação de um sítio histórico - atualmente em estado de abandono, como se vê na fotografia acima -, em cujo local seria criado o Teatro Municipal de Manaus. Iniciativas como essas tardam, mas são bem vindas diante da depredação do nosso patrimônio arquitetônico. Chega de destruição!
Postar um comentário